NOTÍCIAS
04/10/2017 | 19h00

Negócios

Peugeot foca estratégia na renda maior

Presidente global da marca promete linha atualizada com Europa no Brasil


PEDRO KUTNEY, AB

Imparato: “Não vamos colocar carros na rua a qualquer preço”
No ano em que a Peugeot deve bater seu recorde histórico com a venda de 2,2 milhões de veículos no mundo todo, o Brasil deve contribuir com a singela parcela de menos de 30 mil carros e participação de mercado em torno de apenas 1,2%. O número baixo na comparação com o que a marca vende globalmente e já vendeu no País parece não preocupar Jean-Philippe Imparato, que há um ano assumiu a presidência mundial da Peugeot. “O volume não importa, mas o valor médio mais alto dos modelos vendidos. Hoje 15% das nossas vendas mundiais correspondem a 30% da margem (de lucro). Queremos ser rentáveis em todos os lugares com produtos de gama mais alta”, afirma o executivo.

“Não vamos colocar carros na rua a qualquer preço, vendendo barato para locadoras ou exportando com margem reduzida para a Argentina”, diz, em alusão ao que outras montadoras estão fazendo atualmente na região para escoar a produção. “Queremos ter clientes felizes com o atendimento e preservar o valor residual de seu bem”, destaca. Ana Theresa Borsari, diretora-geral da Peugeot do Brasil, lembrou que “todo o crescimento do mercado brasileiro até agora está baseado nas vendas diretas a pessoas jurídicas (como locadoras), a marca não tem interesse em seguir esse caminho que implica em baixa rentabilidade”.

No planejamento global da Peugeot, está a meta de até 2020 aumentar para mais de 50% o volume vendido fora da Europa. Esse porcentual já está crescendo gradualmente, foi de 38% em 2015 e subiu a 42% em 2016, graças principalmente às vendas no Irã e na China, respectivamente primeiro e terceiro maiores mercados da marca no mundo – o segundo é a França.

Nesse contexto, o Brasil segue sendo um dos cinco mercados prioritários no mundo. “Isso não é decidido em função de quem vende mais, mas o que tem maior potencial de desenvolvimento futuro”, explica Imparato, que conhece o País desde os anos 90 quando era um dos países sob sua responsabilidade no grupo. “Aprendi nesse tempo que o Brasil é campeão mundial de adaptação a qualquer situação, com grande capacidade de reação. Um país assim, mesmo com problemas, será vencedor no futuro”, confia.

Imparato avalia que a Peugeot perdeu mercado e prestígio em muitos lugares do mundo porque “esqueceu sua história” de fazer automóveis sofisticados e desejados. No Brasil ele concorda que aconteceu o mesmo, especialmente depois que a marca decidiu adaptar veículos ao mercado de renda menor, como foi feito com o lançamento do 207 brasileiro em 2008, montado sobre a plataforma antiga do 206 em vez de seguir a evolução do modelo europeu.

O executivo reitera que a Peugeot não cairá novamente na tentação de entrar no segmento de alto volume e baixa renda. “Nosso objetivo é subir a gama. Com todo respeito, não temos a mesma estratégia de lançar carros de entrada como o Renault Kwid. Não é essa nossa escolha”, garante.

Imparato lamenta que o Brasil tenha seu mercado concentrado em veículos de baixo valor agregado. “Isso acontece por causa da carga tributária. Se o Brasil não quiser que 60% de seu mercado sejam de carros abaixo de € 10 mil, precisa mudar a forma de aplicação de impostos”, diz.

ATUALIZAÇÃO DA LINHA DE PRODUTOS

“Nos próximos cinco anos o objetivo é ter aqui uma linha completamente atualizada com o que temos na Europa”, promete. “Vamos fazer essa convergência com cuidado para não perder dinheiro. Passamos por momentos difíceis no País, mas agora temos uma rede renovada e motivada (de 105 concessionárias de 50 grupos, 60% deles renovados nos últimos dois anos) que merece ter a mesma gama do resto do mundo. No Brasil existem clientes que querem e podem pagar por carros de gama superior. Com a ajuda do crédito, não vejo problema para que muitos brasileiros embarquem nessa subida de gama”, avalia.

Dentro da perspectiva de atualização da gama, já está considerado o recém-lançado no Brasil SUV 3008 – limitado a uma cota mensal de 250 unidades e com fila de espera de 900 clientes –, um sucesso instantâneo lançado na Europa no fim de 2016 que rapidamente se transformou em símbolo de sofisticação e renovação da marca em todo o mundo. “O bom desempenho de vendas do 3008 está se espalhando para outros modelos. Nunca vendemos tantos 2008 como agora”, comemora Imaparato.

Para 2018 está prometida a chegada ao Brasil do irmão maior da gama de SUVs, o 5008, além de alguma renovação do menor, o 2008 – este já fabricado em Porto Real (RJ) desde 2015.

Também consta na lista de considerações, ainda sem data marcada, a vinda para a região da nova picape média Peugeot de uma tonelada, um projeto conjunto com a chinesa Changan, com possível e não confirmada produção na Argentina.

Imparato também lembrou da ofensiva de veículos comerciais leves, que começa este mês com o lançamento do furgão médio Peugeot Expert montado no Uruguai – junto com o irmão de Grupo PSA Citroën Jumpy. “A intenção é oferecer aqui nossa linha completa de utilitários”, afirmou, enquanto mostrava um quadro que tinha, além do Expert, os furgões Partner (pequeno e já feito na Argentina) e o Boxer, de grande porte, que no ano passado parou de ser fabricado na Iveco em Sete Lagoas e deve voltar ao mercado por meio de outra operação, possivelmente via Uruguai. A van Traveller, versão de passageiros do Expert, também deve chegar em breve.

“Nesse segmento nossa obsessão é por qualidade de serviços e pós-vendas”, destaca o presidente da Peugeot. Nesse sentido, a direção da marca no Brasil afirma que já preparou a rede para o atendimento profissional, com a criação de cinco centros em conjunto com o Senai para treinamento do pessoal de manutenção, além de maior disponibilidade de peças de reposição, para reduzir ao mínimo possível qualquer prejuízo na hora de parar o veículo na oficina.

Comentários: 0
 

Comente essa notícia

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*:


QUEM É QUEM NO SETOR AUTOMOTIVO

Encontre empresas e profissionais do setor.
Confira seus perfis e biografias.

Encontre empresas e profissionais do setor.

Encontre empresas e profissionais de comunicação.

Confira seus perfis e biografias.

COLUNISTAS

ALTA RODA | 13/12/2017
Requisitos de segurança têm de se adequar à realidade local de mercado

Esta coluna é apoiada por:

Advertisement Advertisement Advertisement Advertisement Advertisement
Indústria | 01/08/2016
Declaração do presidente da FCA evidencia crise no setor de autopeças
Pressão de montadoras adia controle de estabilidade obrigatório
Tecnologia | 13/03/2015
Setor enfrentará grandes mudanças nos próximos anos
AUTOINFORME | 07/12/2017
Aumenta pressão por manter mercado protegido dos importados
INOVAÇÃO | 25/10/2017
Indústria precisa questionar qual será o seu papel no futuro
DISTRIBUIÇÃO | 03/08/2017
Marca percorreu caminho árduo e conseguiu destronar a Toyota da 1ª posição
Tecnologia | 23/07/2015
Novas ferramentas de desenvolvimento encurtam caminho para a competitividade
MERCADO | 16/01/2015
Utilização do potencial só deve melhorar a partir de 2016
DE CARRO POR AÍ | 08/12/2017
Programa de desenvolvimento do setor insiste em protecionismo
QUALIDADE | 01/12/2017
Envolver e motivar colaboradores é essencial para gerar bons resultados
COMPETITIVIDADE | 08/04/2014
Interrupção do crescimento desafia fabricantes
Novas palavras, expressões e siglas podem levantar dúvidas sobre o futuro
QUALIDADE | 03/07/2017
Rota 2030 terá missão de levar a indústria automotiva nacional até o futuro
QUALIDADE | 23/11/2016
Empresas do setor automotivo precisam atualizar sistema de qualidade até 2018