Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Volvo reafirma projeção de mercado de 20% a 30% maior este ano
Alcides Cavalcanti: confiança na continuação de renovação de frotas

Comerciais | 16/04/2019 | 16h37

Volvo reafirma projeção de mercado de 20% a 30% maior este ano

Movimento de renovação de frotas deve sustentar vendas de caminhões em alta

PEDRO KUTNEY, AB | De Itu (SP)

Apesar das constantes revisões para baixo de crescimento do PIB este ano, a Volvo segue trabalhando com a perspectiva de que o mercado de caminhões pesados e semipesados deve crescer de 20% a 30% em 2019. No primeiro trimestre, as vendas desse segmento foram 46% maiores do que no mesmo período de 2018, com alta de 67% para modelos pesados e de 30% para semipesados, pontua Alcides Cavancanti, diretor de comercial da Volvo Brasil.

“Em 2018 vimos que o agronegócio sustentou o mercado. Este ano há um forte movimento de renovação de frotas, porque já fazia alguns anos que muitos transportadores não renovavam e agora estão fazendo isso”, explica Alcides Cavalcanti.



O executivo lembra ainda que também ajuda a aquecer o mercado o acesso facilitado ao crédito dos bancos privados, com redução da dependência das linhas subsidiadas do BNDES, que até 2014 foram responsáveis por cerca de 80% das vendas de caminhões no País. “Com a inflação e os juros baixos e estáveis, as linhas de CDC ficaram muito competitivas, com taxas de 10% a 11% ao ano”, diz. Segundo ele, também aumentaram bastante as compras à vista: “É porque no movimento de renovação o frotista vende o usado e usa o recurso para comprar o novo”.



FILA DE ESPERA MENOR



Devido ao forte fluxo de pedidos iniciado no segundo semestre do ano passado, a Volvo terminou 2018 com fila de espera pelos seus caminhões pesados FH que chegava a oito meses. No começo deste ano a empresa contratou mais 270 funcionários para acelerar o segundo turno na fábrica de Curitiba (PR). Também conseguiu reduzir o gargalo causado pela limitação de componentes importados da transmissão automatizada I-Shift. Com isso, segundo Cavalcanti, o prazo de entrega dos pesados da linha F caiu para 60 a 90 dias, e dos semipesados VM pra no máximo no máximo 60 dias.

“O problema é que os mercados dos Estados Unidos e Europa estavam em forte alta e com boas margens, então ganharam a disputa pelos componentes que precisávamos, porque aqui as vendas também cresceram, mas as margens eram bem menores”, explica Cavalcanti. “Com a queda de exportações para Oriente Médio e África este ano estamos conseguindo importar mais e reduzimos esse gargalo.”

Outro fator que ajudou a reduzir o tempo de espera pelos caminhões Volvo foi a queda nas exportações para a Argentina, com mercado reduzido à metade, enquanto as vendas para Chile e Peru permanecem estáveis.

DE OLHO NO ESPAÇO DA FORD



Cavalcanti admite que a Volvo também está de olho no espaço deixado pela Ford, que anunciou sua retirada do mercado de caminhões e o encerramento da operação na fábrica de São Bernardo do Campo (SP). “Podemos pegar com o VM até 20% dos volumes de modelos 6x2 e 6x4 da Ford”, ele estima.

Mas o executivo afirma que não tem interesse pelo mercado de entrada, formada por modelos 6x2 que correspondem a cerca de 25% das vendas de semipesados. “Não estamos nesse segmento e não estamos interessados em entrar”, diz.

A partir da renovação da linha F de caminhões Volvo, com introdução de novas tecnologias para redução de consumo, Cavalcanti avalia que a marca pode retomar a liderança do mercado de pesados, perdida para a Mercedes-Benz no ano passado.

“Este é um segmento muito sensível a economia de combustível, produtividade e valor de revenda. Conseguimos aprimorar essas qualidades com a nova linha F e queremos retomar a liderança do segmento de pesados”, afirma o diretor comercial.

Como exemplo, Cavalcanti destaca que o Volvo FH 540, apesar de ser o caminhão mais caro do País (R$ 550 mil), foi em 2018 o modelo pesado mais vendido e assim segue sendo no primeiro trimestre, com o emplacamento de pouco mais de 1,4 mil unidades de janeiro a março. “Isso comprova o quanto o frotista profissionalizado deste segmento faz contas para muito além do preço de aquisição.”



Tags: Volvo, caminhões, vendas, mercado, projeção.

Comentários

  • ClaudecirBuozi

    Tenhocerteza que a Empresa Volvo vai continuar sendo a melhor empresa brasileira na venda de caminhoes e a melhor empresa para se trabalhar.

  • Franciscode Assis Inocêncio

    Essesindicadores demonstram a reação natural do mercado, mesmo com as contribuições negativas da esfera política brasileira. Esse é o mundo real!

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência