Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
GM recria divisão América do Sul e põe Zarlenga no comando
Zarlenga: “A nova organização a GM na América do Sul vai dar mais agilidade e eficiência à operação”

Carreira | 28/02/2019 | 17h50

GM recria divisão América do Sul e põe Zarlenga no comando

Presidente da companhia no Mercosul agora vai supervisionar nove países sul-americanos

REDAÇÃO AB

A direção global da General Motors anunciou a recriação da divisão América do Sul (GM South America) – que foi criada originalmente em 2010 e fundida com a área internacional no fim de 2017, quando a companhia decidiu repartir suas operações globais em apenas duas divisões: GMNA (North America) e GMI (International).

Na quinta-feira, 28, a empresa confirmou a reconfiguração regional e colocou Carlos Zarlenga, desde 2017 presidente da GM Mercosul (Brasil e Argentina), na liderança da operação sul-americana. A partir de 1° de abril ele terá nove países sob sua supervisão: Chile, Colômbia, Equador, Peru, Bolívia, Paraguai e Uruguai somam-se aos dois que o executivo já dirigia.

Barry Engle, que em 2015 deixou a Ford para assumir a presidência da GM South America e em 2018 foi nomeado vice-presidente executivo da companhia e presidente da GM International, será agora responsável pela também recém-criada divisão GM Americas, que agrega todas as operações da América do Norte, Central e do Sul. Assim Zarlenga vai continuar a se reportar a Engle, que por sua vez segue se reportando diretamente a Mary Barra, presidente do conselho e CEO global do grupo.

Ernesto Ortiz, presidente da GM South America West (Chile, Colômbia, Equador, Peru, Bolívia, Paraguai e Uruguai), continua no cargo, mas passa a reportar-se para Zarlenga.

APOIO FORTALECE ZARLENGA



“Carlos foi o responsável pela unificação das operações de Argentina e Brasil na GM Mercosul em 2017, explorando sinergias, acelerando o processo de decisão e otimizando resultados na região. Sua experiência, conhecimento técnico e capacidade de liderar o time em momentos cruciais da história recente da empresa na região o credenciam como o executivo certo para assumir esta importante responsabilidade, no momento em que a GM continua simplificando sua estrutura, buscando eficiências e reorganizando o modelo de negócio”, afirma Barry Engle em comunicado distribuído pela empresa.

Dessa forma a GM parece confirmar apoio e fortalecer a gestão de Zarlenga, que em janeiro passado enviou e-mail aos funcionários declarando que a empresa passava por momento difícil no Mercosul, com prejuízos acumulados nos últimos anos que não poderiam mais se repetir, dando início a duras negociações de cortes de custos com empregados, fornecedores e governo. Logo após apresentar o plano de reestruturação, a GM anunciou que negocia novo programa de investimentos de R$ 10 bilhões no Brasil para o período 2020-2024, em continuação ao programa de R$ 13 bilhões de 2015 a 2019.

“A nova organização vai dar mais agilidade e eficiência à operação na América do Sul”, disse Zarlenga em comunicado. “Conto com a experiência e profundo conhecimento de mercado de Ernesto Ortiz na missão de conduzir o negócio e manter a liderança da marca Chevrolet há mais de 17 anos na região”, acrescentou.

Cidadão argentino/espanhol, 45 anos, economista graduado pela Universidade Belgrano em Buenos Aires, Carlos Zarlenga assumiu a presidência da GM Mercosul em janeiro de 2017, quando já era presidente da GM Brasil, desde 2016. Anteriormente foi o chefe de finanças (CFO) da GM América do Sul (2013-2016). Ele também atuou como vice-presidente e diretor financeiro da GM Coreia (2012-2013).



Tags: GM América do Sul, GMI International, General Motors, Carlos Zarlenga, Mercosul, carreira.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência