Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Queda nas vendas de importados chega a 22% no ano

Mercado | 04/10/2017 | 20h35

Queda nas vendas de importados chega a 22% no ano

Até setembro, emplacamentos somam menos de 22 mil veículos

REDAÇÃO AB

A queda no mercado de veículos importados continua persistente, chegando a 22% na comparação anual do acumulado até setembro, conforme dados divulgados na quarta-feira, 4, pela Abeifa, associação que reúne as importadoras e também fabricantes. Em nove meses, o segmento emplacou 21,2 mil unidades contra as mais de 27,2 mil registradas em mesmo período de 2016. Com isto, a participação dos importadores no mercado ficou em 2,18% no acumulado do ano, incluindo os veículos emplacados que foram produzidos pelas associadas que têm fábrica no Brasil, totalizando o licenciamento de 34,2 mil.

“A menos de 90 dias, o fim do Inovar-Auto é um alento para o setor de veículos importados, que poderá vislumbrar a possibilidade de retomar suas vendas. Chegamos ao auge de 199 mil veículos licenciados em 2011, caímos para 35 mil no ano passado e nossa previsão é fechar o ano com 27 mil unidades. Com o fim dos 30 pontos porcentuais extras do IPI, o setor projeta recuperação lenta. Podemos chegar a 40 mil unidades em 2018”, argumenta o presidente da entidade, José Luiz Gandini.

O executivo reforça que com o fim dos 30 pontos extras no IPI em 31 de dezembro e início da nova política industrial Rota 2030 os preços de veículos importados não deverão cair. “Ao contrário, uma vez habilitadas ao Rota 2030, empresas que não conseguirem cumprir metas a serem estabelecidas pela nova política industrial poderão ter seus produtos com preços majorados”, explica.

Segundo a entidade, durante os cinco anos de vigência do Inovar-Auto, a maioria dos seus associados não arriscou vender volume acima da cota anual de 4,8 mil unidades, sobre as quais não incide os 30 pontos extras do imposto. Com isto, a Abeifa indica que o setor não praticou preços considerando o IPI maior.

“Infelizmente, a forma de comunicação do fim do Inovar-Auto à sociedade brasileira já tem causado reflexos imediatos nas redes de concessionárias de veículos importados. Por esse motivo, é fundamental que, a três meses das novas regras do setor automotivo, esclarecimentos mais precisos sejam prementes”, analisa o executivo.

Além disso, Gandini afirma que com o fim do Inovar-Auto, o setor de importados passa a ter isonomia com relação aos produtos aqui fabricados. “Sem a limitação por cota e sem o IPI maior, as associadas preveem alcançar vendas de 40 mil unidades em 2018, algo em torno de 1,9% [de participação] se confirmado vendas totais do mercado interno de 2,1 milhões de unidades. Este market share é bastante salutar à cadeia automotiva brasileira. Além de balizar preços finais ao consumidor, os veículos importados podem e devem contribuir com a atualização de tecnologias e até design, lembrando sempre que podemos contribuir com o processo de retomada de utilização de mão de obra”, finaliza Gandini.

Das 17 associadas, cinco possuem fábrica no Brasil: BMW, Chery, Land Rover, Mini e Suzuki, cuja produção chegou a pouco mais de 13 mil unidades, aumento de 50,8% sobre os 8,66 mil veículos fabricados em mesmo período do ano passado.



Tags: Importados, vendas, mercado, Abeifa, Inovar-Auto, Rota 2030, IPI, José Luis Gandini.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência