Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Volkswagen confirma investimento de R$ 2 bilhões no Paraná
Pablo Di Si ao lado do governador do Paraná, Beto Richa, em evento para anunciar oficialmente o investimento de R$ 2 bilhões na planta de São José dos Pinhais, que recebe incentivos fiscais do Estado

Indústria | 03/04/2018 | 16h21

Volkswagen confirma investimento de R$ 2 bilhões no Paraná

Fábrica de São José dos Pinhais abrirá nova linha MQB para produzir o SUV T-Cross

PEDRO KUTNEY, AB | De São José dos Pinhais (PR)

A Volkswagen confirmou investimento de R$ 2 bilhões na fábrica de São José dos Pinhais (PR). Do aporte, R$ 1,4 bilhão serão direcionados para ampliar e modernizar a planta, que ganha novas linhas de produção para montar carros sobre a plataforma modular do Grupo VW, a MQB. Outros R$ 600 milhões estão sendo usados no desenvolvimento e validação do T-Cross, primeiro SUV fabricado pela VW no Brasil, que começa a ser produzido na unidade paranaense até o fim deste ano, para ser lançado no mercado nacional nos primeiros meses de 2019.

O investimento no Paraná já estava programado, faz parte do programa de R$ 7 bilhões que estão sendo aplicados até 2020 em plantas e produtos da Volkswagen no Brasil – que inclui também R$ 2,6 bilhões gastos na fábrica Anchieta, em São Bernardo do Campo (SP), para a produzir Polo e Virtus sobre a plataforma MQB.

A empresa só revelou o valor exato a ser investido em São José dos Pinhais em evento promovido na fábrica na terça-feira, 3, com a presença de executivos e representantes do governo estadual, que garantiu a continuidade da concessão de incentivos fiscais (diferimento de ICMS) para a planta.

“O T-Cross, primeiro SUV da marca no País, nasce brasileiro, mas será fabricado sobre a mais moderna plataforma global da Volkswagen, a MQB, introduzida agora aqui em São José dos Pinhais”, disse Pablo Di Si, presidente da empresa no Brasil e América do Sul.



O executivo esclarece que a arquitetura MQB do T-Cross tem diferenças em relação à usada atualmente no Golf, também produzido em São José dos Pinhais em área separada, ao lado dos Audi A3 Sedan e Q3. Por isso, segundo Di Si, o novo SUV compacto será fabricado em outra linha, paralela à do Fox – outro modelo da VW Brasil nascido no Paraná. “São carros diferentes, Fox e T-Cross vão de rodar em linhas separadas”, explica.

ACELERAÇÃO DA PRODUÇÃO



Fazendo apenas dois produtos (Golf e Fox) que perderam muito mercado nos últimos anos, a fábrica paranaense vinha operando em um turno incompleto, com paralisações em alguns dias. Dos 2.600 empregados, no início deste ano mais de 500 estavam afastados em layoff (suspensão temporária do contrato de trabalho). Esse quadro irá mudar com o início da produção do T-Cross até o fim do ano, que deverá garantir no mínimo um turno completo e trazer de volta todos os funcionários.

Há duas semanas a produção está totalmente paralisada para o início da reconversão industrial da planta, que deverá avançar por mais três a quatro semanas. Com isso, alguns funcionários já começaram a ser reintegrados. Neste início de abril restavam 321 em layoff, que de acordo com Di Si deverão voltar à produção até o fim do ano. Novas contratações também estão previstas: “Deveremos precisar ao todo de mais 600 a 700 pessoas a partir do ano que vem”, disse executivo, incluindo neste número os empregados ainda afastados que irão retornar gradualmente ao trabalho.


Pablo Di Si discursa para empregados e autoridades na fábrica de São José dos Pinhais no evento para anunciar novo investimento na planta: mais empregos

“Recebemos com alívio o novo investimento. A Volkswagen não vinha demonstrando atitude para trazer mais emprego e sustentabilidade para esta fábrica”, disse Sergio Butka, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Curitiba e Região, que também discursou no evento. “Agora estamos entrando em uma nova era, com um carro de volume que pode fazer a planta voltar ao que já foi nos anos 2000, quando chegou a ter 6 mil empregados e produzir 250 mil veículos em um ano”, completou.

RECONVERSÃO INDUSTRIAL



Di Si destacou que Fox e Golf seguirão sendo produzidos normalmente: “Vamos fazer o que o consumidor demandar”, disse. Também revelou que tem em vista planos a produção de um segundo modelo sobre a mesma plataforma do T-Cross.

“A vantagem de já ter a MQB aqui é que quando vier um segundo produto já não precisaremos investir tanto, pois a reconversão industrial para isso já estará feita.”



O investimento em São José dos Pinhais inclui ampliações e mudanças em diversas áreas da produção. A estamparia está recebendo 158 novas ferramentas para moldar as chapas do novo SUV. O prédio da armação de carroceria (soldagem) está sendo expandido em 5,5 mil metros quadrados, com a instalação de 239 novos robôs mais eficientes e equipamentos de solda a laser. A pintura também recebe readequações e na montagem final outra linha será instalada para produzir o carro sobre a plataforma MQB.

“A indústria 4.0 já é uma realidade em muitas das áreas da Volkswagen no Brasil, com processos conectados e inteligentes, máquinas e equipamentos que se comunicam entre si e com os carros que estão produzindo”, acrescenta Di Si, para explicar a adoção de novos padrões industriais nas quatro fábricas brasileiras do grupo.

MAIS MERCADO



Di Si comemorou os resultados da estratégia da Volkswagen no País, que até o momento se traduziu em aceleração das vendas em 31,7% no primeiro trimestre do ano, em comparação ao mesmo período de 2017. O desempenho é mais que o dobro melhor do que média de crescimento do mercado no período, de 14,7%, o que fez a participação da VW saltar quase dois pontos porcentuais, para 14,8%, cada vez mais perto da líder GM, que acumula 15,6% no ano.

Para o executivo, se o ritmo continuar como está, será necessário rever para cima a projeção de crescimento de 40% para o mercado brasileiro nos próximos quatro anos. Di Si confia que os 20 lançamentos programados até 2020 (13 produzidos no Brasil, dois na Argentina e cinco importados de outros países) trarão fôlego para fazer a Volkswagen continuar a crescer acima da média nos próximos anos.

Apenas três modelos dessa nova safra, Polo, Virtus e Amarok V6, já foram lançados e mais um, o Tiguan importado do México, chega este mês. Ele é o primeiro dos cinco SUVs prometidos até 2020. Depois do Tiguan, além do compacto T-Cross produzido no Paraná, também fazem parte da lista o Tarek, de tamanho médio, a ser feito na Argentina em 2020; o Atlas, maior deles, que virá dos Estados Unidos; e por fim um subcompacto (CUV).

“Vamos sair de zero para cinco SUVs até 2020, o que nos coloca em posição privilegiada no segmento que mais cresce e deve muito em breve representar algo como 25% das vendas no País”, avalia Di Si.



Tags: Volkswagen, VW, investimento, indústria, SUV, T-Cross, MQB.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência