Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
São Paulo terá rede de recarga ultrarrápida para carros elétricos
A partir da esquerda: Andreas Marquardt (Porsche), Johannes Roscheck (Audi), Eduardo Sousa (Eletric Mobility), Pablo Di Si (VW), Antonio Mexia (CEO global EDP), André Clark (Siemens), Miguel Setas (EDP), Rafael Paniagua (ABB)

Serviços | 22/10/2019 | 20h02

São Paulo terá rede de recarga ultrarrápida para carros elétricos

Projeto de R$ 32,9 milhões une empresas automotivas e de energia para a instalação de 30 eletropostos em até três anos

SUELI REIS, AB

Sete empresas dos setores automotivo e elétrico se uniram em um consórcio para criar a primeira rede de recarga para carros elétricos em São Paulo. Liderado pela EDP, empresa do ramo de energia, o projeto prevê o investimento de R$ 32,9 milhões pelos próximos três anos para a instalação de 30 pontos de recarga (eletropostos) ao longo de rodovias do Estado (veja a relação das rodovias no fim do texto). Do valor total anunciado, 80% serão aplicados pela própria EDP, enquanto os demais 20% serão aportes das demais parceiras. Enquanto a ABB, Electric Mobility e Siemens vão fornecer a tecnologia de carregamento, Audi, Porsche e Volkswagen vão realizar os testes com os seus veículos elétricos para fins de homologação da infraestrutura. O Gesel, Grupo de Estudos do Setor Elétrico da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) também participa do projeto.

A EDP instalou um eletroposto para demonstração durante o evento de anúncio do projeto à imprensa, realizado na terça-feira, 22, em São Paulo. Participaram do evento Andreas Marquardt, diretor presidente da Porsche Brasil; Johannes Roscheck, CEO e presidente da Audi; Eduardo Sousa, diretor da Eletric Mobility Brasil; Pablo Di Si, presidente e CEO da VW América Latina; Antonio Mexia, CEO global da EDP; André Clark, presidente e CEO da Siemens; Rafael Paniagua, presidente da ABB; e Miguel Setas, presidente da EDP Brasil.

O presidente da EDP no Brasil Miguel Setas explica que o plano de trabalho começou há três anos e atende a uma chamada pública da Aneel, Agência Nacional de Energia Elétrica, para o tema mobilidade elétrica eficiente. No total, os projetos de mobilidade elétrica apresentados pela EDP na chamada pública da Aneel somam R$ 50 milhões, via Fundo de Pesquisa e Desenvolvimento da Aneel, recursos próprios e de parceiros.

No projeto de recargas ultrarrápidas em São Paulo, serão instalados carregadores do tipo ultrarrápido, capazes de reabastecer 80% da bateria de um carro entre 25 e 30 minutos. Serão 29 eletropostos de 150kW e uma unidade de 350kW. Segundo Setas, os eletropostos terão um raio médio de 100 a 150 quilômetros de distância e a tarifa de recarga (o preço da energia a ser paga) ainda não tem definição.

“O preço da energia no posto de recarga é um assunto que permeia nosso plano de negócio, que está sendo desenhado. Ainda não temos uma tarifa definida”, afirma Setas.

OS ELÉTRICOS VÊM PARA O BRASIL


A nova rede de recarga ultrarrápida se unirá a outras já existentes, como o corredor elétrico da Rodovia Presidente Dutra, que conta com seis eletropostos entre São Paulo e Rio de Janeiro: inaugurada em julho do ano passado também é uma parceria da EDP com a BMW. Considerando outras redes, como uma que está sendo implementada também pela EDP no Espírito Santo, com oito postos de recarga em fase de instalação, a empresa calcula que vai conectar um total de 64 pontos de carregamento que interligam São Paulo, Rio de Janeiro, Vitória (ES), Curitiba (PR) e Florianópolis (SC), formando um corredor de abastecimento de automóveis elétricos com mais de 2.500 quilômetros de extensão.

“Pela primeira vez, uma parceria público-privada está trabalhando junta com o mesmo objetivo; é um projeto divisor de águas”, declarou o presidente e CEO da Volkswagen para a América Latina, Pablo Di Si.



Ele lembrou que a VW planeja lançar seis carros, entre híbridos e elétricos, para a região nos próximos cinco anos: o primeiro deles será apresentado para a imprensa especializada no início de novembro, o Golf GTE híbrido plug-in, cuja autonomia somada dos dois motores (um a combustão e outro elétrico) chega a 900 quilômetros, dos quais 50 km podem ser rodados só no modo elétrico.

Por sua vez, a Audi confirma a chegada do 100% elétrico e-Tron SUV até maio de 2020 no mercado brasileiro, com pré-venda a partir de novembro. “Estamos construindo um futuro e no Brasil esse futuro também será elétrico”, disse o CEO e presidente da Audi do Brasil, Johannes Roscheck.

Sobre a integração das redes de recarga para veículos elétricos, o diretor-presidente da Porsche Brasil, Andreas Marquadt, ressaltou a importância de promover a expansão dos corredores visando o aumento da participação do carro elétrico na frota nacional. Estima-se que até 2030, os elétricos serão cerca de 2 milhões de unidades no Brasil. “Participar desse projeto demonstra o compromisso da Porsche com a mobilidade elétrica e nos permite oferecer aos clientes tornar o futuro elétrico mais presente.”

Marquadt confirmou que o 100% elétrico Taycan chega ao Brasil em 2020. A Porsche é uma das parceiras globais da ABB para o desenvolvimento do carregar ultrarrápido de 350kW.

“A estação de carregamento rápido de 350kw é capaz de carregar 80% da bateria do Taycan em apenas 22,5 minutos, o equivalente a um alcance aproximado de 400 quilômetros”, destacou.

As rodovias paulistas que receberão os eletropostos são:

•Tamoios
•Imigrantes
•Carvalho Pinto
•Governador Mário Covas (conexão com o litoral paulista e Espírito Santo)
•Dom Pedro
•Washington Luís
•Régis Bittencourt (conexão com corredores do Paraná e Santa Catarina).



Tags: Recarga, carro elétrico, EDP, ABB, Audi, Porsche, Volkswagen, Electric Mobility, Siemens, eletroposto, Taycan, Golf GTE, híbrido plug-in.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência