Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Rota 2030 é pouco inclusivo e não terá impacto no curto prazo
Letícia critica configuração do Rota por ser pouco inclusivo e não conter medidas para competitividade global (foto: Luis Prado)

Legislação | 28/08/2018 | 15h21

Rota 2030 é pouco inclusivo e não terá impacto no curto prazo

Para a consultora Letícia Costa, falta considerar toda a cadeia e não só as montadoras

SUELI REIS, AB

O Rota 2030 vai ter um baixo impacto na indústria automotiva nacional e nenhum impacto no curto prazo. Essa é a visão defendida pela consultora e sócia-diretora da Prada Assessoria, Letícia Costa, que encerrou os trabalhos do no Workshop Planejamento Automotivo 2019, realizado por Automotive Business na segunda-feira, 27, em São Paulo. Para ela, uma política industrial deveria considerar toda a cadeia e da maneira como está configurada, falta inclusão ao programa, principalmente de empresas de tier one, que investem tanto quanto as montadoras.

“O governo ainda não entendeu como funciona a indústria. É um programa muito modesto, não abrange toda a cadeia. Está muito focado em montadoras. É um programa ruim? Não. Ajuda a conquistar investimentos das matrizes, mas não é o Rota 2030 que vai trazer o grande avanço”, disse Letícia.

Ela alerta para o fato de que a proposta da política industrial, que ainda está em análise pela Câmara, contempla medidas de curto prazo e que está longe de endereçar questões que deveriam fazer parte da pauta da competitividade e da inserção da indústria local no cenário global.

“O Rota 2030 continua sendo Rota 2020; há incentivos limitados para híbridos e elétricos. Quando se fala em P&D hoje, estamos falando de ultrapassar fronteiras tradicionais. Exemplo disso é que não dá para falar de mobilidade sem incluir grandes e novos players que não são tradicionais na indústria automotiva – aqui estamos falando de Google e Uber, só para citar alguns. E o Rota 2030 não inclui isso.”

Outro problema, segundo ela, é a pouca clareza sobre medidas que contemplam o setor de autopeças. “Há uma proposta de um fundo com recursos dos ex-tarifários para as autopeças, mas o problema não é tanto o valor, mas sim como ele será e se será acessado. Havia algo semelhante no Inovar-Auto, mas nunca se viu esse dinheiro”, disse.

Segundo Letícia, no médio prazo, pode-se esperar um impacto moderado, uma vez que o programa deve exigir mais equipamentos de segurança nos veículos. Já no longo prazo, a consultora alerta que alguns desafios permanecem para a indústria. Ela indica que as empresas precisam começar a planejar imediatamente qual o papel e a qual posição querem ter no novo contexto tecnológico mundial, que não é mais uma visão de futuro, mas sim uma realidade palpável.

A evolução da transformação digital potencializa essa necessidade de mudanças, provoca Letícia. Ela exemplifica que só o carro elétrico vem mudando de forma exponencial algumas áreas muito tradicionais da cadeia e a maneira como elas estão estruturadas. Há de se considerar que montadoras não têm expertise com baterias, por exemplo, e que fornecedores de motores a combustão tendem a diminuir seu fluxo. A conectividade, por outro lado, tem trazido para a indústria um incontável número de parcerias entre montadoras e empresas especializadas em tecnologia, big data e inteligência artificial, entre outras frentes.

“O fato é que apesar de ninguém saber qual é o futuro, não se pode dar o luxo de não se mexer. Neste contexto tecnológico, a grande pergunta é ‘Quem será o dono do cliente?’ Em suma, vamos ter mudanças importantes e quem não se preparar para este tsunami de transformações, vai ficar na rabeira. E sabemos que cinco ou seis anos é um tempo muito curto para mudar o negócio.”



Tags: Rota 2030, Letícia Costa, política industrial, Workshop Planejamento 2019, autopeças, investimentos.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência