Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
BMW assumirá controle de joint venture na China, onde investirá mais de € 3 bi
Entre as várias medidas anunciadas, representantes de BMW e Brilliance prorrogam acordo de joint venture até 2040

Internacional | 11/10/2018 | 17h50

BMW assumirá controle de joint venture na China, onde investirá mais de € 3 bi

Fatia passará de 50% para 75%; acordo será concluído em 2022 com o fim das regras que limitam o controle estrangeiro no país

REDAÇÃO AB

O Grupo BMW anunciou na quinta-feira, 11, que planeja aumentar de 50% para 75% sua participação na joint venture que mantém com a montadora Brilliance na China, a BBA (BMW Brilliance Automotive) durante uma cerimônia em Shenyang que celebrou os 15 anos da joint venture. O acordo para que a BMW se torne acionista majoritária da empresa ainda está sujeito à aprovação das autoridades e deve ser concluído em 2022, quando terminam as regras que limitam o controle estrangeiro de joint ventures no país. As empresas também assinaram a prorrogação de seu acordo por 22 anos, entre 2018 e 2040.

O anúncio é um marco para montadoras internacionais que atuam na China e que são limitadas a ter no máximo 50% de qualquer empresa chinesa, além de dividir lucros com o parceiro local. Com isso, o negócio pode incentivar rivais como a Daimler e outras montadoras a fazerem o mesmo.

Além disso, a joint venture também anunciou um investimento de mais de € 3 bilhões para suas plantas na China, todas instaladas no complexo industrial de Shenyang: Em Tiexi será instalada uma nova fábrica para dobrar sua capacidade produtiva enquanto a de Dadong receberá investimentos para modernização a fim de receber novos modelos. Como resultado, a capacidade de produção anual nas fábricas da BBA aumentará gradualmente para 650 mil a partir de 2020, quando também terá criado 5 mil novos empregos.

“Estamos embarcando em uma nova era”, disse o presidente do conselho do Grupo BMW, Harald Krueger, em Shenyang, nordeste da China, onde a joint-venture está instalada. Ele agradeceu ao premiê chinês, Li Keqiang, que apoiou o plano, segundo o executivo.

Em 2017, as plantas automotivas da BBA em Tiexi e Dadong produziram quase 400 mil veículos. Atualmente, seis modelos BMW são produzidos em Shenyang: na planta Tiexi são fabricados os modelos Série 1 Sedan, Série 2 Active Tourer, Série 3 Sedan (incluindo a versão de longa distância entre eixos) e o BMW X1, incluindo sua versão híbrida plug-in. Em Dadong, são feitos os BMW Série 5, incluindo a versão híbrida plug-in, e o X3. A partir de 2020, o 100% elétrico iX3 será feito na linha de Dadong, seu único local de produção e de onde será exportado para todo o mundo.

O negócio também deve levar a BMW a transferir mais produção para a China no momento em que o governo dos Estados Unidos trava uma guerra comercial com a China, o que elevou o custo para o grupo alemão importar carros fabricados em sua planta na Carolina do Sul. A BMW é uma das maiores exportadoras de veículos dos EUA para a China.

“A principal razão para investirmos na China é porque estamos absolutamente convencidos de que o mercado tem potencial de crescimento adicional”, disse o vice-presidente financeiro da BMW, Nicolas Peter. Ele acrescentou que a BMW também está investindo em capacidade adicional nos EUA.



Tags: BMW, joint venture, China, Brilliance, controle acionário, investimento.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência