Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Eaton supera ano difícil com novos contratos e crescimento
Galvão, presidente da Eaton América Latina: decisões estratégicas compensaram fatores negativos do mercado

Indústria | 29/10/2019 | 19h37

Eaton supera ano difícil com novos contratos e crescimento

Com mais clientes para suas transmissões e componentes, empresa projeta expansão contínua dos negócios até 2023

PEDRO KUTNEY, AB

“Este foi um ano atípico. Poderia dizer que foi negativo, porque perdemos o fornecimento para a Ford Caminhões e as exportações para a Argentina caíram mais do que era previsto. Mas fechamos novos contratos que compensaram as perdas e garantem crescimento nos próximos anos.” Assim Antonio Carlos Galvão, presidente da Eaton América Latina, avalia o desempenho dos negócios em 2019, que poderia ser melhor sem os fatores negativos mencionados, mas que seria bem pior se a empresa não tivesse tomado decisões estratégicas, anos atrás, que hoje conferem sustentabilidade e expansão futura às operações no Brasil.

“No passado recente tomamos a decisão acertada de focar no desenvolvimento local de tecnologia e novas transmissões, com isso ganhamos contratos de fornecimento que garantem nosso crescimento no período 2020-2023”, afirma Antonio Carlos Galvão.



Como exemplo dos novos contratos conquistados, o executivo cita a Fenatran realizada entre 14 e 18 deste mês, onde metade dos fabricantes de caminhões expunham produtos equipados com novas caixas de câmbio (manuais e automatizadas) e embreagens fornecidas pela Eaton, incluindo VWCO, Mercedes-Benz e Iveco. Em outra frente de negócios, a Mercedes-Benz já confirmou que irá nacionalizar a transmissão automatizada do novo Actros com componentes produzidos pela Eaton em Mogi Guaçu.

Sem poder revelar ainda os outros contratos já firmados, Galvão informa que “teremos mais novidades nos próximos anos, por isso já é possível antever que 2020 será melhor que 2019, que 2021 será ainda melhor e assim sucessivamente até 2023”.

Galvão admite que o encerramento da operação de caminhões da Ford no Brasil “foi uma perda de fornecimento importante”, mas ele revela que, pelas movimentações do mercado e colocação de pedidos, já é possível prever que outros clientes da Eaton vão ocupar os espaços deixados.

Sobre a queda das exportações provocadas pela profunda retração da economia argentina, o presidente da Eaton conta que a empresa buscou contratos em outros mercados externos para compensar o tombo no país vizinho. Com isso, a participação das vendas externas na produção das fábricas do grupo no Brasil até cresceram, saindo do nível de 20% a 25% para fechar 2019 em torno de 30%.

DESENVOLVIMENTO LOCAL



Para Galvão, a base de sustentação da Eaton no Brasil é a capacidade de desenvolvimento local, que permite oferecer aos clientes soluções adequadas para rodar no País. “Não dá para aplicar uma mesma transmissão desenvolvida lá fora em um caminhão aqui, porque são muito diferentes as condições de carga, topografia, piso etc. Conhecemos essa realidade e desenvolvemos produtos para enfrentar as características da região”, afirma.

“Nossa capacidade de engenharia local foi fundamental para oferecer a cada cliente o que ele precisa e assim conquistar novos negócios. Não oferecemos uma mesma transmissão para duas montadoras. Cada uma significa anos de trabalho em conjunto; os resultados dessa estratégia estão aparecendo”, pontua.

A Eaton tem um centro de engenharia alocado na planta de Valinhos (SP) com mais de 100 pessoas, que além de adaptar produtos para as necessidades locais, também é referência global do grupo para projetos de transmissões para picapes e caminhões leves. “É essa infraestrutura que dá sustentação ao nosso desenvolvimento local e maior envolvimento com os fabricantes de veículos”, diz Galvão.

O executivo também destaca o elevado grau de qualificação das fábricas brasileiras da Eaton. O grupo tem mais de 300 plantas no mundo e por meio de auditoria interna classifica apenas 15 delas como sendo de “classe mundial” e somente sete são “modelo”, entre estas duas no Brasil, Valinhos (produção de transmissões) e Mogi Mirim (engrenagens e componentes para caixas de câmbio).

FONTES DE CRESCIMENTO




Linha de produção de transmissões automatizadas da Eaton em Valinhos (SP): crescimento acelerado

Na próxima década, Galvão avalia que mais negócios virão da maior penetração de transmissões automatizadas, hoje presentes em quase metade dos caminhões novos vendidos no País (acima de 95% no caso dos modelos pesados). Com isso, novos desenvolvimentos serão necessários para novos veículos nos próximos anos, com a provável conquista de contratos. “É uma tendência natural, pois o câmbio automatizado representa sensível redução dos custos operacionais [de manutenção e consumo de combustível]”, destaca. A Eaton já fornece caixas automatizadas para três montadoras no Brasil: Mercedes-Benz, Iveco e VWCO (também fornecia à Ford Caminhões).

Outra fonte de potencial crescimento para a Eaton no Brasil são os contratos de manufatura de componentes, uma operação que já está em alta em Mogi Mirim, onde são produzidas em três turno de trabalho engrenagens para caixas das General Motors e Mercedes-Benz. “É possível conquistar novos contratos, porque os fabricantes de veículos não conseguem fazer tudo sozinhos”, pondera Galvão.

Também está no horizonte de novas oportunidades de expansão dos negócios a produção nacional de válvulas ORVR (Onboard Refueling Vapor Recovery), que evita a o vazamento por evaporação na atmosfera de gases tóxicos do tanque de combustível. A Eaton produz a ORVR há mais de 20 anos nos Estados Unidos, onde mais de 300 milhões de veículos leves já foram equipados com o dispositivo. O plano é fabricar a válvula em Valinhos a partir de 2023, quando a legislação brasileira de prevê a instalação obrigatória do instrumento de contenção de emissões evaporativas nos veículos vendidos no País.



Tags: Eaton, mercado, indústria, transmissões, componentes, autopeças, caminhões, Fenatran, Antonio Carlos Galvão.

Comentários

  • Ailton

    Commuito esforço de todos....Parabens..

  • SérgioDamasio

    Tenhomuito orgulho e satisfação de fazer parte dessa empresa onde que nas grandes dificuldades com luta foco e determinação conseguimos superar os desafios e o mais importante a visão de um futuro bem promissor Parabens equipe EATON.

  • MiguelGomes Da Silva

    Olápessoal. eu quero dizer que sinto muita saudades dessa empresa pois já trabalhei nela quando era a antiga Clark. eu quero Aqui pedir o Sr presidente Antonio Galvão. e todos RH dessa magnifica empresa que me desse uma chance de volata a trabalhar com vocês nem que fosse como Auxiliar em qualquer Área. Eu trabalhei no tratamento Térmico na época. mas aprendi Muito coisas boas Ai. eu desempregado já faz mas de 2 Anos. estou na informalidade com vendas. mas esta Dificil. eu já enviei Curriculos. mas Ainda não tive respostas. mas eu tem fé que ainda vou trabalhar nessa empresa. Sai porque eu pedi. pois eu achava que não dormia direito de dia. mas eu vi depois que era falta de avaliar. esse detalhe. Obs. Não olhem minha data de Nascimento.pois eu ainda sou muito jovem e posso provar que eu aparento ter uns 48 anos. porque estou falando tudo isso.porque eu penso quando as vê a data de Nascimento. pode pensar esse cara já esta muito velho.me desculpe falar tanto. Abraço a todos!

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência