NOTÍCIAS
19/10/2016 | 21h00

Lançamentos

FCA produz versão 4x2 flex do Jeep Compass

Carro feito em Pernambuco com motor mexicano vai de R$ 100 mil a R$ 125 mil


REDAÇÃO AB

Jeep Compass Tigershark 2.0 Flex: versão bicombustível Sport, a mais barata, sai por quase R$ 100 mil
A Fiat Chrysler Automobiles (FCA) começou a produzir em Goiana (PE) a versão 4x2 flex etanol-gasolina com tração dianteira e transmissão automática Aisin de seis velocidades do Jeep Compass, que deve chegar às concessionárias em novembro próximo juntamente com o “irmão” turbodiesel 4x4 com o câmbio automático ZF de nove marchas, que entrou em produção um pouco antes no mês passado (leia aqui). O Compass é o segundo veículo da FCA no mundo equipado com o motor Tigershark 2.0, que vem importado do México e já está a bordo do Dodge Dart, mas é o primeiro modelo a usar a configuração bicombustível que desenvolve 166 cavalos e 20,5 kgfm de torque abastecido com etanol (159 cv e 19,9 kgfm com gasolina), próximo dos 170 cv do 2.0 Multijet Diesel. O sistema de injeção flex com pré-aquecimento ECS (Ethanol Cold System), que dispensa injeção de gasolina na partida a frio, foi desenvolvido no Brasil pela Magneti Marelli, que também pertence ao grupo FCA.

O Compass Tigershark 2.0 Flex nas versões Sport, Longitude e Limited custará R$ 99.990, R$ 106.990 e R$ 124.990, respectivamente. Há ainda a edição de lançamento Opening Edition, de 500 unidades, por R$ 109.490. Mais barato do que a opção diesel, que parte de R$ 132.990, a FCA estima que o Compass bicombustível será responsável por 70% das vendas do modelo.

Assim como a versão diesel, o Jeep Compass Flex é bastante completo desde a opção mais básica, incluindo direção elétrica progressiva, acionamento elétrico de travas e vidros, módulo multimídia de infoentretenimento com som e navegação por GPS, além de sistemas de segurança como controle eletrônico de estabilidade (ESC), sistemas eletrônicos anticapotamento (ERM) e de oscilação de reboque (TSC), monitoramento de pressão dos pneus e câmera de estacionamento traseiro, entre os mais importantes.

O pacote avançado de segurança, contudo, é oferecido como opcional e somente nas versões mais caras, mandando o preço para além dos R$ 130 mil incluindo controle de velocidade adaptativo (ACC), aviso e prevenção de colisão frontal (FCWp), alerta de mudança de faixa (LDW), farol alto automático (AHB), detector de pontos cegos (BSD), assistência de estacionamento (Park Assist) e sete air bags, somando os dois frontais obrigatórios por lei e mais dois laterais, duas cortinas e um para os joelhos do motorista.

MOTOR BEBERRÃO

O motor Tigershark 2.0 16V Flex, com bloco e cabeçote de alumínio, tem duplo comando de válvulas no cabeçote e duplo variador de fase, para garantir maior eficiência. Segundo a FCA, para poder rodar com 100% de etanol, o propulsor recebeu 20 importantes modificações em relação à versão original a gasolina. Além do novo sistema de injeção e partica a frio, a taxa de compressão, que era de 10,2:1, foi aumentada para 11,8:1. Pela medição de fábrica, o Compass Flex abastecido com etanol acelera de 0 a 100 km/h em 10,6 segundos, chegando à máxima de 192 km/h (com gasolina E22 o desempenho é de 0 a 100 km/h em 10,9 segundos e máxima de 188 km/h).

Com motor aspirado e peso de 1.541 kg, o Jeep Compass Flex não é dos mais econômicos. Segundo medição da FCA, com gasolina E22 o modelo faz 8,1 km/l na cidade e 10,5 km/l na estrada, eficiência que cai sensivelmente com etanol: 5,5 km/l na cidade e 7,2 km/l na estrada. Mas quem paga mais de R$ 100 mil em um carro certamente não está preocupado com isso.

Comentários: 0
 

Comente essa notícia

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*:

QUEM É QUEM NO SETOR AUTOMOTIVO

Encontre empresas e profissionais do setor.
Confira seus perfis e biografias.

Encontre empresas e profissionais do setor.

Encontre empresas e profissionais de comunicação.

Confira seus perfis e biografias.

COLUNISTAS

ALTA RODA | 15/11/2017
Mudança na mobilidade domina discussões do Congresso SAE Brasil

Esta coluna é apoiada por:

Documento sem título
Advertisement Advertisement Advertisement Advertisement
QUALIDADE | 03/07/2017
Rota 2030 terá missão de levar a indústria automotiva nacional até o futuro
QUALIDADE | 23/11/2016
Empresas do setor automotivo precisam atualizar sistema de qualidade até 2018
Indústria | 01/08/2016
Declaração do presidente da FCA evidencia crise no setor de autopeças
Pressão de montadoras adia controle de estabilidade obrigatório
Tecnologia | 13/03/2015
Setor enfrentará grandes mudanças nos próximos anos
DE CARRO POR AÍ | 17/11/2017
Chineses entregam operação brasileira à administração dos brasileiros
INOVAÇÃO | 25/10/2017
Indústria precisa questionar qual será o seu papel no futuro
DISTRIBUIÇÃO | 03/08/2017
Marca percorreu caminho árduo e conseguiu destronar a Toyota da 1ª posição
Tecnologia | 23/07/2015
Novas ferramentas de desenvolvimento encurtam caminho para a competitividade
MERCADO | 16/01/2015
Utilização do potencial só deve melhorar a partir de 2016
AUTOINFORME | 09/11/2017
Luguez firmou parceria com o governo de Ohio
COMPETITIVIDADE | 08/04/2014
Interrupção do crescimento desafia fabricantes
Novas palavras, expressões e siglas podem levantar dúvidas sobre o futuro