Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Segurança | 22/06/2017 | 19h08

Takata entrará com pedido de recuperação judicial

Empresa enfrenta ações bilionárias por causa de airbags defeituosos

REDAÇÃO AB

A Takata entrará com pedido de recuperação judicial nos Estados Unidos e no Japão nos próximos dias. A informação foi obtida pela agência Reuters. A empresa japonesa enfrenta ações bilionárias em razão do maior recall na história automotiva, envolvendo a substituição de mais de 100 milhões de airbags defeituosos fornecidos.

No Japão, a empresa solicitará proteção no Tribunal Distrital de Tóquio sob o Ato de Reabilitação Civil, versão japonesa do que será adotado no Estados Unidos pelo chamado Capítulo 11 da Lei de Falências.

As ações da empresa tiveram quedas acentuadas durante a semana, reduzindo sua capitalização de mercado em cerca de 75%. Ainda de acordo com a Reuters, como parte de seu plano de reestruturação, a Takata deixaria de fazer os insufladores de airbags depois de concluir os recalls mundiais.

ENTENDA O QUE OCORREU

Como se sabe, os airbags funcionam a partir de um disparo pirotécnico controlado: em caso de acidente, os gases resultantes desse disparo inflam aquelas bolsas responsáveis por impedir ou suavizar o impacto dos ocupantes contra o volante, painel e outras partes do interior do veículo.

Mas os insufladores defeituosos da Takata acabavam projetando estilhaços de sua estrutura para o interior do carro e ferindo motoristas e passageiros. O problema teria resultado em 16 mortes e mais de 150 feridos em todo o mundo.



Tags: Takata, airbags, insufladores, recuperação judicial.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência