Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Toyota estuda adotar terceiro turno com avanço na América Latina
St. Angelo: para sustentar crescimento na América Latina será preciso adotar terceiro turno em algumas fábricas

Indústria | 16/01/2018 | 18h50

Toyota estuda adotar terceiro turno com avanço na América Latina

Vendas na região cresceram 7% em 2017 e participação subiu a 10%

PEDRO KUTNEY, AB | De Detroit (EUA)

Com 419 mil veículos entregues aos clientes em países da América Latina e Caribe (com exceção do México), em 2017 a Toyota registrou aumento de 7% nas vendas da região sobre o ano anterior – o Brasil foi de longe o maior consumidor, com quase 190 mil unidades (45% do total), mas a expansão de 5,3% foi pouco menor do que a média regional. Atrás dos brasileiros vêm os argentinos, que compraram 92 mil carros e picapes Toyota no ano passado, um significativo avanço de 13%. A participação de mercado na porção sul do continente americano, que antes da criação da divisão latino-americana há quatro anos era de apenas 4,3%, subiu para 10% (8,7% no Brasil). “É a região que vende o menor volume, mas no ano passado contribuímos com 17% do crescimento global da companhia”, comemorou Steve St. Angelo, CEO da companhia na América Latina, em encontro com jornalistas durante o Salão de Detroit, na sua cidade natal nos Estados Unidos.

O executivo afirma que está “contente” com o espaço já conquistado, mas reconhece que será difícil sustentar a posição sem aumentar a produção das quatro fábricas, duas no Brasil, uma na Argentina e outra na Venezuela. “Já estudamos a possibilidade de adotar o terceiro em algumas”, revela. St. Angelo admite que uma das plantas candidatas a operar 24 horas é a fábrica de Sorocaba, onde hoje são produzidos Etios hatch e sedã e que deve receber o Yaris até o fim do ano.

“Sempre estivemos longe do terceiro turno porque é algo que traz riscos, o mercado pode cair e se isso acontece ficamos com excedente de pessoal. Temos por política evitar demissões, não demitimos nos últimos anos”, explica. “Por outro lado, o terceiro turno é uma solução rápida e bem mais barata do que fazer outra fábrica, pode servir para o atual momento em que precisamos de mais produção. Por isso estamos estudando as possibilidades”, pondera.

NOVA OFERTA SUV

Para o executivo, a criação da divisão regional foi fundamental para o bom desempenho da Toyota nos últimos anos na América Latina. “Ganhamos independência e mais voz no Japão. Sabemos o que os clientes querem porque eles nos dizem, assim acertamos mais”, afirma. Nesse sentido, ainda falta à marca uma oferta mais acessível no segmento de SUVs, o que mais cresce na região. “Estudamos o caso e decidimos que ainda não é hora de trazer o C-HR. No momento vamos endereçar essa questão com o reposicionamento de preço do RAV4”, diz.

Esta semana a Toyota anunciou que a partir de maio começará a importar para o Brasil uma nova versão de entrada do RAV 4, com tração 4x2, motor 2.0 e câmbio automático CVT, que chegará ao País por R$ 130 mil ou R$ 140 mil na opção Top, que agrega mais equipamentos mas mantém a tração simples. Nessa faixa, deverá competir com utilitários esportivos médios, como o Jeep Compass – líder do segmento no mercado brasileiro em 2017. O RAV4 foi o SUV mais vendido no mundo em 2017, cerca de 800 mil unidades – ou quase o dobro do que a Toyota vendeu na América Latina no mesmo período.



Tags: Toyota América Latina, mercado, resultado 2017, balanço 2017, vendas 2017, Steve St. Angelo.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência