Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Custo de produção no México é 18% menor do que no Brasil

Indústria | 07/05/2019 | 19h26

Custo de produção no México é 18% menor do que no Brasil

Anfavea apresenta estudo comparativo para propor ao governo medidas de combate à falta de competitividade

SUELI REIS, AB

Produzir um carro no México custa 18% mais barato do que fazer o mesmo modelo no Brasil. É com essa conclusão que a Anfavea, associação nacional das fabricantes de veículos, apresenta um estudo de comparação de custo de produção entre os dois países a partir de um levantamento feito pela PwC e encomendado pela própria entidade a fim de identificar os principais gargalos que abalam a competitividade brasileira.



- Faça aqui o download do estudo Comparativo da competitividade dos mercados automotivos de Brasil e México
- Veja outras estatísticas em AB Inteligência



Segundo o presidente da entidade, Luiz Carlos Moraes, que conduziu a apresentação durante uma coletiva de imprensa na segunda-feira, 7, em São Paulo, o material já foi apresentado ao Ministério da Economia. Segundo o executivo, o objetivo é comparar os custos de produção de cada país e com isso traçar metas junto ao governo para que possam melhorar a competitividade brasileira, elevando as exportações e a participação de produtos nacionais no mercado global.

O índice considera apenas o custo de produção, ainda sem margem ou tributos. Uma das principais queixas da Anfavea é justamente o efeito tributário brasileiro sobre os custos de produção. Enquanto o México possui apenas um tipo de imposto, o IVA - Imposto sobre Valor Agregado na faixa de 16% - no Brasil, a indústria conhece muito bem as siglas ICMS, PIS/Cofins e IPI, cada um com uma alíquota diferente ao longo da cadeia e algumas com variação para cada tipo de motorização.

Segundo o levantamento, o custo de um veículo no Brasil pode ficar entre 37 p.p. e 44 pontos porcentuais acima do custo de um veículo similar feito no México quando considerados os impostos. O custo Brasil de produção é cerca de 18 p.p. maior que o do México materiais e na logística encarecem o produto brasileiro, segundo o estudo.

“México e Brasil são países com aspectos socioeconômicos bastante similares, mas com perfis comerciais distintos”, reforça o presidente da Anfavea.

Moraes assinala que a ideia de propor sugestões ao governo a partir do documento diz respeito a assuntos não contemplados pelo Rota 2030. “Queremos atacar as dimensões relacionadas a carga tributária, não imediatamente, porque o País não permite neste momento, mas queremos tratar a longo prazo. Acordos bilaterais e logística também temos que resolver para ter alguma chance de competir com o México e diminuir esse gap”, disse.

DOIS PAÍSES, DUAS REALIDADES


Feito a partir de dados fornecidos por cinco montadoras, o estudo abrange diferentes aspectos da indústria automotiva brasileira e mexicana e suas respectivas particularidades. Para a Anfavea, a relevância de analisar um mercado como o do México é dada a partir de sua importância para as exportações brasileiras: é o segundo maior destino de veículos feitos aqui, perdendo apenas para a Argentina. Já na mão contrária, o Brasil é sexto maior destino de veículos feitos no México, que exporta mais para os Estados Unidos, Índia, Japão, Alemanha e Tailândia, considerando os dados utilizados no estudo, que são de 2017.

No México, as exportações são baseadas em produtos manufaturados de maior valor agregado e têm um papel fundamental na economia local: o país possui doze tratados de livre comércio com 46 países, além de 32 acordos bilaterais. O Brasil computa tratados de livre comércio com 11 países e 21 países envolvidos em acordos bi e multilaterais. Para o México, a indústria automotiva figura como o principal tipo de produto enviado para outros mercados: automóveis, autopeças e caminhões ocupam respectivamente o primeiro, segundo e terceiro lugar no ranking de itens mais exportados, somando 22,8% do total exportado em 2017.

Por sua vez, a maior parte das exportações do Brasil são concentradas em commodities, como soja, minério de ferro e petróleo, que responderam por 27,1% das exportações em 2017. Os automóveis só aparecem na 11ª posição deste ranking, com 1,8% de participação do volume total exportado pelo País.

Historicamente, a indústria mexicana se caracteriza por alta ocupação e elevadas exportações. Os dados apontam que a produção mexicana chegou a 3,9 milhões de veículos no último ano, com ocupação na faixa dos 88%. No Brasil, o volume foi de 2,7 milhões de unidades e ocupação de 60%.

O aumento consistente da produção da indústria mexicana é consequência do desempenho positivo da economia americana (+2,2% a.a. do PIB nos últimos 5 anos) e também a melhora da economia doméstica. O aumento de poder de compra tanto do americano como do mexicano permitiu o aumento das vendas de automóveis nestes mercados. Um destaque – e desafio para o Brasil - é o crescimento das importações e da participação de veículos usados dos EUA no mercado mexicano, competindo diretamente com veículos produzidos do Brasil.



Tags: Custo Brasil, México, estudo, pesquisa, governo, Anfavea, Luiz Carlos Moraes.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência