NOTÍCIAS
14/02/2017 | 20h20

Lançamentos

Renault lança Captur sobre base do Duster

SUV projetado no Brasil chega por preços de R$ 78.900 a R$ 91.390


PEDRO KUTNEY, AB

Para desenvolver carros no Brasil, a Renault lança mão da estratégia de realizar simbioses de produtos. Depois de transformar em Renault aqui toda a linha de modelos da sua controlada romena Dacia – manobra iniciada com o Logan em 2007 –, desta vez a montadora usou a plataforma do utilitário esportivo Duster para desenvolver outro SUV, o Captur, que na Europa é construído sobre a base da última geração do Clio, menor, porém mais moderna e evoluída. A engenharia brasileira da Renault comandou o desenvolvimento do Captur “emergente” com custos menores, que já é produzido há seis meses na Rússia e também será na Índia, para ser vendido nesses países e seus arredores onde existem consumidores menos exigentes.

A Renault já vende desde dezembro o Captur brasileiro na Argentina e deverá exportá-lo de sua fábrica de São José dos Pinhais para oito outros mercados da América Latina. No Brasil começou esta semana a fase de pré-venda, é possível agendar test-drives com o modelo em 80% das concessionárias da marca no País. As primeiras entregas no Sul e Sudeste devem ser iniciadas semana que vem e a fabricante afirma que a partir de 10 de março toda a rede estará abastecida.

Para o lançamento, a marca aposta em usar o design elegante do Captur para "colar" uma imagem sofisticada ao modelo. Como parte da estratégia para atrair público que compra carros mais caros do que os até hoje oferecidos na rede de concessionárias, foi criada a Maison Renault em um dos endereços mais luxuosos de São Paulo. Onde existia um posto de gasolina desativado na badalada Rua Oscar Freire, foi construída em 40 dias uma grande estrutura provisória para abrigar uma série de ações de marketing até 12 de março, que devem receber 10 mil pessoas com a realização de 48 eventos entre exposições, shows e degustações gastronômicas.

O Captur inaugura no Brasil uma ofensiva de lançamentos de SUVs (ou algo parecido com isso) da Renault, que inclui o compacto popular Kwid e o Koleos, de maior porte, que virá importado da Coreia ainda neste semestre. "Investimos no segmento que mais cresce no País, que passou de 6% do mercado em 2014 para 15% no ano passado. Temos certeza que é a aposta certa", justifica Fabrice Cambolive, presidente da Renault do Brasil.



Apesar de ser uma adaptação sobre plataforma antiga, o Captur traz em seus traços a mais recente identidade visual mundial da Renault, desenhada em regime de cooperação pelos cinco centros de design da marca no mundo, incluindo um instalado em São Paulo. A nova geração do Captur europeu, que será apresentada no Salão de Genebra em março, também trará os mesmos traços, que incluem luzes diurnas (DRL) abaixo dos faróis e lanternas traseiras de LED, além de grade dianteira redesenhada com o losango da Renault fixado em uma haste alinhada com os faróis. Para fazer a nova pintura bicolorida do novo modelo, foram investidos € 4,5 milhões da fábrica de São José dos Pinhais (PR), para instalar um novo processo robotizado que pinta cada carro em 1 hora e 50 minutos.

Para desenvolver o Captur brasileiro, a engenharia da Renault trabalhou 720 mil horas e rodou 1 milhão de quilômetros com 150 veículos de testes em seis países. "O carro tem poucas partes do Captur europeu e a plataforma do Duster também foi bastante modificada. Foi um desenvolvimento novo feito no Brasil, que liderou o projeto do carro a ser fabricado também na Rússia e Índia", afirma Antonio Fleischmann, diretor de projeto Américas.

PREÇOS

O Captur também inaugura uma nova configuração de versões, que aos poucos será estendida para os demais modelos da Renault no País. Serão só duas nomenclaturas, começando com a versão Zen, equipada com câmbio manual e o novo motor 1.6 SCe – o mesmo que desde o fim do ano passado é usado por Sandero e Logan, mas recalibrado com um pouco mais de potência, de 118 para 120 cavalos abastecido com etanol. Esta versão parte de R$ 78,9 mil e assim deve ser forte concorrente em preço do Nissan Kicks, que tem tamanho e motorização assemelhados.

Opcionalmente, o Captur Zen pode receber a central Media Nav, com sistema de som, conexão com celular, navegador e câmera de ré por R$ 1.990. Pintura em duas cores custa mais R$ 1,4 mil. Dentro de três meses a Renault promete oferecer a opção de transmissão automática CVT em conjunto com a motorização 1.6.

A versão topo de linha agora é chamada de Intense, equipada com um ultrapassado e pouco eficiente powertrain importado da França, motor flex 2.0 de 148 cavalos (etanol) e câmbio automático de apenas quatro velocidades. O preço parte de R$ 88.490 e pode chegar ao teto de R$ 91.390 se forem agregados bancos revestidos com couro (R$ 1,5 mil) e pintura bicolorida (R$ 1.4 mil). Pelo monitoramento do público-alvo imaginado para o Captur, a Renault calcula que esta versão será responsável pela maioria das vendas do modelo, dominando de 75% a 80% do mix, mas isso até a chegada da opção 1.6 CVT, que deverá roubar muitos clientes desta versão.

COMPLETO



A plataforma do Captur nacional pode ser antiga, mas a Renault garante que fez diversas modificações na adaptação em relação ao Duster, incluindo uma nova suspensão. Também aparelhou o carro com uma moderna arquitetura eletroeletrônica que conta com 13 computadores para controlar muitos equipamentos de série que aumentam eficiência, conforto e segurança. O pacote é bem completo desde a versão mais barata, incluindo quatro airbags (frontais e laterais), cintos de segurança com pré-tensionador pirotécnico, freios com ABS/EBD e controle eletrônico de estabilidade e tração (o ESP fabricado no Brasil pela Bosch), assistência de partida em rampa, direção eletro-hidráulica, assistente de frenagem de emergência, ancoragem Isofix para cadeirinhas de crianças, ar-condicionado, acionamento elétrico de vidros, travas e retrovisores com rebatimento, rodas de liga leve de 17 polegadas.

A grande vantagem de ter sido adaptado sobre a ampla plataforma do Duster é que o Captur brasileiro ficou maior e confortável. Ele é 20 centímetros mais longo, cinco mais alto e quatro mais largo do que o modelo europeu lançado em 2013. O porta-malas de 400 litros é o maior da categoria. Esse arranjo sobre a base de baixo custo da Dacia trouxe qualidade competitiva ao novo SUV: a Renault garante que o Captur é o mais espaçoso dos SUVs compactos já lançados no mercado brasileiro, assim como é o que tem a carroceria com maior distância do solo e posição de dirigir elevada.

O posicionamento de mercado do Captur fica acima do Duster, que parte de R$ 65 mil com motor 1.6 (a versão que responde por 85% das vendas do modelo) e chega a R$ 84 mil com o mesmo powertrain 2.0 e câmbio automático usado no Captur. Por isso os executivos da Renault avaliam que não haverá canibalização entre os modelos. O Captur, por enquanto, não será oferecido com tração 4x4, como já acontece em outros mercados. Esta opção ficará restrita ao Duster, mas a montadora não descarta essa possibilidade. Se houver demanda, a engenharia garante que está preparada para fazer.




Comentários: 0
 

Comente essa notícia

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*:

QUEM É QUEM NO SETOR AUTOMOTIVO

Encontre empresas e profissionais do setor.
Confira seus perfis e biografias.

Encontre empresas e profissionais do setor.

Encontre empresas e profissionais de comunicação.

Confira seus perfis e biografias.

COLUNISTAS

ALTA RODA | 05/12/2017
Programa incentiva uso de biocombustíveis e dá ao Brasil ferramenta para reduzir emissões

Esta coluna é apoiada por:

Advertisement Advertisement Advertisement Advertisement Advertisement
Indústria | 01/08/2016
Declaração do presidente da FCA evidencia crise no setor de autopeças
Pressão de montadoras adia controle de estabilidade obrigatório
Tecnologia | 13/03/2015
Setor enfrentará grandes mudanças nos próximos anos
INOVAÇÃO | 25/10/2017
Indústria precisa questionar qual será o seu papel no futuro
DISTRIBUIÇÃO | 03/08/2017
Marca percorreu caminho árduo e conseguiu destronar a Toyota da 1ª posição
Tecnologia | 23/07/2015
Novas ferramentas de desenvolvimento encurtam caminho para a competitividade
MERCADO | 16/01/2015
Utilização do potencial só deve melhorar a partir de 2016
AUTOINFORME | 07/12/2017
Aumenta pressão por manter mercado protegido dos importados
QUALIDADE | 01/12/2017
Envolver e motivar colaboradores é essencial para gerar bons resultados
COMPETITIVIDADE | 08/04/2014
Interrupção do crescimento desafia fabricantes
Novas palavras, expressões e siglas podem levantar dúvidas sobre o futuro
QUALIDADE | 03/07/2017
Rota 2030 terá missão de levar a indústria automotiva nacional até o futuro
DE CARRO POR AÍ | 08/12/2017
Programa de desenvolvimento do setor insiste em protecionismo
QUALIDADE | 23/11/2016
Empresas do setor automotivo precisam atualizar sistema de qualidade até 2018