Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Grupo VW apura lucro operacional 10% maior no semestre

Balanço | 25/07/2019 | 19h03

Grupo VW apura lucro operacional 10% maior no semestre

Ganhos vão a € 8,9 bilhões contra € 8,2 bi de mesmo período de 2018

REDAÇÃO AB

O Grupo Volkswagen reportou lucro operacional 10,3% maior no primeiro semestre, informa em comunicado divulgado na quinta-feira, 25. Os ganhos atingiram € 8,9 bilhões contra os € 8,2 bi registrados em mesmo período do ano passado. O retorno operacional das vendas subiu de 6,8% para 7,2% na mesma base de comparação. O faturamento subiu 4,9%, para € 125,1 bilhões, apesar das vendas globais terem recuado 2,8% no período, chegando a 5,4 milhões de veículos entregues, considerando leves e pesados.

Segundo a companhia, a receita de vendas foi impulsionada pela melhoria do mix dos produtos, pela política de reposicionamento de preços no segmento de automóveis e também pelo bom desempenho dos negócios na divisão de serviços financeiros e do Grupo Traton, que agrega as marcas de veículos comerciais pesados Volkswagen Caminhões e Ônibus (VWCO), MAN e Scania.

O lucro operacional antes de itens especiais melhorou em 1,9% para € 10 bilhões sobre os € 9,8 bi de um ano antes. Neste caso, além do mix e política de preços, custos adicionais, como os recursos destinados à questão do dieselgate, foram menores nesta primeira metade do ano, sendo a soma desses fatores mais que suficientes para compensar os custos fixos mais altos, além da desvalorização cambial, que aqui também se aplica, e as vendas mais baixas já mencionadas.

Itens especiais, como é chamado o custo total com pagamentos relacionados ao escândalo do dieselgate, diminuiu neste primeiro semestre ao somar € 981 milhões. Há um ano, esse valor era de € 1,6 bi.

“No primeiro semestre do ano, o Grupo Volkswagen teve um desempenho muito bom em um mercado que em geral está mais fraco. O desenvolvimento da receita de vendas e lucro nos primeiros seis meses é gratificante. Também confirmamos nossas perspectivas para o ano”, disse em nota o membro do conselho e responsável pelas finanças, Frank Witter.

O executivo reforçou que o Grupo espera que as vendas globais de 2019 fiquem levemente acima do volume de 2018, que foi de 10,8 milhões de unidades, o que também foi um crescimento pequeno ante o ano anterior, de 0,9%. Em termos de receita, a companhia estima crescimento, mas não acima dos 5%.

RESUMO DAS MARCAS




Entre as principais marcas do grupo, a receita da marca Volkswagen aumentou 3,4% em relação ao primeiro semestre do ano anterior, para € 44,1 bilhões, enquanto o lucro operacional (antes de itens especiais) subiu 9,5%, para € 2,3 bilhões.

Na Audi houve um declínio de 7,8% da receita de vendas ao somar € 28,8 bilhões. Com isso, o lucro operacional diminuiu 17,8%, para € 2,3 bilhões (mesmo valor da marca Volkswagen). Desenvolvimento de modelos, menores volumes de vendas relacionados à nova lei de medição de emissões WLTP na Europa, bem como maior gasto inicial com novos produtos e tecnologias são citados como motivos para o desempenho menor da marca, além de custos fixos e efeitos de taxas de câmbio, embora o mix de produtos tenha diminuído o impacto negativo.

Por sua vez, a Porsche aumentou a receita em 9% ao contribuir com € 12,2 bilhões. Seu lucro operacional subiu 2,5%, para € 2,1 bilhões, graças ao aumento de vendas globais, embora as taxas de câmbio tenham impactado de forma negativa. No primeiro semestre, a Porsche foi multada em € 535 milhões no processo do dieselgate. O valor está incluso nos € 981 milhões reportados pelo grupo.

Na divisão de veículos comerciais, tanto a VWCO como a Scania e a MAN registraram crescimento do faturamento graças ao aumento das vendas das três marcas no primeiro semestre.

A receita da Volkswagen Caminhões e Ônibus subiu 2,6%, para € 6,5 bilhões e apesar dos volumes maiores, custos de produto mais baixos e margens melhoradas, o lucro operacional diminuiu 10,8%, para € 506 milhões, principalmente devido aos maiores custos fixos e de desenvolvimento, bem como à deterioração do mix de produtos.

A Scania elevou a receita em 12,7%, para € 7,1. O lucro operacional melhorou 34% ao atingir os € 828 milhões, resultado atribuído à alta das vendas, ao melhro resultado no negócio de peças e serviços, além de efeitos favoráveis do mix e de taxas de câmbio, que juntos compensaram o aumento de custos.

Já a MAN terminou o semestre com faturamento de € 6,3 bilhões, incremento de 8,6% no comparativo anual. Já o lucro operacional recuou 3,8% ao fechar em € 248 milhões: segundo o relatório, a alta das vendas e a margem compensaram as despesas de desenvolvimento para a nova geração de caminhões e ônibus, além do aumento de custos e efeitos negativos da taxa de câmbio.



Tags: Grupo VW, Volkswagen, balanço, lucro, Audi, Porsche, Grupo Traton, VWCO, Scania, MAN, caminhões, ônibus, dieselgate.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência