NOTÍCIAS
02/10/2017 | 19h30

Internacional

Conta do dieselgate da Volkswagen sobe para US$ 30 bilhões

Ex-executivos são presos e empresa aumenta reservas para reparos


REDAÇÃO AB, COM AGÊNCIAS

Passado o aniversário de dois anos do dieselgate, está difícil para o Grupo Volkswagen colocar para trás o maior escândalo de sua história, após o a descoberta, assumida pela empresa, de que 11 milhões de carros diesel foram equipados com softwares para enganar os testes de emissões de poluentes. Na sexta-feira passada, 29, a companhia anunciou que as indenizações com reparos ou recompras de 475 mil veículos equipados com motores diesel 2.0 nos Estados Unidos deverão custar mais do que o previsto, por isso foram reservados € 2,5 bilhões (US$ 3 bilhões) adicionais aos US$ 15,3 bilhões que haviam sido provisionados. Com isso, o total colocado de lado pela Volkswagen para pagar pelos danos da fraude em todo o mundo já soma estratosféricos US$ 30 bilhões.

O escândalo também está colocando ex-executivos da companhia na cadeia. Na quinta-feira passada, 28, foi preso preventivamente em Munique, na Alemanha, o mais graúdo executivo da companhia envolvido na fraude, Wolfgang Hatz, chefe de desenvolvimento de motores na Audi de 2001 a 2007, que exerceu a mesma função no Grupo Volkswagen até 2011, quando assumiu o posto no conselho de administração da Porsche responsável por pesquisa e desenvolvimento, de onde saiu no ano seguinte. Em julho, as autoridades alemãs prenderam o italiano Giovanni Pamio, ex-gerente do departamento de motores da Audi. Ele segue sob custódia e também foi indiciado nos Estados Unidos em processo por conspiração para fraudar reguladores e consumidores no País. Segundo jornais alemães, Hatz e Pamio estão sob intensa pressão para delatar mais envolvidos.

Nos Estados Unidos também foram presos dois executivos do Grupo. No mês passado, James Liang, ex-engenheiro da Volkswagen que aceitou cooperar com a justiça americana, foi condenado a 40 meses de prisão e pagamento de US$ 200 mil em multa por sua participação na fraude. A mesma corte federal de Detroit já considerou culpado Oliver Smidt, outro ex-executivo da companhia, que deve ser sentenciado em dezembro a uma pena de até sete anos de prisão e pagamento de indenização de US$ 400 mil, depois de ter admitido conspirar para enganar legisladores e violar as leis antipoluição dos EUA.

CUSTO ALTO

Está custando bastante caro a eventual economia conseguida com a instalação de softwares para fraudar emissões de motores diesel durante testes. Especialmente nos Estados Unidos, a companhia admitiu publicamente que “será necessário fazer mais que o previsto” para consertar ou comprar de volta 475 mil carros Volkswagen com motorização diesel de 2 litros. Por isso foram reservados US$ 3 bilhões extras para os reparos ou recompras.

Há ainda 83 mil veículos vendidos nos EUA equipados com motores diesel V6 3.0 nos quais a Audi admitiu o uso do software que frauda emissões. Analistas estimam que o recall desses modelos poderá custar mais € 1 bilhão adicionais.

Na Europa as reparações parecem estar indo bem. O grupo gasta cerca de € 10 bilhões para atualizar o software de 8,5 milhões de carros afetados, incluindo adição de componentes em 3,7 milhões deles equipados com motores diesel 1.6.

O Grupo Volkswagen já informou que o lucro líquido do terceiro trimestre deste ano deve ser afetado pelos gastos adicionais, derrubando a cotação das ações da companhia. O balanço parcial da companhia será divulgado em 27 de outubro. Analistas esperam por resultado operacional antes de impostos e despesas financeiras em torno de € 4 bilhões.

Além das perdas financeiras já provisionadas para o dieselgate, a Volkswagen também corre o risco de perder credibilidade junto aos clientes, o que pode impactar nas vendas futuras da companhia pelos próximos anos, limitando ganhos e elevando os prejuízos.

Comentários: 0
 

Comente essa notícia

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*:

QUEM É QUEM NO SETOR AUTOMOTIVO

Encontre empresas e profissionais do setor.
Confira seus perfis e biografias.

Encontre empresas e profissionais do setor.

Encontre empresas e profissionais de comunicação.

Confira seus perfis e biografias.

COLUNISTAS

ALTA RODA | 18/10/2017
Medidas simples e novos estudos ajudam na redução de emissões de CO2

Esta coluna é apoiada por:

Documento sem título
Advertisement Advertisement Advertisement
DE CARRO POR AÍ | 13/10/2017
Com Jumpy, marca avança em novo território
AUTOINFORME | 11/10/2017
Onix e HB20 elevam o patamar de entrada no mercado brasileiro
Novas palavras, expressões e siglas podem levantar dúvidas sobre o futuro
INOVAÇÃO | 15/08/2017
Indústria automotiva precisa abrir os olhos para novas formas de trabalhar
DISTRIBUIÇÃO | 03/08/2017
Marca percorreu caminho árduo e conseguiu destronar a Toyota da 1ª posição
QUALIDADE | 03/07/2017
Rota 2030 terá missão de levar a indústria automotiva nacional até o futuro
QUALIDADE | 23/11/2016
Empresas do setor automotivo precisam atualizar sistema de qualidade até 2018
Indústria | 01/08/2016
Declaração do presidente da FCA evidencia crise no setor de autopeças
Pressão de montadoras adia controle de estabilidade obrigatório
Tecnologia | 23/07/2015
Novas ferramentas de desenvolvimento encurtam caminho para a competitividade
Tecnologia | 13/03/2015
Setor enfrentará grandes mudanças nos próximos anos
MERCADO | 16/01/2015
Utilização do potencial só deve melhorar a partir de 2016
COMPETITIVIDADE | 08/04/2014
Interrupção do crescimento desafia fabricantes