Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Montadoras elevam empréstimos do BNDES em 65% para investir

Negócios | 21/01/2019 | 18h34

Montadoras elevam empréstimos do BNDES em 65% para investir

Fabricantes de veículos financiaram R$ 6,32 bilhões com a instituição desde 2016 para aplicar nas operações locais

GIOVANNA RIATO, AB

O BNDES, Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, segue como a principal fonte de recursos para as montadoras que planejam investimentos no Brasil. Dados divulgados pela instituição mostram diversas empresas automotivas na lista dos maiores tomadores de empréstimos do banco na série histórica que começa em 2004, ao lado de empresas de energia, de construção civil e até de alguns estados brasileiros.



- Faça aqui o download dos dados de financiamento do BNDES
- Veja outras estatísticas em AB Inteligência



Mesmo diante da contração do mercado, entre 2016 e 2018 as fabricantes de veículos financiaram R$ 11,13 bilhões com o BNDES para realizar investimentos locais. O montante é 65% superior ao registrado nos três anos anteriores, o que indica que as montadoras já começavam a se preparar para o atual momento de recuperação das vendas.

Entre 2013 e 2015 apenas a FCA – Fiat Chrysler Automobiles e a CNH tomaram empréstimos do BNDES. Já nos últimos três anos, seis empresas contrataram financiamentos da instituição: FCA, Volkswagen (a única a tomar empréstimo do banco em 2018, no valor de R$ 878 milhões para modernizar a fábrica da Anchieta, no ABC), Renault, Scania, Ford e MAN Latin America - agora Volkswagen Caminhões e Ônibus.

PROJETOS DE EXPANSÃO


Quando analisada a série histórica completa, a FCA aparece como a montadora que mais tomou empréstimos do BNDES. No total a companhia financiou pouco mais de R$ 10 bilhões com o banco entre 2011 e 2016. Com este valor, a empresa fica na 10ª colocação no ranking geral, atrás de companhias como Petrobras e Embraer. O montante contratado pela empresa foi aplicado na construção da Polo Automotivo Jeep, em Goiana (PE), na modernização da fábrica do grupo em Betim (MG) e no desenvolvimento de novos produtos.

A Mercedes-Benz é a segunda fabricante de veículos que mais demandou recursos do banco de fomento. Foram R$ 5,9 bilhões em dois contratos, em 2010 e em 2013, aportados na divisão de caminhões, em projetos como a modernização da fábrica de São Bernardo do Campo (SP) e a transformação da planta de Juiz de Fora (MG) para a produção de veículos comerciais.

Uma série de outras fabricantes de veículos aparece na lista de companhias que financiam investimentos por meio do BNDES: CNH Industrial, Ford, Volkswagen, Renault, Scania, MAN, General Motors, Hyundai e Toyota.

INVESTIMENTO ATUAL DA GM NÃO ESTÁ NA LISTA


A GM é está entre as montadoras que anunciaram os investimentos mais generosos no Brasil nos últimos anos: um total de R$ 13 bilhões entre 2014 e 2019. Apesar do projeto ambicioso, a companhia não toma empréstimo do BNDES há um bom tempo, desde 2009. Com isso, não há qualquer sinal de que a empresa esteja captando recursos para dar suporte aos projetos anunciados.

É bastante improvável que a companhia, que acumula prejuízos importantes na América do Sul desde 2016, tenha recursos locais para investir em um plano de investimentos tão ambicioso. Soa ainda mais distante a possibilidade da matriz da GM estar destinando recursos para região mesmo com a operação deficitária.

Na verdade, pelo que a empresa divulgou nos últimos dias, acontece justamente o contrário: o CEO da montadora no Mercosul, Carlos Zarlenga, distribuiu um comunicado aos colaboradores dando indícios de que a companhia pode deixar o País caso um plano de cortes não seja adotado em 2019 para trazer de volta a lucratividade no Mercosul.



Tags: BNDES, financiamento, investimento, crédito.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência