Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Rota 2030: conselho gestor elege instituições para gerenciar projetos prioritários das autopeças

Legislação | 16/09/2019 | 20h56

Rota 2030: conselho gestor elege instituições para gerenciar projetos prioritários das autopeças

Programas receberão recursos que antes eram destinados ao pagamento de imposto de importação de ex-tarifários

SUELI REIS, AB

O Conselho Gestor do Rota 2030 selecionou as cinco instituições que irão receber os recursos previstos pelo Regime de Autopeças Não Produzidas e que são provenientes do que antes era destinado ao pagamento do imposto de importação especial de 2% cobrado sobre componentes sem produção nacional no regime de ex-tarifários. Conforme previsto na nova política industrial, agora esses recursos deverão ser destinados a essas instituições, que deverão direcioná-los aos programas e projetos prioritários (PPPs) dedicados à cadeia brasileira de autopeças.

As empresas e instituições indicadas ainda não foram confirmadas: a expectativa é de que a portaria que confirme o credenciamento de cada uma delas deva ser publicada ainda esta semana, segundo uma fonte da Secretaria de Desenvolvimento da Indústria, Comércio, Serviços e Inovação (SDIC, antigo MDIC, e integrada ao Ministério da Economia).

INSTITUIÇÕES SELECIONADAS


Os projetos prioritários vão trabalhar em cinco âmbitos da indústria de autopeças: para coordenar o primeiro deles, o programa Alavancagem de Alianças para o Setor Automotivo (A3), o conselho escolheu o Senai, Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial, cuja proposta apresentada prevê uma metodologia baseada no desenvolvimento de competências com capacitação de gestores, prática e prova de conceitos para produtividade. Entre os objetivos, a instituição prevê desmitificar a aplicação de conceitos de produtividade e digitalização (internet das coisas em nível industrial) e indústria 4.0 para as empresas fornecedoras do setor automotivo.

A Embrapii, Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial, também é uma das entidades que apresentou propostas ao Conselho Gestor dos PPPs e foi escolhida para gerir o Programa P&D para Mobilidade e Logística, com o objetivo de apoiar e fortalecer as atividades de pesquisa, desenvolvimento e inovação do segmento. A instituição já possui amplo trabalho junto às empresas do setor voltado ao desenvolvimento de produtos.

A coordenação pela Embrapii havia sido praticamente adiantada por seu diretor de planejamento e gestão, José Luis Gordon, ao participar do Simea, Simpósio da Engenharia Automotiva, realizado no último dia 22 de agosto em São Paulo.

Por sua vez, a Fundep, Fundação de Desenvolvimento da Pesquisa, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), foi indicada para coordenar dois programas: o de Ferramentaria, cuja proposta prevê habilitar competências e reestabelecer a competitividade das ferramentarias brasileiras e certificá-las como fornecedores globais de ferramentas de alto valor agregado e integradas à indústria 4.0, e o de Propulsão, Biocombustíveis e Segurança Veicular, que tem como base o desenvolvimento de tecnologias para cada uma dessas áreas.

No programa de financiamentos de inovação e pesquisa, a Finep, empresa pública vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicação, apresentou seu projeto ao Conselho Gestor visando apoio a projetos estratégicos de desenvolvimento de produtos, processos e serviços inovadores da cadeia automotiva. Sua proposta envolve cinco linhas de atuação divididos em gestão operacional/financeira e assessoria do comitê técnico para os projetos de inovação de empresas que abrangem toda a cadeia, inclusive startups.



Tags: Rota 2030, autopeças, pesquisa e desenvolvimento, programas prioritários.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência