Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
BMW não vai baixar o preço de carros eletrificados mesmo com IPI menor
Boavida espera expansão de dois dígitos nas vendas da marca em 2018

Estratégia | 18/07/2018 | 20h09

BMW não vai baixar o preço de carros eletrificados mesmo com IPI menor

Com real desvalorizado, a companhia aponta que a redução da alíquota não terá impacto nos custos do i3

GIOVANNA RIATO, AB

O preço dos carros eletrificados oferecidos no mercado brasileiro não vai baixar, apesar da decisão do governo de diminuir a alíquota do IPI cobrada destes modelos. “O tributo é só um componente na composição do valor que cobramos. Com a desvalorização do real, importar o carro fica cada vez mais caro”, diz Helder Boavida, presidente da operação brasileira da companhia. Segundo o executivo, o governo ainda precisa definir as novas alíquotas para que a empresa tome qualquer decisão.

A expectativa é que o IPI para carros elétricos diminua dos atuais 25% para 7%. Os veículos com propulsão alternativa já têm desconto no Imposto de Importação, que varia de zero a 7% dependendo da tecnologia. Segundo Boavida, a mudança não têm impacto sobre o preço do i3 porque a BMW vende no Brasil as versões REX do modelo, equipadas com um motor bicilíndrico que funciona como extensor de autonomia para o propulsor elétrico. O carro é categorizado pelo governo como híbrido e, portanto, já recolhe apenas 7% de IPI.

PLANOS


“O que muda é que agora, se for interessante, poderemos importar as versões sem o extensor de autonomia com a mesma tributação”, diz. A companhia lançou em junho a versão renovada do i3, que teve apenas 170 unidades vendidas em dois anos e meio no Brasil – a empresa vendeu outras 33 do carro híbrido i8. Com preços que começam em R$ 199,9 mil, a marca não tem grandes ambições de venda para a nova geração do hatchback.

A BMW estima que a frota brasileira de veículos eletrificados alcance 10 mil unidades, considerando híbridos e puramente elétricos e a projeção de que serão vendidos 3,3 mil modelos da categoria até o fim deste ano. A contribuição da BMW no volume total é pequena. Boavida conta que já foram negociadas 10 unidades do i3 desde o lançamento da nova geração, mas Boavida entende que o objetivo do carro não é cumprir metas de vendas, mas posicionar a marca como uma empresa com várias soluções de mobilidade e atender à tímida demanda.

Considerando todo o portfólio, a BMW pretende avançar ao ritmo de dois dígitos nas vendas em 2018, se distanciando do patamar de 10,1 mil unidades emplacadas em 2017, o pior ano da marca e do segmento premium, segundo Boavida. “No primeiro semestre já crescemos 20%, mas sabemos que não vai dar para sustentar a expansão nesse patamar até o fim do ano”. Do total emplacado no Brasil, 80% também é produzido localmente na planta da empresa em Araquari (SC). O executivo lembra que a operação sofre o impacto da desvalorização do real, que torna mais caros os componentes importados que a empresa utiliza na montagem local.



Tags: BMW, i3, carro elétrico, IPI, vendas.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência