Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
T-Cross dá novo fôlego à Volkswagen do Paraná
Primeiro SUV compacto fabricado pela VW do Brasil tem 4,2 m. Montadora investiu R$ 2 bilhões para a sua chegada

Lançamentos | 25/10/2018 | 23h55

T-Cross dá novo fôlego à Volkswagen do Paraná

Modelo entra em linha no começo de 2019, traz de volta o 2º turno e 500 funcionários

MÁRIO CURCIO, AB

Reportagem atualizada em 26/10 às 12h30.

A Volkswagen apresentou em um evento em São Paulo seu novo SUV compacto, o T-Cross. O carro começa a ser produzido em São José dos Pinhais (PR) entre janeiro e março de 2019. No segundo trimestre ele permitirá a reabertura do segundo turno de trabalho, marcando a volta de quase 500 pessoas em layoff (afastamento temporário) à unidade. Atualmente, a planta tem cerca de 2 mil trabalhadores e produz os Volkswagen Fox e Golf. Nessa fábrica são montados também os Audi A3 sedã e Q3.

“Além desses 500 trabalhadores o T-Cross vai favorecer toda a cadeia de fornecedores. Seu índice de nacionalização está acima de 70%”, afirma o presidente e CEO da Volkswagen América Latina, Pablo Di Si.

“A unidade paranaense foi ampliada em 5,5 mil metros quadrados e recebeu 270 novos robôs. O treinamento de pessoal somou cerca de 40 mil horas. Investimos aproximadamente R$ 2 bilhões”, recorda o executivo.



O novo modelo mundial da Volkswagen é montado sobre a plataforma MQB e foi apresentado simultaneamente na América do Sul, Europa e Ásia. Seu desenvolvimento levou cerca de quatro anos.

A versão montada no Brasil tem diferenças importantes para a europeia. Mede 4,2 metros. Sua distância entre eixos é de 2,65 m, ou 8,8 centímetros a mais que a do modelo para a Europa. Outras vantagens para o carro nacional estão na oferta de entrada USB e ar-condicionado para o banco traseiro, mais teto solar panorâmico.

Di Si preferiu não revelar a pretensão mensal de vendas do carro por causa das incertezas que cercam a economia, mas garante: “Vamos brigar pela liderança entre os SUVs compactos.” Isso implicaria uma média próxima de 3,8 mil carros por mês, calculada a partir do desempenho atual de seus rivais.

A Volkswagen terá ao seu lado o fator novidade e uma rede de cerca de 500 revendas, mas não será fácil colocar o T-Cross na ponta. Seus principais concorrentes (Honda HR-V, Hyundai Creta, Nissan Kicks e Jeep Renegade) são ligeiramente maiores e todos exceto o Renegade têm porta-malas mais espaçosos. O do T-Cross comporta apenas 373 litros com os bancos traseiros em posição normal. O volume sobe para 420 litros com o encosto do banco traseiro fixado quase na vertical, o que compromete o conforto dos passageiros.

PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS


A Volkswagen aposta na oferta de tecnologia para ganhar os consumidores brasileiros. Haverá motores 1.0 e 1.4, ambos com turbo e injeção direta de combustível. A versão de entrada terá câmbio manual e as mais completas, automático, sempre com seis marchas.

A Volkswagen divulgará versões e conteúdos no Salão do Automóvel. Preços, talvez só em 2019. A lista incluirá itens de segurança como detector de fadiga e frenagem automática pós-colisão. Todos trarão de série controle eletrônico de estabilidade, assistente de partida em rampa, auxílio à frenagem de emergência, monitoramento da pressão dos pneus, bloqueio automático do diferencial, seis airbags e luzes diurnas de LED. O suporte para celular no centro do painel com entrada USB de carregamento rápido também estará em toda a linha.


T-Cross nacional tem mais espaço no banco de trás que o europeu. Modelo é montado sobre a plataforma MQB. Aqui terá motores turbo 1.0 e 1.4 e câmbio manual ou automático. Porta-malas leva entre 373 e 420 litros de bagagem.

Os freios serão a disco nas quatro rodas em todas as versões, seja com rodas de 16 ou de 17 polegadas. Haverá a oferta de faróis totalmente em LEDs, som de 300 watts, central multimídia com tela sensível ao toque de oito polegadas, seletor do perfil de condução (com as opções normal, ecológica, esportiva e individual), quatro entradas USB e chave presencial.

MERCADO EXTERNO


De acordo com Di Si, as exportações para a Argentina começarão dois a três meses depois do início das vendas no Brasil, estimadas para abril. O modelo será enviado a outros países da região e também ao México.

É preciso dizer que a Volkswagen demorou demais para ter um SUV compacto produzido aqui. Atravessou quase toda a década apenas olhando novos concorrentes nacionais se somando ao Ford EcoSport. Hoje são pelo menos dez com tamanho semelhante. Sendo assim, a montadora não poderá pesar a mão no momento de estabelecer os preços. O sucesso do carro dependerá disso.



Tags: VW, Volkswagen, T-Cross, São José dos Pinhais, Pablo Di Si, Fox, Golf, Audi, A3, Q3, Honda, HR-V, Hyundai, Creta, Nissan, Kicks, Jeep, Renegade.

Comentários

  • Marco

    Bomdia. Faltou comentar o assunto mais importante: O preço sugerido de todas as versões Obrigado

  • MárioCurcio

    Marco, os preços não foram divulgados porque ainda falta um tempo para a chegada do carro à rede. Um abraço.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência