Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Indústria | 11/07/2017 | 18h50

Thyssenkrupp reduz o foco no aço para agregar valor a componentes e serviços

Companhia reinventa modelo de negócio e nacionaliza direção elétrica

GIOVANNA RIATO, AB | De Campo Limpo (SP)

“A digitalização não é um movimento só para empresas de software e startups. Essa mudança só vai dar certo se as empresas tradicionais também abraçarem.” Este é o ponto de vista de Heinrich Hiesinger, CEO global da Thyssenkrupp que visita o Brasil para reunião anual com a liderança da empresa no País na terça-feira, 11. Desde que chegou na companhia, em 2011, ele capitaneia a atualização do modelo de negócio, que agora acompanha o novo e amplo universo aberto pela digitalização. “Estamos deixando de focar tanto na produção de aço para nos concentrar mais em serviços e tecnologia”, diz.

Segundo ele, o insumo responde hoje por apenas um quarto do faturamento da empresa, enquanto a entrega de tecnologia por meio de componentes e serviços é responsável por 75% das receitas. “A engenharia hoje exige digitalização”, diz o executivo. Neste contexto, diz, a empresa já está familiarizada com recursos como internet das coisas, mobile, big data e cloud computing. São novidades já aplicadas tanto na gestão quanto nas operações da empresa, que apostam no conceito de indústria 4.0 - uma delas é a fábrica brasileira de Campo Limpo, em São Paulo (leia aqui).

Para ele, o desafio de ser uma grande companhia, com 160 mil funcionários no mundo, está justamente em ter de assumir a liderança de uma transformação que ninguém sabe ao certo onde vai dar. “Precisamos identificar as coisas antes dos outros e saber para onde ir”, conta. Para ganhar agilidade, o executivo impõe outro ritmo à empresa, que ele garante estar menos hierárquica e mais colaborativa, com a liderança organizada por tarefas. “Precisamos contratar pessoas com novas aptidões e ter flexibilidade. Apostamos no conceito fail fast”, conta, citando um dos mantras do Vale do Silício: errar e corrigir rápido.

Hiesinger destaca que, além de uma tendência, a digitalização tem impacto no bolso: é uma forma de garantir melhor atendimento com redução de custos e melhoria na qualidade, enumera.

DIREÇÃO ELÉTRICA NO BRASIL

O executivo aproveitou a visita ao Brasil para confirmar que a companhia vai fabricar sistemas de direção elétrica no País a partir de 2018, conforme a empresa já adiantou (leia aqui). A produção vai acontecer na planta da divisão Steering em São José dos Pinhais (PR), que já produz soluções para montadoras como Fiat, Volkswagen, Renault e General Motors. A empresa não revela, no entanto, quais são os clientes para o novo produto.

A nacionalização é parte de estratégia global da Thyssenkrupp, que em 2015 fechou contratos para entregar 3 milhões de sistemas de direção elétrica por ano em todo o mundo. Com os acordos, que somam € 4.5 bilhões, a empresa atenderá diversas montadoras. Segundo a fabricante, a tendência é de que estes negócios se intensifiquem com a demanda por redução de combustível e aumento da automação da condução.



Tags: Thyssenkrupp, Hiesinger, autopeças, componentes, digitalização, indústria, direção elétrica.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência