NOTÍCIAS
21/06/2017 | 02h40

Lançamentos

Peugeot volta a importar o 3008, agora um SUV

Mais sofisticado e parrudo, modelo é vendido por R$ 136 mil


PEDRO KUTNEY, AB | Do Rio de Janeiro

Sofisticado, bonito, imponente, confortável, tecnológico, preciso e bem disposto são alguns dos adjetivos que podem ser usados para definir o novo Peugeot 3008, lançado no fim do ano passado na Europa, completamente remodelado para ter feições de um SUV legítimo com a dirigibilidade fácil de um hatch, abandonando de vez a classificação de crossover da geração apresentada pela primeira vez há 10 anos. De cara e proposta renovadas o modelo volta agora a ser importado ao Brasil pela marca francesa, em versão única pelo preço de R$ 135.990, sem opcionais – o cliente só precisa escolher uma entre quatro cores –, para dar trabalho a concorrentes premium como Audi Q3, Hyundai New Tucson, Jeep Compass e VW Tiguam, todos de R$10 mil a R$ 27 mil mais caros quando se considera porte e pacote similar de equipamentos e especificações técnicas. A pré-venda via internet já começou, mas o carro só chega de fato às concessionárias em 30 de julho, quando a Peugeot não deixa claro se esse preço seguirá o mesmo.

O objetivo, no entanto, não é ganhar mercado, nem há volume de produção suficiente para tanto. A intenção principal é ganhar imagem com um modelo que simboliza o que de melhor a Peugeot já fez, em momento no qual a marca reestruturou toda a rede de concessionárias e tenta reconstruir sua reputação no País. O 3008 já ganhou prêmios e formou filas de espera na Europa, por isso a fábrica de Mulhouse, na França, não consegue mandar para o Brasil mais do que 250 veículos por mês. E vale a pena tanto trabalho para vender não mais do que 3 mil unidades/ano? “O que vale é colocar esse carro nas ruas porque ele se vende sozinho e tem o poder de chamar a atenção, porque valoriza o motorista com sua imponência e a marca por consequência”, reponde Ana Theresa Borsari, diretora geral da Peugeot no Brasil.

O discurso é o mesmo de 2010, quando a Peugeot trouxe o 3008 pela primeira vez ao Brasil, também com vendas limitadas por cotas e proposta de formar imagem da marca em momento muito melhor que o atual, com mercado francamente ascendente. De lá para cá as vendas desabaram e a marca perdeu espaço no País, teve de começar tudo outra vez, com ampla reformulação da rede – cerca de 60% dos grupos de revendedores foram trocados desde 2015 – e promessa de bom atendimento, incluindo a fixação de compromissos públicos.

“Começamos essa estratégia há cerca de dois anos e ainda continuamos a trabalhar. Ainda não houve resultado prático em vendas, mas foi bom para nossos clientes. Tivemos um 2016 muito bom, com a recuperação da satisfação deles”, afirma Ana Theresa. Segundo ela, o porcentual de pessoas que deu notas 9 ou 10 ao atendimento nas concessionárias subiu de 58% no fim do ano passado para 92% em maio último. “Por isso o 3008 não é só mais um lançamento, porque chega para consolidar esse novo posicionamento da marca e reforçar uma imagem de qualidade, representa hoje a essência da nossa marca em design, experiência de condução e tecnologia”, diz a diretora. A Peugeot terminou 2016 com participação de mercado de 1,3%, de janeiro a maio ficou com 1,2% e a estimativa é fechar 2017 com share entre 1,4% e 1,5%.

EXPERIÊNCIA AGRADÁVEL


Faróis e lanternas de LED do Peugeot 3008 trazem a assinatura das “garras” do leão-símbolo da marca francesa

Não é conversa. Dirigir o 3008 é de fato uma experiência agradável, como pôde comprovar este jornalista em um também agradável percurso entre Rio de Janeiro e a serrana Petrópolis, com direito a muitas subidas, descidas e curvas – tudo superado com raro prazer de conduzir um belo espécime do design automotivo moderno. O SUV tem aparência robusta, com ampla grade frontal, mas tem traços bem desenhados que inspiram sofisticação, espelhada em vincos vigorosos, faróis recortados e lanternas 100% LED – com assinatura visual para lembrar as garras do leão-símbolo da Peugeot.

Entre outras sofisticações e acabamento interno caprichado, com materiais de primeira, o 3008 incorporou a segunda geração do i-Cockpit da Peugeot, lançado primeiro no 208 há cinco anos, com o reduzido volante esportivo posicionado abaixo do quadro de instrumentos, que agora é 100% digital em tela colorida de 12,3 polegadas configurável ao gosto do freguês. O volante também foi redesenhado para melhorar a “pegada”. No centro do painel, posicionado com o se fosse um tablete, fica a tela de oito polegadas sensível ao toque da central multimídia, que controla massagem dos bancos dianteiros, rádio, climatização, navegação, parâmetros do veículo, telefone e aplicativos móveis. O sistema já roda o Apple Car Play, Android Auto e Mirror Link para conexão e interação com o smartphone, que pode ser recarregado por indução, sem cabo, no console central. A tela também monitora a câmera de ré e a simulação 360° do veículo visto de cima, para facilitar as monobras de estacionamento.


Painel do Peugeot 3008 abriga a segunda geração do i-Cockpit,
posicionado acima da linha de visão do volante, agora 100%
digital com tela colorida de 12,3 polegadas configurável


Construído sobre a nova plataforma EMP2 do Grupo PSA, cerca de 100 kg mais leve que a antecessora, equipa o SUV o mesmo motor 1.6 THP que já estava na geração anterior, de 165 cavalos com turboalimentação de alta pressão e injeção direta, nascido de parceria de engenharia com a BMW há cerca de uma década, que hoje presta serviços embaixo do capô para quase todos os modelos do fabricante no mundo, incluindo Peugeot, Citroën e DS. Acoplado à também quase universal transmissão automática de seis velocidades usada pela PSA, o conjunto de powertrain empurra os 1.567 kg do 3008 com vigor de seu torque de robustos 24,5 kgfm, já disponíveis em sua totalidade a partir de baixos 1.400 rpm.

À força da motorização, direção e suspensão respondem com precisão, aderência, conforto e balanço lateral contido, passando muito pouco das irregularidades do piso para dentro do carro. Na prática, tudo isso significa que o 3008 oferece prazer a quem dirige, com mescla de potência, estabilidade e suavidade na medida certa para uso urbano ou rodoviário. Por vezes, devido à sua agilidade, nem parece que o SUV tem 4,45 m de comprimento e 1,9 de largura total.



Contribui para melhorar a jornada o perfeito ajuste elétrico do banco do motorista e os cinco tipos de massagens aplicadas em oito pontos dos dois bancos dianteiros, que podem ser livremente escolhidas. No interior, a atmosfera é espaçosa com o maior entre-eixo dos SUVs médios (2,67 m) e bem iluminada pela ampla área envidraçada e o teto solar panorâmico em toda a extensão do teto. A cabine é bem climatizada pelo ar-condicionado eletrônico com zona dupla de temperatura e saída de ventilação para os passageiros de trás. O imenso porta-malas com regulagem de altura do assoalho acomoda 520 litros de bagagens com os bancos em posição normal. Outros porta-objetos a bordo somam 32 litros, incluindo uma geladeira instalada no console central.

Para segurança, o 3008 tem seis airbags e todas as assistência eletrônicas de estabilidade (ESP) e tração, além de sistema de assistência de partida em rampa (hill assist). Na Europa o SUV ganhou cinco estrelas nos rigorosos testes de colisão do Euro NCAP – portanto, tem fôlego de sobra superar as avaliações mais simples do Latim NCAP para países latino-americanos.

Os 30 primeiros compradores do 3008 no Brasil vão ganhar de presente o patinete elétrico e-Kick, capaz de atingir até 25 km/h. O mimo é uma extravagância para fazer algum barulho na tentativa de atrair novamente a atenção do público brasileiro de que a Peugeot tanto precisa.


Comentários: 0
 

Comente essa notícia

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*:

QUEM É QUEM NO SETOR AUTOMOTIVO

Encontre empresas e profissionais do setor.
Confira seus perfis e biografias.

Encontre empresas e profissionais do setor.

Encontre empresas e profissionais de comunicação.

Confira seus perfis e biografias.

COLUNISTAS

ALTA RODA | 15/11/2017
Mudança na mobilidade domina discussões do Congresso SAE Brasil

Esta coluna é apoiada por:

Documento sem título
Advertisement Advertisement Advertisement Advertisement
QUALIDADE | 03/07/2017
Rota 2030 terá missão de levar a indústria automotiva nacional até o futuro
QUALIDADE | 23/11/2016
Empresas do setor automotivo precisam atualizar sistema de qualidade até 2018
Indústria | 01/08/2016
Declaração do presidente da FCA evidencia crise no setor de autopeças
Pressão de montadoras adia controle de estabilidade obrigatório
Tecnologia | 13/03/2015
Setor enfrentará grandes mudanças nos próximos anos
DE CARRO POR AÍ | 17/11/2017
Chineses entregam operação brasileira à administração dos brasileiros
INOVAÇÃO | 25/10/2017
Indústria precisa questionar qual será o seu papel no futuro
DISTRIBUIÇÃO | 03/08/2017
Marca percorreu caminho árduo e conseguiu destronar a Toyota da 1ª posição
Tecnologia | 23/07/2015
Novas ferramentas de desenvolvimento encurtam caminho para a competitividade
MERCADO | 16/01/2015
Utilização do potencial só deve melhorar a partir de 2016
AUTOINFORME | 09/11/2017
Luguez firmou parceria com o governo de Ohio
COMPETITIVIDADE | 08/04/2014
Interrupção do crescimento desafia fabricantes
Novas palavras, expressões e siglas podem levantar dúvidas sobre o futuro