Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Metalúrgicos paralisam linhas de produção pelo País
Trabalhadores da GM em São José dos Campos atrasam o início do 1º turno de produção (Foto: Lucas Lacaz)

Trabalho | 25/04/2017 | 19h58

Metalúrgicos paralisam linhas de produção pelo País

Protestos são contra a reforma trabalhista, da previdência e terceirização

REDAÇÃO AB

Os metalúrgicos de diversas fábricas atrasaram em pelo menos uma hora o início das atividades de algumas plantas no País na terça-feira, 25, em protesto contra as reformas trabalhista, da previdência e da terceirização. No ABC Paulista, os trabalhadores paralisaram as operações na Ford, Mercedes-Benz, Scania e Volkswagen por uma hora e meia na entrada do primeiro turno de produção.

Além destas, houve mobilização em montadoras de outras regiões, tais como General Motors (São Caetano/SP, São José dos Campos/SP e Joinville/SC), Toyota (Porto Feliz/SP), Volkswagen (São Carlos/SP), Mitsubishi (Catalão/GO), Jonh Deere (máquinas agrícolas – Catalão/GO), BMW (Araquari/SC), Chery (Jacareí/SP), além da Kanjico (sistemista de Sorocaba que atende a Toyota). Segundo o sindicato do ABC, também estavam previstas paralisações na Mercedes-Benz (Juiz de Fora/MG), Fiat (Goiana/PE e Campo Largo/PR) e Ford (Taubaté/SP).

Nas unidades do ABC, houve assembleias simultâneas que reforçaram a intenção da categoria em aderir à greve geral marcada para a próxima sexta-feira, 28. Na Volkswagen, a atividade foi conduzida pelo secretário-geral do sindicato local, eleito novo presidente da entidade para o próximo mandato, Wagner Santana. “O que sair de resultado das reformas valerá para o resto das nossas vidas. Portanto, vale a pena fazer esta luta. Vamos nos comprometer e assumir esta luta. Dia 28 é Greve Geral. Não é para trabalhar e não é para dar trabalho para ninguém, nem vir à fábrica”, disse.

Na Scania, o atual presidente do sindicato dos metalúrgicos do ABC, Rafael Marques, reforçou: “A reforma trabalhista, que o governo pretende votar no congresso nos próximos dias, vai abrir caminho para os contratos parciais de trabalho, com jornada flexível e menor remuneração, que poderá tornar-se até mesmo o padrão de contratação no País. Vai permitir que patrões possam demitir trabalhadores sem necessidade de justificativa, aumentando a rotatividade no mercado de trabalho. Isso sem falar nos absurdos da reforma da previdência. Nunca foi tão necessária a mobilização dos trabalhadores e a união do movimento sindical brasileiro”, destacou.

Os dirigentes do sindicato também abordaram sobre a proposta que vem sendo construída pela entidade que visa uma negociação nacional com as montadoras com objetivo de evitar o que tem sido apontado como um “desmonte” da legislação e das convenções coletivas. “Estamos construindo primeiramente entre os parceiros do movimento sindical. Nós já temos cláusulas nas convenções coletivas das montadoras no estado de São Paulo que deixam claro o que pode ou não ser terceirizado. Mas com a nova lei, essa cláusula pode cair. Estamos conversando com as cinco centrais sindicais [CUT, Força Sindical, CTB, CSP-Conlutas e Intersindical] sobre o estabelecimento de um contrato coletivo nacional com as montadoras, que deve incluir uma cláusula que impeça a terceirização indiscriminada nas montadoras e que pode também regular temas como jornada de trabalho, entre outros”, explicou Marques.



Tags: Metalúrgicos, paralisações, sindicatos, fábricas.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência