Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Volvo Cars dá salto de vendas no Brasil e espera mais com o S60
Novo Volvo S60 vai brigar por mais participação de mercado contra Audi A4, BMW Série 3 e Mercedes-Benz Classe C

Mercado | 15/10/2018 | 20h00

Volvo Cars dá salto de vendas no Brasil e espera mais com o S60

Marca sueca terá melhor ano no País com três SUVs e em 2019 terá o novo sedã médio para aumentar fatia

PEDRO KUTNEY, AB | De Santa Monica (Califórnia, EUA)

Graças ao fim da sobretaxação e imposição de cotas de importação do Inovar-Auto, que vigorou de 2012 a 2017, e ao lançamento de produtos mais evoluídos e adequados ao gosto do consumidor brasileiro (leia-se três SUVs), a Volvo Cars está em meio a um grande salto de vendas, que vai garantir o melhor ano de todos os tempos desde o início das importações de carros da marca sueca no País, em 1991.

De janeiro a setembro foram vendidas 4,35 mil unidades, em alta de 82% sobre o mesmo período de 2017, porcentual sete vezes maior que a média de 12% de crescimento registrado no segmento de automóveis de luxo como um todo, estimado em 35,8 mil veículos em nove meses. Com isso, a participação nessa fatia de mercado quase que dobrou, de 7,6% no ano passado para 12,7% agora. A expectativa é fechar 2018 acima dos 6 mil emplacamentos – o que superaria os 5,46 mil de 2011, o maior volume anual da Volvo Cars no Brasil até agora.

“Vivemos um momento especial, mas esse resultado começou a ser desenhado desde 2015, com o início da transformação dos produtos da Volvo, desenvolvidos com maior liberdade e recursos depois que a fabricante ganhou independência quando foi comprada pela chinesa Geely [em 2010]”, afirma Leandro Teixeira, diretor de marketing e produto da Volvo Cars Brasil.



Teixeira avalia que o atual salto da marca no Brasil poderia ter acontecido antes, tendo em vista que o melhor resultado foi obtido em 2011, no momento pré-Inovar-Auto, e depois as vendas foram limitadas a apertadas cotas, que no caso da Volvo mal chegavam a 3 mil unidades/ano sem a cobrança da sobretaxação de 30 pontos adicionais de IPI. Para desviar dessa barreira quatro marcas que atuam na mesma faixa premium de mercado, Audi, BMW, Mercedes-Benz e Jaguar Land Rover, abriram fábricas no Brasil, estratégia que a Volvo decidiu não seguir.

“Tivemos que limitar nossas importações porque a Volvo segurou o investimento em unidade industrial no Brasil, avaliou que não se faz uma fábrica baseada só em incentivos que acabam depois. Além disso havia prioridade e se construir fábricas na China e nos Estados Unidos (inaugurada este ano)”, explica Teixeira.

MUDANÇA DE PERCEPÇÃO



Segundo o diretor, houve nos últimos anos uma mudança de percepção dos consumidores brasileiros em relação à marca sueca. Para ele, além da já tradicional imagem de carro seguro que a Volvo cultiva ao longo de décadas, a fabricante agregou design e tecnologia aos seus modelos. “É uma proposta de luxo diferente, com discrição e propósito, que começou a fazer a marca ser considerada por consumidores da faixa premium do mercado”, diz Teixeira.

A entrega de mais tecnologia e desempenho que a concorrência começou com o SUV de grande porte XC90, seguiu com a renovação do SUV médio XC60, que agregou mais pessoas à marca, e o salto definitivo veio com o lançamento este ano do SUV médio-compacto XC40, que trouxe 100% de novos clientes à rede que hoje soma 33 concessionárias – serão 35 até o fim deste ano. “As pessoas tinham a percepção que os Volvo eram mais caros e isso começou a mudar com a chegada de novos produtos com preços competitivos em relação à concorrência do mesmo segmento, sempre com a oferta mais completa que os competidores”, destaca o executivo.

Do segmento premium no Brasil, os SUVs médio-compactos representam quase um terço das vendas e o XC40 já abocanhou participação de 12,2%, é o segundo Volvo mais vendido no País com 31% dos emplacamentos da marca, 1,4 mil unidades de janeiro a setembro. O SUV médio XC60 domina quase um quarto das vendas da segunda maior fatia do mercado de veículos de luxo, que corresponde a 22,5% do total. Assim o XC60 segue sendo o campeão da Volvo com 44% das vendas no Brasil e quase 2 mil unidades emplacadas em nove meses.

DE VOLTA À BRIGA DOS SEDÃS MÉDIOS COM NOVO S60



Para Teixeira a marca poderá melhorar ainda mais seu desempenho em 2019 com seu retorno ao segmento de sedãs médios, do qual ficou afastado este ano à espera da nova geração do S60, recém-lançada nos Estados Unidos (leia mais aqui). O carro está previsto para chegar ao Brasil no meio do ano e vai recolocar a Volvo na briga pela terceira maior fatia do mercado premium, equivalente a 22% das vendas entre janeiro e setembro. Dentro dessa faixa a Volvo espera tomar ao menos 15%. De participação. “Apesar da onda de SUVs, segmento de sedãs ainda é importante”, recorda Teixeira.

A fabricante sueca aposta que o novo S60 tem diferenciais importantes para brigar com concorrentes de peso no segmento, caso do Audi A4, BMW Série 3 e Mercedes-Benz Classe C. “São carros com preços mais baixos (no segmento premium) e reconhecemos que têm muita tradição, é muito difícil brigar com eles, mas vamos tentar repetir o que fizemos com os SUVs, com oferta de mais conteúdo e tecnologia”, diz o diretor de marketing. Segundo ele, a taxa de recompra dos Volvo gira em torno de 30% da clientela, porcentual parecido com o da concorrência. “Não temos rejeição”, afirma.

“Se o S60 tiver bom desempenho podemos até ser líderes [do mercado premium]”, calcula Teixeira, com base nos números dos primeiros 10 dias de outubro, período em que a Volvo liderou as vendas do segmento.



Tags: Volvo Cars, mercado, vendas, projeção, sedã S60, SUVs XC40 XC60 XC 90.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência