Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Trabalho | 23/05/2017 | 17h51

Autopeças esperam dificuldades nas negociações de acordos salariais

Com inflação abaixo de 4%, sindicatos tendem a pedir reajuste maior

PEDRO KUTNEY, AB

Após dois anos de reajustes abaixo da inflação, o setor nacional de autopeças espera encontrar dificuldades para fechar os acordos salariais deste ano com as centrais sindicais. Isso porque a inflação medida pelo INPC deve ficar em torno dos 4%, índice bastante baixo, metade do verificado em 2015 e 2016, o que fará os sindicatos pedirem mais. “Uma coisa é negociar com INPC de 7% a 8%, outra é de 3% a 4%. Nossos trabalhadores acham pouco e há dificuldade em conceder qualquer aumento acima da inflação, nossos associados não aceitam nem pequenos arredondamentos para cima”, afirma Adilson Sigarini, diretor de RH da Thyssenkrupp Brasil e conselheiro diretor de relações trabalhistas do Sindipeças, que reúne cerca de 400 fabricantes de componentes no País.

Falando durante o V Fórum de RH na Indústria Automobilística (leia aqui), realizado por Automotive Business na segunda-feira, 22, em São Paulo, Sigarini mostrou o panorama que deve nortear as negociações do Sindipeças com as principais centrais sindicais do País. As principais datas-base, envolvendo maior número de empresas associadas ao Sindipeças, acontecem no segundo semestre, em setembro com os sindicatos de metalúrgicos ligados à CUT do ABC Paulista, além de Intersindical e Conlutas, principalmente no interior de São Paulo, e em novembro com a Força Sindical.

“Foram concedidos aumentos acima da inflação em sete dos 10 últimos anos, mas isso mudou a partir de 2014, sendo que em 2015 e 2016 concedemos reajustes de 8%, abaixo do INPC desses períodos”, lembra Sigarini. Após atingir 11,3% em 2015 e 6,6% em 2016, o INPC de 12 meses acumulado até abril passado já estava abaixo de 4%, foi de 3,98%, e a expectativa do Sindipeças é que se aproxime mais dos 3% em setembro próximo, quando estão programadas as principais negociações. “Vamos trabalhar com inflação baixa e a tendência é oferecer esse reajuste”, diz o conselheiro do Sindipeças, lembrando que não há espaço para repassar preços aos principais clientes das autopeças, as montadoras.

Outra tendência, segundo admite Sigarini, é tentar negociar com maior extensão. “Com a inflação mais baixa os acordos de dois anos são melhores, garante um horizonte de estabilidade. As montadoras já têm feito isso com competência e o setor de autopeças deve seguir esse caminho.”

NÍVEL DE EMPREGO

Segundo dados do Sindipeças, desde 2014 o nível de emprego encolheu significativamente nas fábricas de autopeças, de 205 mil empregados no fim daquele ano para 162 mil em 2016, com o fechamento de 43 mil vagas no período. “Esse número ainda não é proporcional à queda da produção que tivemos, que saiu de cerca de 3 milhões de veículos há dois anos para 2 milhões agora. Por isso este ano, mesmo com a pequena recuperação esperada, o nível de emprego deve andar de lado, com estabilidade”, avalia Sigarini.

O Sindipeças tem expectativa de que a produção de veículos este ano deve crescer apenas 3%, para 2,2 milhões de unidades, abaixo do que projeta a Anfavea, a associação dos fabricantes, que prevê 2,4 milhões, em alta de quase 12% sobre 2016. “Expansão de 2% a 3% é a nossa melhor percepção no mento, chegando a 2,5 milhões de veículos apenas em 2020. Portanto, vamos continuar em patamar muito abaixo da capacidade instalada do País (acima de 4 milhões/ano). A exportação deve ajudar, mas não é realidade em todas as empresas, muitas dependem essencialmente do mercado interno e vão ficar estagnados”, estima Sigarini.



Tags: Autopeças, Sindipeças, trabalho, acordo salarial, dissídio, data-base, negociação salarial, INPC.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência