Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Indústria | 17/10/2017 | 18h0

Chery quer vender 50% da fábrica no Brasil

Montadora chinesa espera receber US$ 64 milhões de comprador
PEDRO KUTNEY, AB

A Chery parece finalmente ter se cansado dos seguidos prejuízos no Brasil. Na semana passada, de forma despercebida, a montadora chinesa publicou no site da bolsa de valores de Changjiang, na cidade de Wuhu, onde suas ações são negociadas na China, que pretende vender pouco mais de 50% do controle de sua fábrica brasileira, inaugurada em 2014 em Jacareí (SP) após investimentos que somam US$ 400 milhões. Na declaração enviada à bolsa, a Chery informou ainda que espera obter na transação ao menos 421 milhões de yuan, cerca de US$ 64 milhões, e vai receber propostas até o próximo 7 de novembro.

Controlada pelo governo da cidade de Wuhu e maior exportadora de veículos da China, com 54 mil unidades exportadas nos primeiros seis meses deste ano, a fabricante estatal espera aliviar a pressão financeira negativa exercida nos últimos seis anos por sua subsidiária deficitária no Brasil. Segundo dados informados à bolsa chinesa, em 2016 a operação brasileira da Chery teve prejuízo de 1,1 bilhão de yuan (US$ 166,3 milhões).

Sem rede eficiente, entre o fim de 2016 e o início de 2017 a Chery tentou negociar a transferência de suas operações comerciais para o Grupo Caoa, que desde 2007 fabrica modelos Hyundai em Anápolis (GO) e opera um dos o maiores conglomerados de concessionárias no País com as marcas Hyundai, Ford e Subaru. Mas o negócio não prosperou. Segundo fontes ouvidas na época, os executivos da Caoa consideraram arriscado tomar a frente das vendas de uma marca com reputação desgastada no Brasil. Não há confirmação no momento de que a Caoa tenha retomado o interesse e que seja candidata a comprar participação majoritária na fábrica de Jacareí. Com isso, a Chery segue respirando por aparelhos, com rede que atualmente mal chega a 20 pontos operacionais, bem longe das 108 concessionárias de 2011.

Nem mesmo o novo plano de produtos, que previa o lançamento de três SUVs no mercado brasileiro, conseguiu até agora atrair o interesse de grupos em assumir as vendas da marca chinesa no País. A Chery dizia que iria lançar o SUV compacto Tiggo 2 em abril passado, o que já não aconteceu, e prometeu para 2018 os maiores Tiggo 7 e 9. Até o momento, vende somente as versões hatch e sedã do Celer e o subcompacto QQ, os três produzidos em Jacareí.

Para piorar a situação, a fábrica foi instalada na região que abriga um dos sindicatos de metalúrgicos mais combativos e intransigentes do País, e vem enfrentando sucessivas paralisações de trabalhadores. Desde o início efetivo da produção comercial, em março de 2015, foram promovidas ao menos cinco greves na planta de Jacareí, incluindo a iniciada recentemente, no fim de setembro passado, que já se estende por mais de 20 dias. Em junho, a Chery pôs fim a uma paralisação de 24 horas com a promessa de pagar R$ 6 mil de bônus por trabalhador a título de participação nos lucros e resultados. Desta vez a empresa resiste em ceder ao pedido de reajuste salarial de 9,2%, entre outras reivindicações (leia aqui).

NEGÓCIO INSUSTENTÁVEL

A Chery decidiu em 2011 investir em sua primeira fábrica completa fora do território chinês, com capacidade que poderia atingir 150 mil veículos/ano, como única saída para escapar da sobretaxação de 30 pontos porcentuais sobre o IPI aos carros importados, imposta a partir de 2012 pelo governo brasileiro com o Inovar-Auto, e assim tentar manter o que foi um de seu maiores mercados externos, com 21,7 mil carros vendidos em 2011.

Mas desde então nada deu certo: as vendas foram caindo pela metade ano a ano e seguiram em queda livre até atingir apenas 2 mil unidades em 2016, deixando a planta de Jacareí com ociosidade superior a 95% de sua capacidade de 50 mil/ano em um turno de trabalho. De janeiro a setembro deste ano os emplacamentos de 2,7 mil veículos no Brasil contabilizam crescimento de 140% sobre o mesmo período do ano passado, mas o volume ainda é muito baixo para representar qualquer alívio e manter a fábrica operando com rentabilidade.

Tags: Chery, fábrica, venda, leilão, Jacareí.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência