Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado | 14/11/2017 | 18h10

Vendas globais de veículos podem encolher até 2040

Estudo da IHS Markit indica que serviços de mobilidade vão impactar negócios

REDAÇÃO AB

O futuro é paradoxal para a indústria automotiva. enquanto o número de milhas viajadas deve crescer 65% nos próximos anos 23 anos globalmente, o volume de emplacamentos tende a cair. A conclusão é de levantamento feito pela IHS Markit nos Estados Unidos, Europa, China e Índia, os principais mercados mundiais.

-Veja aqui dados da IHS Markit
-Confira outros dados e estatísticas em AB Inteligência


O movimento de queda seria uma resposta ao aumento do uso de serviços de mobilidade, como aplicativos de carona, serviços de transporte individual e plataformas de compartilhamento de carros. A concorrência é cada vez mais multidimensional e menos relacionada somente às empresas do mesmo setor, alerta o relatório da empresa. A tendência, indica o levantamento, é que com o crescente acesso às novas soluções, o consumidor use mais automóveis, mas não veículos próprios. O estudo aponta que o número de milhas rodadas anualmente deve registrar aumento expressivo de 65% em 23 anos.

Apesar de serem o principal motivo para a redução do mercado global, a IHS Markit indica que serviços de transporte, como os oferecidos por empresas como Uber e Cabify, poderão responder por parte da demanda por veículos no futuro. Segundo a consultoria, a cadeia de serviços destas plataformas vai demandar 10 milhões de carros por ano – a empresa estima que este número seja de 300 mil unidades atualmente.

“Nós estamos no auge de uma das maiores transformações no transporte individual desde o começo da era automotiva. Entender as implicações de mudança tão grande requer perspectiva que vai além de uma só indústria ou mercado”, apontou no relatório Jim Burkhard, vice-presidente global da área de energia e mobilidade da empresa.

CARRO ELÉTRICO TERÁ 19% DO MERCADO

Segundo o levantamento, mesmo daqui a duas décadas, a participação dos carros puramente elétricos nas vendas ainda será menor, com 80% dos automóveis equipados com algum tipo de motor a combustão. Os modelos puramente elétricos responderão por 19% dos emplacamentos em 2040, segundo a IHS Markit. Já os híbridos plug-in terão participação de 14%, enquanto carros movidos apenas a gasolina ou a diesel responderão por 62% das vendas. Mesmo que permaneça alto, se concretizado o porcentual será bastante inferior aos atuais 98%.

O principal incentivo para a venda de carros zero emissão estará no bolso do consumidor: a consultoria entende que, com a redução dos custos das baterias, estes carros fiquem mais acessíveis nos próximos anos, atraindo novos clientes. O custo, no entanto, só deve ser competitivo a partir de 2030, quando os automóveis elétricos poderão ter o mesmo preço de modelos a combustão mesmo sem incentivos fiscais.

O estudo destaca ainda que, a partir de 2030, crescerá também o mercado de carros autônomos, que responderá por “parcela significativa das vendas”, indica o estudo, sem detalhar números.

Tags: vendas, veículos, mercado, global.


Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
AB Inteligência