NOTÍCIAS
02/01/2018 | 19h00

Carreira

PSA troca o comando na América Latina

Carlos Gomes vai para a China, Patrice Lucas chega para substituir


PEDRO KUTNEY, AB

Patrice Lucas (esq.) chega em fevereiro para substituir Carlos Gomes (dir.), que seguirá para a China
Pouco ante do fim de 2017 o Grupo PSA promoveu uma série de mudanças na estrutura de seu comitê executivo com efeito a partir de 1º de fevereiro próximo, que inclui a troca de comando da companhia na América Latina. Carlos Gomes, que dede 2010 ocupava a direção da operação nos países latino-americanos, vai se mudar para a China, onde assume a direção da empresa no maior mercado automotivo do mundo e também para a região Asean, que reúne os países do Sudeste Asiático. Para o lugar de Gomes, o novo vice-presidente executivo da PSA América Latina será Patrice Lucas, até a virada para este ano é o vice-presidente responsável pela área de programas e estratégia da corporação, controladora das marcas Peugeot, Citroën, DS e, mais recentemente, Opel e Vauxhall.

Lucas está no Grupo PSA desde 2006, quando ingressou na companhia como diretor de interiores e engenharia de cockpit. Ele veio da também francesa Valeo, fornecedora de componentes e sistemas automotivos, onde começou em 1991 e ocupou diversas posições nas áreas de qualidade, engenharia, produção e direção de divisões. Em 2014 Lucas foi promovido ao seu cargo atual, vice-presidente executivo de programas e estratégia da PSA. Segundo comunicado da companhia distribuído em 21 de dezembro, “seu conhecimento perfeito das alavancas de desempenho da empresa permitirá que [Lucas] assuma a responsabilidade pelas atividades industriais, de P&D e de vendas do grupo nesta região (América Latina), que possui forte potencial de crescimento e, assim, continue a melhorar o seu desempenho econômico”, diz a nota.

O português Carlos Gomes, que em 2010 deixou a presidência da Fiat na França para assumir a direção da PSA na América Latina, foi o executivo do grupo francês que conseguiu reverter anos de prejuízo na região, fechando o balanço regional no azul desde 2015 (leia aqui) – com exceção do mercado brasileiro, onde os resultados continuam negativos mas foram compensados pelo desempenho dos países vizinhos. Gomes liderou o maior plano de investimento da PSA no Brasil, que envolvia aportes de R$ 3,7 bilhões de 2010 a 2015 para lançar novos produtos – como os Peugeot 208 e o 2008 e os novos Citroën C3 e Aircross – e previa duplicar a capacidade de produção da fábrica de Porto Real (RJ) para 300 mil unidades/ano. Contudo, após a abrupta queda do mercado brasileiro, a ampliação não foi mais necessária parte dela foi interrompida. A estratégia mudou, com foco na venda de produtos com maior valor agregado e rentabilidade para devolver o caixa ao azul.

Ao que parece, a PSA reconheceu a virada financeira latino-americana para dar a Gomes o comando de um mercado de cinco a seis vezes maior. Agora como vice-presidente executivo da PSA China e Sudeste Asiático, ele terá a missão de melhorar o desempenho das marcas do grupo na Ásia. “Com os resultados obtidos na América Latina em um contexto econômico difícil, Carlos Gomes poderá usar seus conhecimentos comerciais e habilidades gerenciais para dar um novo impulso a esta região nas questões estratégicas para a empresa”, diz o comunicado da companhia. O executivo irá substituir Denis Martin, que decidiu sair do grupo.

MAIS MUDANÇAS

Além da troca de comandos na América Latina e China, a PSA anunciou na mesma data outras quatro mudanças em seu comitê executivo. Para substituir de Patrice Lucas, que em fevereiro terá seu escritório no Brasil, Olivier Bourges, que já atuava no conselho da companhia, torna-se vice-presidente executivo de programas e estratégia, responsável pelas atividades bancárias do Grupo PSA. Bourges já passou pela concorrente Aliança Renault Nissan e atuou em diversas posições no Ministério da Economia e Finanças da França.

Brigitte Courtehoux foi nomeada vice-presidente executiva de serviços de mobilidade e conectividade, substituindo Grégoire Olivier no desenvolvimento da estratégia central de mobilidade do grupo. Olivier, por sua vez, ocupará o lugar de Bourges como secretário-geral do conselho da companhia. Adicionalmente, ele manterá em sua nova posição a responsabilidade sobre o Business Lab da empresa.

Xavier Chéreau, vice-presidente executivo de recursos humanos, ganhou responsabilidades adicionais para administrar as grandes alavancas de transformação do grupo, mas continua à frente do gerenciamento digital, da gestão imobiliária e comitê de custos fixos.

Comentários: 0
 

Comente essa notícia

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*:


QUEM É QUEM NO SETOR AUTOMOTIVO

Encontre empresas e profissionais do setor.
Confira seus perfis e biografias.

Encontre empresas e profissionais do setor.

Encontre empresas e profissionais de comunicação.

Confira seus perfis e biografias.

COLUNISTAS

ALTA RODA | 16/01/2018
Quem liderou os principais segmentos em 2017

Esta coluna é apoiada por:

Advertisement Advertisement Advertisement
Advertisement Advertisement
INOVAÇÃO | 18/12/2017
Se quiser continuar vendendo veículos, indústria precisará pensar além do produto
QUALIDADE | 23/11/2016
Empresas do setor automotivo precisam atualizar sistema de qualidade até 2018
Indústria | 01/08/2016
Declaração do presidente da FCA evidencia crise no setor de autopeças
Pressão de montadoras adia controle de estabilidade obrigatório
Tecnologia | 13/03/2015
Setor enfrentará grandes mudanças nos próximos anos
AUTOINFORME | 10/01/2018
Só três dos 15 mais importados não são utilitários esportivos
QUALIDADE | 01/12/2017
Envolver e motivar colaboradores é essencial para gerar bons resultados
DISTRIBUIÇÃO | 03/08/2017
Marca percorreu caminho árduo e conseguiu destronar a Toyota da 1ª posição
Tecnologia | 23/07/2015
Novas ferramentas de desenvolvimento encurtam caminho para a competitividade
DE CARRO POR AÍ | 12/01/2018
Que tal pagar uns R$ 64.000 pela versão Precision, 1.8, automática?
MERCADO | 16/01/2015
Utilização do potencial só deve melhorar a partir de 2016
COMPETITIVIDADE | 08/04/2014
Interrupção do crescimento desafia fabricantes
Novas palavras, expressões e siglas podem levantar dúvidas sobre o futuro
QUALIDADE | 03/07/2017
Rota 2030 terá missão de levar a indústria automotiva nacional até o futuro