Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
FCA trabalha na maior renovação da história da Fiat

Negócios | 10/11/2016 | 16h47

FCA trabalha na maior renovação da história da Fiat

Presidente da companhia quer gerar valor com cada um dos produtos da gama

GIOVANNA RIATO, AB

Entre mortos e feridos, a FCA sairá mais forte da crise que derruba as vendas de veículos no Brasil. Ao menos é o que garante Stefan Ketter, o presidente da companhia para a América Latina. “Nunca fizemos tantos lançamentos em um ano. Estamos começando a recuperar o espaço perdido pela Fiat no Brasil”, diz, se referindo à chegada do compacto Mobi, da picape Toro e do Jeep Compass, segundo carro da marca fabricado na fábrica pernambucana de Goiana.

Ele diz que, mais do que gerar volume e market share, cada veículo da companhia precisa gerar valor para a marca, independentemente do segmento. É o que a empresa parece estar alcançando com a Toro, que já está entre as picapes mais vendidas do país, com volume superior ao projetado inicialmente. A FCA trabalha ainda para fazer o mesmo com o Mobi, que começou mal no mercado, mas passa a apresentar resultados mais interessantes.

“Outubro foi o melhor mês de vendas para este modelo. Nunca quisemos vender ele como o carro mais barato do Brasil, mas como uma solução inteligente de mobilidade. O objetivo é gerar imagem coerente e sustentável. Vender por preço é destruição de valor para a marca”, conta o executivo, indicando que a empresa se reinventa ao desapegar da filosofia que tornou o Mille sucesso tão grande no passado.

“Estamos na maior renovação da história da marca Fiat”, destaca. Ketter esclarece que depois de trazer novidades para as duas pontas do portfólio com o compacto e a picape, é a hora de atualizar modelos médios. A ideia é manter o ritmo de lançamentos, com uma novidade a cada semestre.

Ao apostar na qualidade e boa oferta de produtos, Ketter quer intensificar as exportações. Ele promete novidades em breve para a Toro e quer seguir nestas negociações até construir participação consistente no mercado externo. “O projeto de exportação não pode ser oportunista, priorizado só quando o mercado brasileiro está ruim. É algo que tem que ser feito de forma real e sustentável para sempre”, defende. Na FCA, o foco permanente nas exportações foi um dos fatores levado em conta na construção da fábrica da Jeep em Goiana (PE), aponta Ketter. Segundo o executivo a unidade foi erguida para ser competitiva internacionalmente.

2017 AINDA MELHOR

Com tantas novidades, o presidente da FCA diz que a empresa fechará 2016 com resultado positivo, com lucratividade mesmo no contexto desafiador. A intenção é seguir assim em 2017, talvez em um cenário um pouco mais favorável, com discreta expansão do mercado nacional. “Espero que a gente volte para o mercado real”, diz, destacando que, na crise, aumentou muito a participação das vendas diretas nos emplacamentos, algo que distorce os números. Ele quer crescer no varejo.

Ketter lembra que o ano que vem será ainda mais importante para o setor automotivo por causa do Inovar-Auto, regime automotivo que termina em outubro. É essencial, ele diz, definir nova política industrial para dar continuidade ao programa. Desta vez a visão deve ser de longo prazo, com foco em reconstruir a cadeia de fornecedores e buscar acordos de comércio internacional. Definir novas metas de eficiência energética é outra ação indispensável para o executivo. “A primeira fase do programa nos colocou dentro da indústria global. Agora temos que continuar. Sem novas regras vamos ficar defasados em 2020 e não conseguiremos competir globalmente”, avalia.

Assista à entrevista exclusiva com Stefan Ketter direto do Salão do Automóvel 2016:



Tags: FCA, Fiat, Jeep, Stefan Ketter.

Comentários

  • Anderson Pena

    Exatamente, estamos totalmente dentro de uma indústria global, onde muita novidade irá surgir e certamente estar atento as mudanças será o novo desafio para competir globalmente.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência