NOTÍCIAS
13/12/2017 | 16h13

Legislação

Rota 2030 terá meta de melhorar em 12% a eficiência energética dos carros

AEA aponta que objetivo dos próximos 5 anos será mais desafiador que o do Inovar-Auto


GIOVANNA RIATO, AB

Fechado o ciclo do Inovar-Auto, que começou em 2013 e termina neste ano, a indústria poderá encarar metas de eficiência energética no Rota 2030 tão duras quanto as do programa anterior. Entidades, empresas e governo acertaram que as fabricantes de veículos precisarão melhorar em torno de 12% a eficiência energética dos carros vendidos no Brasil nos próximos cinco anos - depois disso serão definidos novos objetivos. “Será algo em torno disso, talvez um pouco mais ou um pouco menos. Estamos ajustando os detalhes agora”, conta Edson Orikassa, presidente da AEA, a Associação Brasileira de Engenharia Automotiva.

O dirigente confirma que, conforme adiantou Automotive Business (leia aqui), as medições finais do Inovar-Auto indicam que as montadoras chegam ao fim do programa com melhora média na eficiência energética superior à imposta pela política. “Os resultados indicam que a evolução foi da ordem de 15%”, aponta. Segundo ele, a ideia é que novas metas sejam anunciadas já para 2018, garantindo previsibilidade ao primeiro ciclo do Rota 2030, política que será dividida em etapas de cinco anos, com validade até 2033.

METAS MAIS DESAFIADORAS

Ainda que a meta de eficiência energética do Rota 2030 seja equivalente à estipulada pelo Inovar-Auto, cumprir o novo programa será mais desafiador, lembra Orikassa. “Algumas montadoras conseguiram atender ao Inovar-Auto apenas com a inclusão de pneus verdes e outras tecnologias mais simples em carros de alto volume de vendas. Agora será preciso avançar mais”, observa.

O executivo destaca que o programa anterior foi um passo de grande relevância para a indústria brasileira. As empresas precisaram melhorar a eficiência energética em 12% nos últimos cinco anos, ou em 2,4% ao ano. “É um objetivo bastante agressivo, mais ousado do que o de qualquer outro programa global”, diz. O cálculo foi feito com base na média ponderada de consumo dos carros vendidos no Brasil.

A AEA aponta que há algumas mudanças previstas para o Rota 2030, com o refinamento da legislação que exige a melhoria da eficiência energética. No lugar de impor um único número para todos os veículos leves, as metas devem ser segmentadas, com patamares específicos para automóveis, picapes e utilitários esportivos, por exemplo. Está em discussão também metas de eficiência para veículos pesados, mas isso só deve entrar em vigor no segundo ou terceiro ciclo da nova legislação (leia aqui).

No Inovar-Auto os carros elétricos e híbridos rendem bônus às montadoras – cada veículo zero emissão vendido é multiplicado por dois para calcular a média da frota da montadora. O plano para o Rota 2030, conta Orikassa, é intensificar ainda mais essa vantagem, estimulando as vendas destes modelos no Brasil. Os motores flexíveis também ganharão atenção especial na nova legislação. O presidente da AEA diz que esta será mais uma tecnologia a render melhoria extra na eficiência energética das montadoras. Dessa forma, a indústria terá estímulo adicional para desenvolver soluções bicombustível.

ROTA 2030 SAI EM 2017

A AEA foi parceira técnica do governo ao longo de todo o debate em torno do Rota 2030 este ano. Apesar da negativa do Ministério da Fazenda, que já declarou que o programa não será aprovado da forma que está (leia aqui), a entidade mantém a confiança de que a legislação sairá ainda em 2017. “Nós não temos envolvimento com a parte fiscal, mas o governo se comprometeu em publicar antes da virada do ano a medida provisória para que o programa entre em vigor a partir de 2018”, diz Orikassa.

Comentários: 1
 

manoel reis
20/12/2017 | 08h42
mais do que salutar precisamos de uma aplicabilidade deste compromisso chegando ao chão de fabrica de forma humanizada e integra...

Comente essa notícia

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*:


QUEM É QUEM NO SETOR AUTOMOTIVO

Encontre empresas e profissionais do setor.
Confira seus perfis e biografias.

Encontre empresas e profissionais do setor.

Encontre empresas e profissionais de comunicação.

Confira seus perfis e biografias.

COLUNISTAS

ALTA RODA | 16/01/2018
Quem liderou os principais segmentos em 2017

Esta coluna é apoiada por:

Advertisement Advertisement Advertisement
Advertisement Advertisement
Tecnologia | 13/03/2015
Setor enfrentará grandes mudanças nos próximos anos
QUALIDADE | 01/12/2017
Envolver e motivar colaboradores é essencial para gerar bons resultados
DISTRIBUIÇÃO | 03/08/2017
Marca percorreu caminho árduo e conseguiu destronar a Toyota da 1ª posição
Tecnologia | 23/07/2015
Novas ferramentas de desenvolvimento encurtam caminho para a competitividade
INOVAÇÃO | 19/01/2018
Há alguns obstáculos para fazer dar certo a relação entre elefantes e formiguinhas
MERCADO | 16/01/2015
Utilização do potencial só deve melhorar a partir de 2016
COMPETITIVIDADE | 08/04/2014
Interrupção do crescimento desafia fabricantes
Novas palavras, expressões e siglas podem levantar dúvidas sobre o futuro
QUALIDADE | 03/07/2017
Rota 2030 terá missão de levar a indústria automotiva nacional até o futuro
DE CARRO POR AÍ | 22/01/2018
Salão de Detroit sedia apresentações globais direcionadas aos EUA
AUTOINFORME | 10/01/2018
Só três dos 15 mais importados não são utilitários esportivos
QUALIDADE | 23/11/2016
Empresas do setor automotivo precisam atualizar sistema de qualidade até 2018
Indústria | 01/08/2016
Declaração do presidente da FCA evidencia crise no setor de autopeças
Pressão de montadoras adia controle de estabilidade obrigatório