Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Veículos leves só voltam ao pico em 2024
Carlos da Silva, gerente de produção da IHS Markit (foto: Luis Prado)

Mercado | 22/08/2017 | 12h27

Veículos leves só voltam ao pico em 2024

Projeção da IHS Markit para a América do Sul vê estabilidade no Brasil

SERGIO QUINTANILHA, PARA AB

A venda de veículos leves na América do Sul só voltará ao pico de 2012/2013 na metade da próxima década, em 2024. A previsão foi feita por Carlos da Silva, gerente de produção da consultoria IHS Markit, durante o Workshop Planejamento Automotivo 2018, realizado por Automotive Business em 22 de agosto no Sheraton WTC, em São Paulo. Francês com nome brasileiro e sotaque português, Silva disse que em 2024 a região passará da casa dos 6 milhões e chegará a cerca de 6,3 milhões no ano seguinte. O pico histórico foi de 5,9 milhões, em 2013.

Para o mercado brasileiro, as previsões da IHS Markit são um pouco menos otimistas. Segundo Carlos da Silva, as vendas de automóveis de passeio e comerciais leves ainda ficarão um pouco abaixo da casa de 3,6 milhões atingida em 2013, mas a tendência de crescimento será constante a partir de 2018. O Brasil responde por mais de metade dos licenciamentos da América do Sul e manterá esse patamar.

Os principais mercados da região também crescerão. Argentina e Chile deverão ter uma curva estável de aumento de vendas, enquanto Colômbia e Peru terão uma recuperação ligeiramente mais forte. Até a Venezuela, que vive gravíssima crise política e econômica, voltará a fazer parte do mapa de vendas da América do Sul, embora com pequena participação.

A IHS Markit prevê inflação contida, redução do nível de desemprego e um crescimento econômico entre 2% e 4% para o Brasil no período de 2018 a 2022. Já o dólar deve reverter a tendência de queda e voltar a subir, passando de R$ 4 a partir de 2020. O próprio Carlos da Silva, porém, salientou que o cenário econômico ainda é bastante nebuloso. “Não sabemos se o crescimento de vendas de 2017 é o início de uma boa trajetória ou se é uma recuperação pontual”, afirmou, apontando o patamar de 2,06 milhões de veículos leves como um número factível para este ano.

“Temos uma visão diferente porque poucos anos atrás todos viam um mercado de 4 milhões de veículos leves para o futuro”, observou. Porém, ele acredita que muitos consumidores que deixaram de trocar de carro em 2015 e 2016 voltarão a comprar em 2019. “Vemos um mercado mais estável para o futuro próximo”, diz Silva.

Apesar do cenário mais estável, na visão da IHS Markit haverá uma leve queda na produção da indústria automobilística brasileira no período de 2017 a 2024. Isso porque as exportações, que devem bater recorde em 2017, deverão se estabilizar. Carlos da Silva explica: “Não vemos o crescimento de 2017 como um indicativo de que haverá a mesma alta dos próximos anos. Haverá estabilidade e leve queda”. Por causa disso, somente em 2023 a indústria alcançará a marca de 80% de utilização da capacidade instalada, subindo para 82% em 2025.

MERCADO DE VEÍCULOS PESADOS

Se Carlos da Silva vê um peso importante nas exportações de veículos leves, seu xará Carlos Reis, presidente da Carcon Automotive, enxerga o contrário na indústria de veículos pesados. “O mercado interno é muito mais relevante para os caminhões do que suas exportações”, disse Reis no painel seguinte do workshop.

“É assim no mundo inteiro.” Por causa disso, a Carcon Automotive não vê grandes perspectivas para a indústria de caminhões e ônibus em curto prazo. Suas previsões são de que em 2017 a produção passará de 29% para 35% da capacidade instalada, número parecido com o de dois anos atrás (34%). Para se ter ideia, em 2011 a indústria chegou perto de utilizar 90% de sua capacidade instalada.

Numa comparação entre os primeiros sete meses deste ano com o mesmo período do ano passado, Carlos Reis disse que o Nordeste tem sido a região mais relevante para determinar a queda de venda de caminhões e ônibus no País (14,1%). Afinal, a região caiu 20,8% e representa 14,4% do mercado interno. A maior queda foi verificada no Norte (31,5%), mas a região representa apenas 5,1% do total. O maior mercado continua sendo o Sudeste (44%) e caiu 15,5%.

Numa análise mais detalhada das vendas de caminhões, Reis disse que os mercados de cada Estado vêm reagindo de forma diferenciada. Segundo os estudos da Carcon Automotive, o mercado de Mato Grosso melhorou por causa do bom desempenho da safra de grãos e o de Santa Catarina reage pelo crescimento da produção de carnes e do comércio varejista. Já as unidades da federação em baixa são Pernambuco, Piauí (queda nas vendas do comércio varejista), Distrito Federal (queda no setor de serviços) e Paraná (produção industrial caindo e preços do milho em baixa).

“Está havendo um armazenamento do milho e não comercialização, pois a saca que custava R$ 35 em 2016 caiu para R$ 17 este ano”, observou Reis.

Apesar disso, sua previsão é de que o emplacamento diário de caminhões chegue a 272 unidades em dezembro deste ano. Uma recuperação em relação aos 134 emplacamentos diários registrados em janeiro. Em 2015 essa média chegou a 375 em dezembro; em 2016 atingiu 297 unidades/dia.

Tags: IHS Markit, Carlos da Silva, Carlos Reis, veículos leves, caminhões, Carcon Automotive.


Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
AB Inteligência