NOTÍCIAS
08/08/2017 | 21h53

Lançamentos

Volvo Bus renova ônibus urbano com novo padrão B8R

Projeto global de chassi traz novo motor, agora fabricado no Brasil


SUELI REIS, AB | De Curitiba (PR)

Novo chassi Volvo Bus B8R substitui o ônibus B290R
A Volvo Bus volta seu olhar para o segmento de ônibus urbano de 17 toneladas, também conhecido como padrão (padron) com a maior fatia do mercado brasileiro, e apresenta o novo chassi B8R, uma nova plataforma global desenvolvida em conjunto entre os engenheiros da montadora do Brasil, que lideraram o projeto, e as equipes da França e da Índia. O modelo, com capacidade para até 100 passageiros e que chega para substituir o chassi B290R (B7R) traz como principal novidade seu novo motor, desenhado e produzido na Suécia e que agora passa a ser fabricado também no Brasil, no complexo industrial em Curitiba (PR). O projeto faz parte do investimento de R$ 1 bilhão anunciado pelo Grupo Volvo em fevereiro deste ano e que será aplicado no Brasil entre 2017 e 2019 (leia aqui).

“O motor anterior, que foi descontinuado, tinha menor índice de nacionalização. Neste novo, o índice é maior e para ele desenvolvemos mais fornecedores locais”, afirma o presidente da Volvo Bus para a América Latina, Fabiano Todeschini. Ele acrescenta que a estratégia da companhia em produzir veículos com plataforma global com a produção local permite oferecer maior disponibilidade de peças, uma vez que os fornecedores estão mais próximos da montadora.

Com 250 cv de potência, o motor de oito litros é alocado na parte traseira do chassi, atendendo a tendência das principais metrópoles brasileiras a fim de preservar o motorista de maior ruído, vibração e altas temperaturas. Ele conta ainda com as novas gerações de caixas de câmbio Voith e ZF e novas relações de diferencial, além de sistema de freios a disco EBS 5, suspensão eletrônica e volante com ajuste de altura e profundidade. De fábrica, o veículo é equipado com softwares de conectividade para ativação do sistema de gerenciamento de frota Volvo Fleet Management e o I-Coaching.

Segundo a empresa, com este novo motor, o B8R é até 3% mais econômico em consumo de combustível e seu custo de manutenção é até 4% menor comparado ao seu antecessor, com intervalo de troca de óleo podendo chegar a 40 mil quilômetros.

Para o mercado brasileiro, o B8R estará disponível na versão B250R, na configuração de eixo 4x2 nas versões piso alto e com entrada de piso baixo, ambas com 250 cv. Para outros mercados latino-americanos será acrescida a versão B330R, de 330 cv, indicada para topografias mais acidentadas e cidades com maior altitude.

TOMANDO FÔLEGO

Com seu apelo mais econômico e de menor custo de manutenção, o novo B8R vem para tentar dar novo fôlego à Volvo Bus. A montadora vai oferecê-lo ao mercado pelo mesmo preço de seu antecessor B7R. Isto porque a empresa sente na operação a queda de 40% das vendas do segmento de ônibus pesados, o único em que a montadora participa e que considera os segmentos acima de 17 toneladas, incluindo articulados e biarticulados. Com a retração do mercado, a indústria nacional trabalha com apenas 30% de sua capacidade.

“Mesmo com as novas licitações das prefeituras saindo este ano, como a de São Paulo, o maior mercado de ônibus urbano no Brasil, as vendas só devem ser efetuadas em 2018. Com isto, o segmento pesado deve manter a queda de 30% a 40% para este ano”, estima Todeschini.

O executivo não arrisca um volume para 2018 e prefere indicar que será melhor que 2017 para o mercado brasileiro de ônibus, incluindo os rodoviários. “Acredito que a recuperação virá de fato a partir de 2019, porém lenta”, afirma. Ele assegura que o mercado não deverá atingir as vendas recordes de 2013 antes de seis ou sete anos: naquela ocasião, foram emplacados cerca de 30 mil chassis; indicando que a indústria deverá respirar fundo, porque pelo menos nos próximos dois anos ainda enfrentarão cenário muito aquém de sua capacidade.


Comentários: 0
 

Comente essa notícia

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*:

QUEM É QUEM NO SETOR AUTOMOTIVO

Encontre empresas e profissionais do setor.
Confira seus perfis e biografias.

Encontre empresas e profissionais do setor.

Encontre empresas e profissionais de comunicação.

Confira seus perfis e biografias.

COLUNISTAS

ALTA RODA | 15/11/2017
Mudança na mobilidade domina discussões do Congresso SAE Brasil

Esta coluna é apoiada por:

Documento sem título
Advertisement Advertisement Advertisement Advertisement
QUALIDADE | 03/07/2017
Rota 2030 terá missão de levar a indústria automotiva nacional até o futuro
QUALIDADE | 23/11/2016
Empresas do setor automotivo precisam atualizar sistema de qualidade até 2018
Indústria | 01/08/2016
Declaração do presidente da FCA evidencia crise no setor de autopeças
Pressão de montadoras adia controle de estabilidade obrigatório
Tecnologia | 13/03/2015
Setor enfrentará grandes mudanças nos próximos anos
DE CARRO POR AÍ | 17/11/2017
Chineses entregam operação brasileira à administração dos brasileiros
INOVAÇÃO | 25/10/2017
Indústria precisa questionar qual será o seu papel no futuro
DISTRIBUIÇÃO | 03/08/2017
Marca percorreu caminho árduo e conseguiu destronar a Toyota da 1ª posição
Tecnologia | 23/07/2015
Novas ferramentas de desenvolvimento encurtam caminho para a competitividade
MERCADO | 16/01/2015
Utilização do potencial só deve melhorar a partir de 2016
AUTOINFORME | 09/11/2017
Luguez firmou parceria com o governo de Ohio
COMPETITIVIDADE | 08/04/2014
Interrupção do crescimento desafia fabricantes
Novas palavras, expressões e siglas podem levantar dúvidas sobre o futuro