Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
AT Kearney refina proposta de elevar Reintegra para incentivar exportações
Para Mark Assle, é preciso mostrar ao governo que Reintegra não representa renúncia fiscal (foto: Ruy Hizatugu)

Indústria | 19/08/2019 | 12h32

AT Kearney refina proposta de elevar Reintegra para incentivar exportações

Consultoria pretende mostrar ao governo que alíquota de 10% propiciará aumento de exportações e arrecadação de impostos

REDAÇÃO AB

A consultoria AT Kearney está refinando o estudo encomendado pela associação de fabricantes de veículos, a Anfavea, sobre o impacto da elevação do Reintegra para incentivar as exportações, que deverá ser apresentado ao governo como argumento para aprovar a proposta de aumentar a restituição de impostos embutidos nas vendas externas. Em palestra no Workshop Planejamento Automotivo, #ABPLAN2020, realizado por Automotive Business na segunda-feira, 19, no WTC Events Center, em São Paulo, o sócio da consultoria Mark Essle disse que o detalhamento do estudo estará concluído em dois a três meses.

“Fizemos uma panorâmica sobre os benefícios do Reintegra e agora estamos passando um pente fino em todos os pontos”, explicou Essle em palestra “O Caminho para o Brasil acelerar exportações”.

O setor automotivo, por intermédio da Anfavea, pleiteia o estabelecimento de um índice de 10% sobre o faturamento das vendas externas como forma de restituição do resíduo tributário nas exportações. Pela regulamentação do Reintegra esse porcentual pode chegar a até 5%, mas atualmente limita-se a insignificante 0,1%. A ideia é convencer a área econômica do governo que essa devolução seria menor do que as receitas geradas pela elevação das exportações.

“O Reintegra está na geladeira. É preciso mostrar ao governo que esse programa não representa renúncia fiscal, mas sim a perspectiva de aumento de arrecadação de impostos”, ressalta Essle.



O estudo da AT Kearney indica que a indústria automobilística brasileira poderia ampliar suas exportações para 1 milhão de unidades/ano se conseguisse zerar o gap de competividade de 18% que tem hoje em relação a países como o México.

“Se tivéssemos um Reintegra com alíquota de 10%, poderíamos ampliar as exportações e adicionar perto de R$ 8,4 bilhões em impostos. Com o aumento da produção (para atender os clientes no exterior) geraríamos 120 mil novos empregos na cadeia, com perspectiva de movimentar a economia como um todo”, defende o executivo.

O sócio da AT Kearney chamou todos os presentes no auditório do evento a se engajarem pela volta do Reintegra. “Se fizermos um esforço setorial, se conseguirmos mostrar ao governo os benefícios do programa, daremos uma injeção de ânimo no setor. Uma alíquota de 10% propiciaria uma reação de curto prazo, com resultados já dentro de dois a três anos.”



Tags: Reintegra, AT Kearney, exportações, Mark Essle, arrecadação, Workshop Planejamento Automotivo 2020, ABPLAN 2020.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência