Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado | 17/07/2019 | 20h08

Grupo Renault apura queda de 6,7% em vendas globais do semestre

China, Argentina e Rússia puxam resultado para baixo; Brasil é um dos poucos onde a marca ainda cresce

REDAÇÃO AB

O Grupo Renault registrou queda de 6,7% de suas vendas globais no primeiro semestre, ao entregar pouco mais de 1,93 milhão de veículos, resultado que também inclui as marcas Dacia, Lada, Alpine, a joint venture Jimbei & Huasong (China) e a Renault Samsung Motors. Apesar do desempenho negativo, a companhia reforça que sua perda foi menor que a do mercado global total, que encolheu 7,1% no mesmo período.

Na Europa, a empresa observou uma estabilidade técnica dos volumes, com leve queda de 0,9% enquanto o mercado local apresentou retração de 3%. Já os mercados fora do bloco europeu seguiram a tendência de retração mais acentuada.


As vendas globais do grupo foram prejudicadas principalmente pela na China, com vendas 23,7% menores, pela Rússia, segundo maior mercado da companhia no mudo (atrás da Europa) e onde as entregas diminuíram 0,9%. A marca também sofreu as consequências de um mercado enfraquecido na Argentina, cuja crise abala o setor automotivo como um todo a partir de uma retração total de 50,2%, e também pela Turquia, onde a indústria automotiva registrou retração de quase 49% na primeira metade do ano.

“Na segunda metade do ano, vamos nos concentrar nos lançamentos do novo Clio e do novo ZOE na Europa, no Arkana na Rússia, Triber na Índia e no Renault City K-ZE na China”, disse o membro do comitê executivo, diretor comercial e regional do Grupo Renault, Olivier Murguet.



TUDO VAI BEM NO BRASIL. PARA A RENAULT.


O Brasil é um dos poucos mercados no mundo onde a Renault ainda cresce. Por aqui, a marca superou a recuperação do mercado, que subiu 10,5% nos seis primeiros meses do ano. Com vendas de 112,8 mil veículos, as entregas aumentaram 20,2%, o que garantiu uma alta de 0,7 pontos porcentuais, elevando a participação para 9,1%. Em junho, o País figurou como o quinto maior mercado para o grupo, atrás de França, Rússia, Alemanha e Itália.

Segundo a Renault, o desempenho positivo se deve principalmente às boas vendas do compacto Kwid, com mais de 40,5 mil unidades emplacadas no período, um aumento de 36,5% tornando o modelo o quinto mais vendido no primeiro semestre.

Em seu relatório de balanço do primeiro semestre, ao comentar sobre as perspectivas para 2019, o Brasil é o único mercado onde o Grupo Renault espera um crescimento total das vendas de veículos, na faixa dos 8% sobre 2018.

Com relação às vendas mundiais do segmento, a companhia espera queda em comparação com o ano passado, embora não mencione o índice. Para a Europa, a expectativa é de um mercado estável, excluindo o Brexit, e na Rússia as vendas devem cair entre 2% e 3%.



Tags: Grupo Renault, vendas globais, China, Brasil, Rússia, Argentina.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência