Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Empresas de autopeças apostam em alta de até 25% nos próximos 5 anos

Indústria | 27/05/2019 | 12h00

Empresas de autopeças apostam em alta de até 25% nos próximos 5 anos

Estudo realizado por AB e Reed Exhibitions indica otimismo para o médio prazo

GIOVANNA RIATO, AB

A cadeia de valor automotiva enfrentou momentos difíceis no Brasil nos últimos anos como consequência das dramáticas quedas na produção de veículos. Agora, no entanto, a projeção para o médio prazo é otimista, conforme apurado na pesquisa O Horizonte para a Indústria de Autopeças, realizada por Automotive Business em parceria com a Reed Exhibitions. Segundo o estudo, a maior parte das empresas do segmento (45%) apostam em expansão de 16% a 25% do mercado brasileiro de autopeças nos próximos cinco anos.

O estudo buscou mapear como as empresas de autopeças foram afetadas pela recente crise, suas expectativas para a recuperação do mercado e a visão sobre inovação. As conclusões foram apresentadas com exclusividade no ABX19 – Automotive Business Experience, evento que reuniu 2 mil lideranças de empresas automotivas em São Paulo na segunda-feira, 27.



- Faça aqui o download da pesquisa O Horizonte para a Indústria de Autopeças
- Veja outras estatísticas em AB Inteligência



O EFEITO DA CRISE


A crise que contraiu as vendas da indústria automotiva nos últimos anos teve consequências severas para a cadeia de autopeças. Dos respondentes da pesquisa 52% apontam que houve queda no faturamento das empresas em que trabalham durante a crise. Para 20% a situação foi de estagnação. Para 57% dos respondentes, a crise teve impacto negativo sobre a saúde financeira da organização, aumentando ou gerando endividamento.

Parcela de 28% apontam que foram capazes de registrar expansão das receitas mesmo no cenário adverso. A maior parte dos entrevistados, 59%, apontou que o principal impacto negativo da crise foi a redução da margem de contribuição – o montante que sobra da receita das vendas dos produtos e serviços e é usado para pagar os custos fixos e gerar lucro. Outro efeito importante foi a paralisação dos investimentos em inovação, algo sinalizado por 48% dos entrevistados.

O contexto negativo, não impediu que os respondentes identificassem efeitos positivos da crise. O principal deles foi a redução de custos. Os gestores que participaram da pesquisa indicaram em seguida o enxugamento das equipes, sem levar em conta os custos sociais das demissões. A abertura da novos clientes e mercados também figura na lista dos improváveis efeitos positivos do momento complicado.

EXPECTATIVAS PARA OS PRÓXIMOS ANOS


Ainda que a recuperação da economia não tenha indicado consistência, a visão das pessoas que trabalham em empresas de autopeças se mostrou otimista para 2019. Para 87%, haverá crescimento nas vendas este ano - e 69% afirmam que esta expansão deve chegar a 15%. O panorama para a contratação de pessoas não é tão positiva: para 31% o quadro de funcionários deve se manter estagnado.

Questionados sobre a perspectiva para os próximos cinco anos, a maior parte dos respondentes, 45%, esperam que os mercado brasileiro de autopeças cresça entre 16% e 25%. Entre os entrevistados, ninguém apontou esperar contração dos negócios. As apostas também são positivas para as exportações, com 31% dos entrevistados convictos de que as vendas externas avençarão de 6% a 15% no mesmo período.

INOVAÇÃO É DESAFIO


Mesmo diante do avanço da transformação digital, boa parte da cadeia de autopeças demonstrou ter visão ainda restrita quando o assunto é inovação. Entre os entrevistados, 16% declararam que as novas tecnologias digitais não são vistas como um fator relevante para a organização em que trabalham – o número está longe de representar a maioria, mas ainda assim é alarmante pela relevância do tema.

Apenas 26% dos respondentes apontaram que suas empresas investem amplamente em tecnologias digitais, que estão inseridas em toda a estratégia da marca. Já 35% indicaram que as empresas em que atuam não geram novas receitas com soluções inovadoras.

Por outro lado, 25% dos entrevistados apontam estar criando faturamento com serviços que há pouco não existiam e 20% estão obtendo receitas com novos produtos tecnológicos.



Tags: autopeças, mercado, pesquisa, Reed Exhibitions.

Comentários

  • NardeliLasaro da Mota

    OMercado Automotivo peças. Creio no crescimento gradualmente com retomada da economia e aquecimento da indústria.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência