Automotive Business
  
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Indústria | 24/11/2016 | 21h00

Brasil some do plano estratégico da Volkswagen

País tem pouca relevância no planejamento apresentado até 2025

PEDRO KUTNEY, AB

O Brasil, maior mercado da América do Sul onde a Volkswagen iniciou sua expansão internacional com a construção de sua primeira fábrica fora da Alemanha ainda no fim dos anos 1950, não é citado sequer uma vez no comunicado distribuído pela empresa que explica o plano Transform 2025+, aprovado por seu conselho de administração na terça-feira, 22, na sede da companhia em Wolfsburg. O programa elenca as principais ações da VW como fabricante e marca de veículos até 2030, aponta os objetivos nas diferentes regiões do mundo, com o claro objetivo de limpar sua imagem e superar o escândalo da fraude de emissões de poluentes de motores diesel, por meio de forte ofensiva no lançamento de carros elétricos na próxima década na Europa Ocidental, China e Estados Unidos.

A profunda e persistente depressão do mercado brasileiro, piorada pela constante perda de participação da marca nas vendas, torna o Brasil menos importante nos planos futuros da Volkswagen – e de outras empresas estrangeiras que atuam no País. A notória perda de importância da operação brasileira fica melhor evidenciada no único trecho do comunicado sobre o plano estratégico em que a região sul-americana é citada em meio a outros mercados emergentes.

Traduzindo do documento em inglês, a empresa diz: “Na China, a Volkswagen quer reforçar sua posição de ‘topo de volume’ que já conquistou (NR: quer dizer, liderança no alto dos segmentos de altos volumes). Também na China a marca visa se beneficiar do potencial de forte crescimento do segmento econômico (NR: em inglês, economy segment significa carros mais baratos, de entrada, assim como a economy class dos aviões é ‘classe econômica’). Esse trabalho já começou com o desenvolvimento de modelos apropriados. Em outros mercados relevantes como Índia, América do Sul e Rússia, a Volkswagen também pretende desenvolver o segmento econômico”, afirma a nota. Ou seja, a intenção por aqui parece ser de continuar a projetar e vender produtos mais baratos, de baixo valor agregado, sem grandes sofisticações tecnológicas, como sempre foi feito até o momento.

Se o Brasil e outros emergentes terão mais do mesmo, a Volkswagen promete mudanças bem mais profundas para Europa, China e América do Norte em seu plano Transform 2025+. “Nossos objetivos são elevados e nossa estratégia é muito ambiciosa. Queremos ganhar com as mudanças e levar a Volkswagen à liderança da nova indústria automotiva. Ao longo dos próximos anos, a Volkswagen mudará radicalmente. Poucas coisas continuarão como são hoje. Em última instância, a nova estratégia é um grande programa de transformação”, resumiu Herbert Diess, presidente do conselho de administração da marca.

TRANSFORMAÇÃO EM TRÊS FASES

Segundo a empresa, as mudanças vão acontecer em três fases. A primeira, até 2020, é a mais dura, prevê profundas reestruturações na companhia, cortes de custos, programa de demissões de 30 mil funcionários em todo o mundo (leia aqui). O objetivo é realinhar o negócio, recuperar a imagem e os estragos financeiros do dieselgate, criar novas competência e redirecionar recursos para o desenvolvimento de novos produtos, especialmente os elétricos, que chegam com força na fase dois do programa, até 2025, quando a VW pretende lançar mais de 30 modelos elétricos, para “assumir a liderança em mobilidade elétrica com base em sua força recuperada como uma fabricante de alto volume proeminente e lucrativa”, diz o comunicado.

Com a descontinuação de certos modelos convencionais e de versões de baixo volume e baixa lucratividade, a Volkswagen espera liberar recursos acima de € 2,5 bilhões para desenvolver veículos elétricos, com a meta ambiciosa de ser a número um do segmento. “A partir de 2020 vamos lançar nossa grande ofensiva de mobilidade elétrica. Não estamos mirando em produtos de nicho, mas o coração do mercado automobilístico. Até 2025, queremos vender 1 milhão de automóveis elétricos por ano e ser líderes no mercado mundial. Nossos futuros carros elétricos serão a nova marca registrada da Volkswagen”, afirmou Diess.

Para esta etapa também está prevista a incorporação de outra tendência da indústria: criar novos serviços de mobilidade, como por exemplo participar do mercado de compartilhamento de veículos que ganha força nas economias desenvolvidas. A intenção para depois de 2025, segundo a Volkswagen, é participar de forma rentável da grande transformação esperada na indústria, com o objetivo de liderar o novo mundo da mobilidade até 2030.

“TOPO DE VOLUME”

Com o emergente novo slogan criado para a nova fase da empresa, Moving People Forward (Movendo as Pessoas Adiante), a Volkswagen quer ser líder “no topo do segmento de volume” – traduzindo, ser a que vende os carros mais caros do mercado de altos volumes. A companhia afirma que, até agora, só alcançou este objetivo na China e Europa. Para conquistar essa posição no resto do mundo, a estratégia é muito parecida com a dos demais concorrentes: uma forte ofensiva de lançamentos de novos modelos SUVs no primeiro estágio e com a onda de eletrificação no segundo estágio.

Com esses dois movimentos combinados (mais SUVs e mais elétricos), a VW espera garantir volumes maiores tanto na China como nos Estados Unidos. Na América do Norte, a meta é passar de uma marca de nicho a uma relevante e lucrativa fabricante de alto volume. Segundo Diess: “Vamos incrementar significativamente nossas atividades nos Estados Unidos. O foco principal será nos segmentos chave no país, como grandes SUVs e sedãs. Num segundo estágio, traremos nossos carros elétricos para a América do Norte. Ao longo dos próximos anos, faremos consideráveis investimentos em infraestrutura elétrica”. A produção local de veículos sobre a plataforma elétrica MEB deve começar em 2021, segundo a empresa.

A marca também informa que vai desenvolver sua própria plataforma digital, para se aproximar dos clientes e desenvolver novos potenciais de ganhos, por meio da oferta de serviços. Até 2025, a Volkswagen espera ter cerca de 80 milhões de usuários ativos de sua plataforma em todo o mundo, com vendas provenientes de veículos interconectados de € 1 bilhão por ano.

CRESCIMENTO LUCRATIVO

As expectativas em relação aos resultados do programa Transform 2025+ são igualmente ambiciosas. O conselho de administração da Volkswagen espera por significativo aumento no faturamento e na lucratividade ao longo dos próximos 10 anos com o cumprimento das metas do plano. O objetivo é dobrar a margem de lucro operacional dos 2% em 2015 para 4% até 2020, com elevação para 6% até 2025.

Para alcançar os novos níveis de rentabilidade a companhia também conta com o que chama de “pacto para o futuro” apresentado em 18 de novembro, que com seus cortes e readequações de pessoal e fábricas terá impacto positivo calculado em € 3,7 bilhões por ano até 2020 – sozinhas, as instalações na Alemanha contribuirão com € 3 bilhões deste total. A marca Volkswagen afirma que ao longo dos próximos anos manterá seus investimentos estáveis na casa de € 4,5 bilhões.



Tags: Volkswagen, VW, Transform 2025+, planejamento.

Comentários

  • Flavio Martins

    Ótima inicitiva. É importante que empresas fortes como a Volkswagen puxem essa nova tendência de carros compartilhados e invistam em automóveis movidos a eletricidade. Novos negócios diretos e indiretos irão surgir.

  • Haroldo Silva

    A única coisa que me deixa triste como brasileiro é que temos que continuar a engolir carroças.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência