Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Caminhão Volvo será 1º veículo autônomo do mercado brasileiro

Tecnologia | 31/05/2017 | 21h17

Caminhão Volvo será 1º veículo autônomo do mercado brasileiro

Companhia desenvolve a solução com clientes e prepara terreno para as vendas

GIOVANNA RIATO, AB | De Maringá (PR)

Nem carro de luxo, nem popular, nem Google Car. Se ninguém furar a fila, o primeiro veículo autônomos a ganhar presença comercial no Brasil será um caminhão da Volvo. Após concluir com sucesso a etapa mais desafiadora de um projeto piloto em Maringá (PR) ao lado da Usaçúcar (leia aqui), a companhia começa a preparar terreno para efetivamente converter a tecnologia em negócio. “Devemos lançar aqui em breve, em dois ou três anos”, antecipa Bernardo Fedalto, diretor de vendas de caminhões no Brasil.

Na prática, no entanto, o ritmo parece mais acelerado, como conta Wilson Lirmann, presidente do Grupo Volvo para a América Latina. “Estamos conversando com uma série de clientes que poderiam se beneficiar do uso destes modelos em suas operações e demonstram interesse. Ainda é algo preliminar, não há nada fechado”. Ele esclarece que a ideia não é colocar um modelo autônomos na prateleira pura e simplesmente. O plano é demonstrar a gama de tecnologias, mas adequar e desenvolver soluções para cada cliente, encaixar perfeitamente o caminhão na aplicação e buscar melhorias de produtividade. O executivo enumera oportunidades nos setores agrícola, de mineração e em outras operações logísticas realizadas em circuito fechado.

Enquanto a maior parte das montadoras tanto de leves quanto de pesados concentra o trabalho com modelos autoguiados nas matrizes, a Volvo usa o Brasil como uma de suas plataformas globais de desenvolvimento para a tecnologia. O projeto com a Usaçúcar demandou mais de um ano de trabalho de um time que reuniu 16 engenheiros da companhia no Brasil, três da Suécia e outros três do cliente. A apresentação dos resultados do projeto na quarta-feira, 31, trouxe ao Brasil executivos e jornalistas globais, um sinal claro de que o trabalho local se encaixa e contribui para a estratégia tecnológica da matriz.

“Toda vez que trabalhamos em uma nova tecnologia, temos que imaginar como será o mundo quando ela chegar ao mercado. No caso dos autônomos não vamos esperar. Fazer o desenvolvimento em parceria com os clientes, construir e ir refinando ao longo do caminho nos dá velocidade”, diz Sasko Cuklevs, diretor mundial de novos negócios e soluções aos consumidores. Assim, no lugar de esperar pelas condições perfeitas com estradas boas, regulamentação e interesse dos clientes, a companhia trabalha em ritmo próprio.

A empresa começa a levar os autônomos para a vida real com operações em circuito fechado, como o canavial brasileiro ou a mina na Suécia, onde a Volvo já tem veículos em circulação (leia aqui). Assim, fica mais fácil reduzir os riscos e, claro, aguardar o avanço da legislação para as vias públicas.

NOVIDADE PARA A FENATRAN

O próximo movimento importante da Volvo para entregar autonomia aos clientes brasileiros acontece ainda em 2017 durante a Fenatran, feira de transportes marcada para outubro, em São Paulo. A companhia vai aproveitar a oportunidade para lançar o Tracking Assistance, sistema de assistência à direção que não isenta o motorista de dirigir, mas entrega a plataforma usada hoje pela Volvo em seus veículos autônomos que estão em teste. Com GPS, mapas e sensores, o condutor acompanha em uma tela no interior do caminhão a localização do veículo com precisão de centímetros e pode programar rotas e operações específicas. Daí é só seguir o roteiro, com margem bem menor para erros e otimização do consumo do combustível.

O recurso pode equipar caminhões novos da linha de semipesados e pesados VM ou atualizar usados que já estão em circulação no mercado. A fabricante não abre previsão de preço, apenas adianta que o lançamento terá um papel cultural ao contribuir para que os transportadores brasileiros comecem a entender e a se interessar por soluções autônomas. “Lá atrás, em 2003, parecia uma loucura oferecer a caixa automatizada I-Shift para caminhões. Hoje as empresas entenderam as vantagens e quase não vendemos veículos sem a tecnologia”, compara Fedalto.

Ele acrescenta que a produção das soluções autônomas, ainda que não sejam feitas em série de forma massificada, precisa amadurecer localmente, com o desenvolvimento de fornecedores e ajuste de custos. “Por enquanto, como estamos em testes e em desenvolvimento é aceitável um investimento maior nestes componentes, algo que precisa mudar no futuro, quando a novidade chegar ao mercado definitivamente.”



Tags: Volvo, caminhão, autônomo, tecnologia, Usaçúcar.

Comentários

  • Luc Henri de Ferran

    Excelente, precisamos idealizar para um futuro próximo como preparar os usos dos meios de transporte de carga e de pessoas.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência