Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Renault planeja dobrar vendas na AL
Murguet (esq.) e Pedrucci: ambições redobradas para América Latina e Brasil

Indústria | 08/11/2017 | 20h00

Renault planeja dobrar vendas na AL

Fabricante divulga objetivos do “Drive the Future” para a região até 2022

PEDRO KUTNEY, AB

Dentro do plano estratégico “Drive the Future” divulgado mês passado pela Renault com objetivos traçados até 2022 (leia aqui), a região Américas, que inclui o Brasil, terá a missão de quase duplicar as vendas do nível de 356 mil veículos em 2016 para mais de 600 mil nos próximos cinco anos, fazer o lucro operacional regional crescer três vezes, avançar a participação no mercado brasileiro dos atuais 7,8% (resultado acumulado até outubro de 2017) para 10% e estar entre as três marcas mais vendidas da Argentina e Colômbia. Com isso, a América Latina deverá contribuir com 20% do crescimento nos volumes globais do Grupo Renault, que espera aumentar as vendas de 3,5 milhões em 2016 para 5 milhões até 2022 (considerando as marcas Renault, Dacia, Lada e Samsung).

“Os níveis de motorização na maior parte dos países latino-americanos são baixos, cerca de metade dos países desenvolvidos. Existe apetite por carros na América Latina e nós temos confiança que este mercado vai crescer sustentavelmente nos próximos anos”, avalia Olivier Murguet, presidente da Renault Américas, que na quarta-feira, 8, divulgou os objetivos regionais do plano “Drive the Future”. “Por isso preparamos aqui uma ofensiva de lançamentos sem precedentes, com mais de 95% dos produtos feitos em nossas fábricas no Brasil, na Argentina e na Colômbia”, destacou.

Para alcançar os objetivos nas Américas, será fundamental o bom desempenho no Brasil, hoje responsável por 47% das vendas na região e que deverá responder por metade da meta de vender mais de 600 mil unidades até 2022. A Renault espera que nesses próximos cinco anos o mercado brasileiro volte a superar o nível de 3 milhões de veículos/ano. Com isso, se for confirmado o desejo de obter 10% de participação, significará vender 300 mil carros/ano no País, exatamente o dobro dos 150 mil de 2016. “Com os investimentos que fizemos (R$ 2 bilhões de 2011 a 2017) pudemos renovar a gama de produtos com Oroch, Captur e Kwid, lançamos novos motores. Estamos em boa posição para a relargada do mercado”, afirma Luiz Pedrucci, presidente da Renault Brasil.

“Trabalhamos com uma projeção conservadora para o Brasil tendo em vista que este mercado chegou a 3,8 milhões há não muito tempo atrás”, lembra Murguet. Ele espera que o índice de motorização no País, de 293 veículos por mil habitantes, deverá crescer de 15% a 20% até 2022.

Para o executivo, a Renault tem agora a linha de produtos ideal para alcançar seus objetivos na região, considerando cinco veículos de passageiros (Sandero, Logan, Duster, Captur e Kwid) e quatro comerciais leves (Master, Kangoo, Oroch e a picape média Alaskan a ser lançada no Brasil só no fim de 2018). “Começamos a produzir no Brasil há quase 20 anos os mesmos modelos que vendíamos na França [caso do Clio e Scenic], mas nenhum deles pagou a conta ou deu à Renault a projeção que a marca precisava. Tivemos mais de 10 anos de prejuízos e precisamos nos adaptar com produtos desenhados exclusivamente para o mercado local. Um bom exemplo disso hoje é o sucesso do Kwid”, explica.

Murguet afirma que a Renault não desistiu de explorar no Brasil e na região segmentos de mercado de maior valor agregado, com produtos melhor acabados e mais tecnologia. “Vamos agora dedicar nossos esforços ao portfólio atual, demoramos muito tempo para encontrar uma fórmula de rentabilidade aqui e não queremos estragar essa conquista. Depois, pouco a pouco, com cuidado, poderemos entrar em mais segmentos”, diz.

RITMO ACELERADO

Com a gama atual de produtos, a maior parte das fábricas na região está perto do limite da capacidade. No Brasil, graças ao sucesso inicial de vendas do Kwid, com 17 mil emplacamentos desde o lançamento em agosto passado e produção vendida até o fim deste ano, a linha de veículos leves em São José dos Pinhais (PR) opera em três turnos e no mesmo local a unidade de comerciais leves produz em dois turnos a van Master, líder de mercado no Brasil.

A planta da Colômbia também trabalha em três turnos porque começa a abastecer a Argentina com o Duster, para aliviar a fábrica brasileira que precisa produzir mais Kwid – inclusive para exportar ao mercado argentino onde o carro está sendo lançado este mês. Na Argentina a produção de Sandero acontece em um turno e meio, mas lá a fábrica este ano deixou de produzir sedã Fluence (que não terá substituto) e está sendo preparada para fazer as picapes médias Nissan Frontier, Renault Alaskan e Mercedes-Benz Classe X.

“Temos boa flexibilidade para fazer diversos produtos nas fábricas da região e temos boa presença em países que estão fazendo acordos de livre comércio, o que deve dar impulso adicional às vendas”, avalia Murguet. Ele destaca também a capacidade regional de desenvolvimento de produtos, que conta com 900 engenheiros, a maioria deles localizada no Brasil, “com vocação para desenvolver design local e global”, diz.



Tags: Renault, Américas, plano estratégico, Drive the Future.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência