Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Efeito Argentina impede novo recorde das exportações

Indústria | 06/09/2018 | 18h01

Efeito Argentina impede novo recorde das exportações

Embarques menores ao país vizinho derruba volume total em 4,6% no ano; Anfavea vai rever projeção com viés negativo

SUELI REIS, AB

A projeção da Anfavea de que o Brasil bateria um novo recorde nas exportações de veículos em 2018 foi definitivamente por água abaixo: os volumes tiveram nova queda com o fechamento de agosto. Dados da entidade divulgados na quinta-feira, 6, apontam que em oito meses os embarques diminuíram 4,6% na comparação com igual período do ano passado, para um total de 486,4 mil unidades. A queda foi maior do que o a retração de 3% verificada no acumulado até julho, o primeiro resultado negativo do ano.



- Faça aqui o download dos dados da Anfavea
- Veja outras estatísticas em AB Inteligência



Com isso, a entidade vai rever mais uma vez sua projeção de exportações para o ano. No início de agosto, após constatar a primeira queda das exportações, a Anfavea havia revisado para baixo o volume total previsto para o ano.

“Acreditávamos que esse ano iria superar a meta com um novo recorde. No mês passado, revisamos a previsão e zeramos o índice de crescimento. Estamos reavaliando esse número e no próximo mês [outubro] faremos ajustes, com viés negativo para as exportações. Eu diria, é um movimento que não será positivo. A princípio, não vamos conseguir repetir o número do ano passado [recorde]”, disse o presidente da Anfavea, Antonio Megale.

CRISE ARGENTINA


O arrefecimento das exportações se deve em parte pelo efeito da crise na Argentina, cujo mercado também começa a sentir os primeiros impactos das medidas emergenciais anunciadas pelo governo do presidente argentino Maurício Macri. Embora a produção e as exportações de veículos do país vizinho tenham aumentado no acumulado do ano até agosto, as vendas ao mercado local vão na via contrária, com quedas registradas em julho e também em agosto.

Para Megale, o aumento da taxa de juros de 45% para 60%, outra medida anunciada recentemente pelo país vizinho, deverá afetar ainda mais a confiança já em baixa e por consequência o desempenho do mercado interno argentino.

“Obviamente vai encarecer os financiamentos, resultar no aumento de preço e isso vai refletir no mercado interno argentino”, disse o presidente da Anfavea.

Em sua análise, a associação indica que tal pressão poderá acarretar no aumento do preço FOB dos carros em algo em torno dos 8%.

“Vemos com preocupação, porque é uma situação complexa: o país tem dificuldade de recurso e entendemos que são medidas extremas, de cunho emergencial. Nos preocupa porque encarece o produto lá e também encarece as exportações. Com certeza, terá impacto no comércio bilateral”, comenta Megale.



O executivo defende que as negociações da Argentina com o FMI (Fundo Monetário Internacional) que estão em andamento podem acarretar em uma possível solução. “A antecipação de recursos de forma adequada poderá acalmar o cenário”, disse. “No entanto, temos confiança na capacidade do governo Macri em tomar medidas acertadas para sair dessa difícil situação.”

QUEDA GENRALIZADA


Embora a Argentina seja a principal responsável pela piora das exportações brasileiras de veículos – em um ano, o país vizinho passou de uma participação de 70% para 75% do volume exportado pelo Brasil – ela não é a única. Dados da Anfavea mostram que houve queda generalizada dos embarques para outros mercados da América Latina.

O México também vem interferindo de forma importante nos embarques de veículos feitos no Brasil. De janeiro a agosto, as exportações para lá caíram 50% no comparativo anual, passando de 61,5 mil para 31 mil neste ano. Isso fez cair a participação do pais de 12% para 6% nas exportações de veículos a partir do Brasil.

Para o Uruguai, as vendas caíram 18% na mesma base de comparação, para 17,7 mil unidades, embora o país tenha mantido sua participação de 4%. Colômbia e Peru também mantiveram suas fatias, de 3% e 2%, respectivamente, embora os volumes tenham diminuído 6,4% para o mercado colombiano e 0,9% para o peruano.

Apenas as exportações para o Chile, que consome 6% de veículos brasileiros, aumentaram neste ano, passando de 23,8 mil para 26,5 mil, sempre considerando o acumulado de janeiro a agosto na comparação anual.



Tags: Exportações, veículos, Argentina, Anfavea, recorde.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência