Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Indústria | 01/02/2017 | 18h42

Brasil é vanguardista em tecnologia automotiva

Segundo KPMG, mercado nacional prioriza conectividade e inovação

GIOVANNA RIATO, AB

A KPMG apresentou um recorte dos dados nacionais do Gaes 2017, pesquisa global com mil executivos de alto escalão da indústria automotiva divulgada no último dia 24 (leia aqui). Os números do levantamento comprovam que, ainda que o Brasil não seja um grande polo de desenvolvimento do ponto de vista global, o mercado nacional é vanguardista quando o assunto é tecnologia. Os profissionais entrevistados localmente demonstraram expectativa acima da média acerca do avanço da conectividade e da autonomia nos carros.


-Faça aqui o download do Gaes 2017
-Veja mais estudos e estatísticas em AB Inteligência


Mais de 97% dos executivos concordaram parcial ou totalmente que, até 2025, os produtos e serviços agregados serão critérios importantes no momento em que o consumidor vai comprar um veículo, aspectos que vão gerar valor. “Esse número salta aos olhos na comparação com o resultado global, que foi de 76%”, aponta Ricardo Bacellar, diretor da divisão automotiva da KPMG no Brasil.

Outra conclusão do Gaes 2017 é que o automóvel conectado vai sustentar o modelo de negócio da indústria nos próximos anos. Dos entrevistados no Brasil, 75% concordaram que os modelos com a tecnologia têm potencial para gerar 10 vezes mais receitas do que os carros analógicos.

Ainda que os líderes do setor automotivo tenham indicadores do novo horizonte para a indústria, Bacellar enfatiza que o caminho para esta evolução é nebuloso. “Os executivos da indústria percebem tendências, mas ainda não sabem ao certo como esta evolução vai acontecer”, diz.

Mesmo sem rumos claros, a transformação tende a ser rápida, aponta. “Toda disrupção é exponencial, vem de uma hora para a outra.” Neste processo, ele projeta que as empresas do setor automotivo passem por uma série de fusões e aquisições, como já aconteceu em outros setores que enfrentaram momentos semelhantes. “É curioso que as montadoras falem tão pouco sobre isso. Entre os líderes, apenas Sergio Marchionne, CEO da FCA, não tem medo de tocar no assunto”, lembra.

Bacellar admite que o processo de transformar o modelo de negócio é desafiador, mas entende que este é o único caminho possível para o setor automotivo. “Mudar uma indústria que teve sucesso por mais de 100 anos é difícil, mas o setor não pode ficar parado e repetir o que aconteceu no segmento de telecomunicações”, diz, lembrando das empresas que ficaram inertes enquanto uma série de aplicativos de comunicação, como WhatsApp e Facebook, conquistaram espaço entre os consumidores.



Tags: KPMG, Gaes 2017, estudo, tecnologia, mercado.

Comentários

  • Sergio Hanzl

    Vocês esqueceram de mencionar com qual país (ou países) compararam o Brasil para dizer que nós estamos na vanguarda da tecnologia, se for em relação ao Suriname, Haiti ou Paraguai talvez vocês tenham razão. Talvez.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência