Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
GM inaugura outra fábrica de motores em Joinville, quatro vezes maior
Diferença grande: a nova fábrica de motores da GM em Joinville ocupa a área do telhado mais claro, que cobre 174 mil m2, contra 14 mil m2 da primeira planta

Indústria | 22/10/2019 | 17h10

GM inaugura outra fábrica de motores em Joinville, quatro vezes maior

Nova linha instalada em 61 mil m2 recebeu investimento de R$ 1,9 bilhão; antiga planta está desativada

PEDRO KUTNEY, AB | De Joinville (SC)

Após quase três anos do início das obras, a General Motors inaugurou oficialmente outra fábrica de motores em Joinville (SC), quatro vezes maior que a primeira aberta em fevereiro de 2013 com aporte de R$ 350 milhões. A nova unidade recebeu investimentos de R$ 1,9 bilhão e começou a operar há cerca de um mês, produzindo a moderna linha de motores tricilíndricos 1.0 (aspirado e turbinado) que equipa a nova família Onix produzida em Gravataí (RS) – o sedã foi lançado em setembro e o hatch será em novembro.

Localizada bem ao lado, a antiga planta de 14 mil metros quadrados foi desativada e a produção dos motores 1.4 e 1.0 de quatro cilindros que eram feitos lá foi integralmente transferida para o complexo industrial da GM em São José dos Campos (SP), que já produzia os mesmos modelos e também a versão 1.8. A velha geração de propulsores, com mais de 30 anos de mercado recebendo algumas atualizações, seguirá equipando a geração anterior do Onix, na linha de entrada Joy, e tende a ser gradualmente encerrada nos próximos anos, conforme a demanda.

A nova fábrica ocupa área de 174 mil metros quadrados e tem capacidade para produzir até 410 mil motores por ano – quase duas vezes e meia mais do que a antiga planta que chegou ao pico de 174 mil/ano. Além dos modelos de 1 litro, até o próximo ano as versões 1.2 três-cilindros aspirada e turbinada também deverão entrar em produção em Joinville.

“A fábrica de Joinville, que já era uma das mais modernas e sustentáveis do mundo, agora é uma das operações de motores com o maior nível de automação, o que foi viabilizado com os investimentos recentes”, disse Marcos Munhoz, vice-presidente da GM América do Sul.



Durante a cerimônia de inauguração oficial na terça-feira, 22, o executivo que se aposenta da GM no fim deste ano lembrou que participou das negociações para a instalação da fábrica de motores em Joinville, no início da década. “Começamos com capacidade de 120 mil/ano e chegamos a 140 mil alguns anos depois com investimentos em produtividade. Mas nada se compara ao que fizemos agora, com investimento muito maior que deu origem a uma planta com alto nível de automação e qualidade”, destacou.

FÁBRICA 4.0




Linha de usinagem de blocos na nova fábrica de motores da GM em Joinville: alto nível de automação

Quase todas as operações na nova fábrica da GM são robotizadas e interligadas em rede digital, no conceito de manufatura 4.0, em que os equipamentos se comunicam entre si, geram pedidos de componentes e regulam o fluxo produtivo. São duas linhas de usinagem para blocos, outras duas para cabeçotes – os componentes de alumínio fundido são fornecidos pela Nemak, de Minas Gerais – e uma linha de montagem final.

Todas as linhas de usinagem são automáticas de ponta a ponta, robôs colocam e tiram as peças de cada etapa dentro das máquinas CNC. O abastecimento e retirada de componentes prontos é feita por meio de empilhadeiras autoguiadas, que são chamadas pelos funcionários com um simples toque de um botão para trazer peças ou buscá-las para encaminhamento à montagem final. Todas as partes usadas na produção são rastreadas, de forma que é possível saber em qual parte do processo e em qual motor está cada uma.

Segundo a GM, construir a nova fábrica consumiu 410 mil horas de trabalho para instalar 627 equipamentos, incluindo 90 robôs. Foram recebidos 512 contêineres de 15 países com máquinas e componentes para a planta. A produção seriada encontra-se em fase gradual de aceleração, em apenas um turno e ainda com poucas dezenas de funcionários na operação.

A planta de Joinville também é reconhecida por sua sustentabilidade ambiental. Parte da energia consumida é solar, gerada por painéis fotovoltaicos instalados no teto – que também abastecem duas escolas vizinhas. No interior da fábrica as luminárias de LED são autorreguláveis, aumentando ou baixando a intensidade conforme a necessidade. Todos os resíduos industriais e orgânicos são reciclados e tratados, nada é enviado a aterros. As águas das chuvas são reaproveitadas e tratadas por osmose, sem produtos químicos.



Tags: GM, General Motors, motores, Joinville, investimento, fábrica, indústria, produção.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência