Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado | 15/06/2018 | 23h18

Projeção menor para o PIB em 2018 não afetará crescimento do mercado de caminhões

Volvo Trucks aponta indicadores que mantêm o cenário positivo neste ano

SUELI REIS, AB | De Fortaleza (CE)

A projeção de que o PIB pode ser menor do que o esperado para 2018 não afeta a confiança da Volvo Trucks no mercado de caminhões, em franco crescimento. A marca, que de janeiro a maio anotou aumento das vendas acima de 86%, para pouco mais de 3,5 mil unidades contra as 1,9 mil emplacadas em iguais meses de 2017, aponta os motivos para manter sua projeção de crescimento para o ano.

“O PIB menor não vai ter impacto este ano: nossos indicadores internos [carteira de pedidos e de exportações] mostram que mesmo menor, não haverá efeito, não neste ano. Esperamos que 2018 será um ano com o mercado bastante ativo e forte”, afirma o gerente comercial de caminhões Volvo, Alcides Cavalcanti.

Para o executivo, indicadores econômicos em geral continuam favoráveis. Ele cita Selic, em nível mais razoável, e inflação, ainda sob controle, e aponta que os próprios transportadores estão mantendo o viés positivo para o segmento, principalmente após a proposta de acordo do governo para conter a greve dos caminhoneiros, que ocorreu na penúltima semana de maio e que parou o País. “Com a redução em 12% do preço do diesel, o custo do pedágio reduzido para eixo suspenso sem carga, a desoneração da folha que podia impactar, tudo isso agora favorece a redução do custo do transportador e consequentemente pode trazer maior rentabilidade”, analisa Cavalcanti.

Sobre o preço do frete, o gerente da Volvo acredita que “mudará para outro patamar”, embora ainda haja discussões entre o governo e a categoria para definir uma nova tabela.

Cavalcanti participou do anúncio da compra do distribuidor Volvo Apavel, que atua no Nordeste, pelo concessionário Tracbel (leia aqui). “A melhora do cenário econômico e do PIB reflete em todos os estados e regiões. Por causa da crise, muitos frotistas deixaram de fazer renovação da frota: basta lembrar que desde 2015, o mercado de caminhões pesados [acima de 16 toneladas de PBT] caiu na ordem de 70% em todo o Brasil. Agora, esses frotistas estão voltando a comprar”, pondera.

Segundo Cavalcanti, os estados do Ceará, Piauí e Maranhão, onde está localizada a rede Apavel comprada pela Tracbel, representam juntos 5% das vendas de caminhões da Volvo no País. A marca mantém números positivos neste raio de atuação: em 2017, entregou 1,1 mil unidades, o que lhe garantiu 22% de participação. A empresa contabiliza uma fatia de 38% no segmento pesado e de 12% no semipesado.

“Para este ano, nossa projeção para estes estados é de 1,8 mil caminhões ou talvez até 2 mil, com um aumento de participação de 12% para 17% no semipesado e para 34% no pesado”, revela. “É uma importante região de passagem, ela tem um impacto grande no transporte por causa do escoamento de grãos. Com a Tracbel, que tem excelência na rede e no pós-venda, acredito na manutenção desses números positivos.”

Até agora, a Volvo responde por 34% das vendas de caminhões pesados no Nordeste e representa 10% nos semipesados. Já na região Norte, a proporção é de 25% nos pesados e 6,5% nos semi. “No primeiro semestre, registramos no Brasil um crescimento acima da média do mercado e no segundo semestre, acreditamos que a marca vai acompanhar a evolução e o aquecimento das vendas, que são sempre mais fortes neste período”, completa Cavalcanti.

O diretor de desenvolvimento de concessionárias do Grupo Volvo na América Latina, Adriano Merigli, reforça a importância da região Nordeste para o desempenho da Volvo no Brasil: “A atividade agrícola e as próprias transportadoras em geral estão cada vez mais fortes na região. Há um desenvolvimento importante na área alimentícia acontecendo no Ceará, o agronegócio expandindo no Maranhão e uma diversidade econômica despontando no Piauí. Com isso, há um apelo forte em programas de fomento para o Nordeste com taxas muito atrativas, inclusive para adimplentes que conseguem taxas ainda menores, há um trabalho muito forte por aqui dentro do consórcio Volvo, frotas sendo construídas a partir de planos de consórcio.”



Tags: PIB, Volvo, Volvo Trucks, caminhões, ônibus, mercado, diesel, vendas.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência