Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Para caminhões, Fenabrave mais que dobra expectativa

Mercado | 03/07/2018 | 17h05

Para caminhões, Fenabrave mais que dobra expectativa

Entidade projeta expansão de 25% e avalia que desaceleração econômica não afeta recuperação dos veículos de carga

PEDRO KUTNEY, AB

A Fenabrave avalia que a desaceleração do ritmo da economia, detonada no mês passado com a paralisação dos caminhoneiros, não deverá afetar a acentuada recuperação do mercado de caminhões no País. Muito pelo contrário, a avaliação é que o bom desempenho da safra de grãos deverá seguir incentivando a renovação de uma frota envelhecida, sem trocas nos últimos três anos. Como a base de comparação com o ano passado é muito baixa, a entidade que reúne os concessionários da rede de distribuição decidiu mais que dobrar sua projeção de vendas de veículos de carga em 2018, para quase 25%.

Ao contrário do que fez com a expectativa de vendas de veículos leves, reduzida para expansão de 9,7% em 2018 (leia aqui), a Fenabrave reajustou de 10,3% para 24,8% a estimativa de crescimento do mercado de caminhões. Os concessionários esperam vender 65 mil unidades no ano inteiro.

“A redução da expectativa de crescimento do PIB este ano afeta pouco o porcentual de expansão do mercado de caminhões porque a base de comparação é muito baixa, estamos vindo de um longo Inverno. A estimativa de safra continua boa, muitos pedidos estão feitos e já há falta de modelos pesados para esse transporte”, justifica Sérgio Zonta, vice-presidente da Fenabrave.



Responsável na entidade pelo segmento de caminhões e ônibus, Zonta destaca o crescimento da oferta de crédito para compra de caminhões, com maior disponibilidade de financeiras de montadoras e bancos independentes que entraram no mercado, o que sustenta a recuperação mais acelerada do setor. “A inadimplência é baixa e o juros estão em níveis reduzidos. O BNDES/Finame tem taxa de 1,1% ao mês, mas atualmente vemos bancos independentes e de montadoras oferecendo CDC (crédito direto ao consumidor) ainda mais barato, abaixo de 1%”, diz o concessionário.



- Faça aqui o download dos dados da Fenabrave
- Veja outras estatísticas em AB Inteligência



Apesar das perspectivas melhores, as vendas de caminhões em junho também ficaram estagnadas, com 5.731 unidades emplacadas, número quase idêntico ao de maio. Houve imperceptível avanço de 0,24% sobre o mês anterior.

Mas segue alta a comparação porcentual anual. O crescimento dos emplacamentos de veículos de carga no mês é de vistosos 37,1% sobre junho ano passado. Mesmo com recente tropeço das vendas por falta de produtos para entregar, os 32,3 mil caminhões emplacados no primeiro semestre de 2018 ainda representam expressivo avanço de 50,7% sobre o mesmo período de 2017.

ÔNIBUS EM BAIXA



O desempenho positivo do mercado de caminhões não é replicado no segmento de ônibus. Em junho foram vendidas 1.190 unidades, segundo consolidação da Fenabrave, o que significa baixa de 4,2% sobre maio e retração bem maior, de 23,8%, na comparação com o mesmo mês de 2017. Mas no primeiro semestre os emplacamentos somam 7,1 mil ônibus, em alta de quase 10% (9,96%) ante o mesmo período do ano passado.

A Fenabrave avalia que o mercado de ônibus iniciou um período de baixa, por isso reduziu sua expectativa para o ano, que era de crescimento de 4,7% e agora passou para queda de 4,1%, com estimativa de 14,5 mil emplacamentos ao longo do ano todo, devido à paralisação esperada das compras por conta das eleições. “Fizemos o ajuste (para baixo) por causa do ano eleitoral”, afirma Alarico Assumpção Jr., presidente da Fenabrave.



Tags: Fenabrave, mercado, vendas, caminhões, ônibus, veículos comerciais pesados, Renavam, projeção.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência