Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias
Ford perde quarto lugar em 2019, GM Chevrolet sustenta liderança com folga

Mercado | 08/01/2020 | 20h00

Ford perde quarto lugar em 2019, GM Chevrolet sustenta liderança com folga

Marca cede para a Renault histórico quarto lugar no ranking dos carros mais vendidos do País

PEDRO KUTNEY, AB

Em 2019 a Ford perdeu seu histórico quarto lugar, mantido por mais de 30 anos, e desceu para a quinta posição no ranking de marcas mais vendidas de veículos leves no Brasil, algo que acontece pela segunda vez nesta década – em 2016 foi pior, ficou em sexto superada por Hyundai e Toyota. Desta vez a Renault superou a Ford, subindo da quinta para a quarta colocação.

A Ford decidiu deliberadamente reduzir sua presença no mercado brasileiro para parar de perder dinheiro aqui. No ano passado decidiu fechar a fábrica de São Bernardo do Campo, onde deixou de produzir caminhões e o Fiesta, parou de fazer o Focus na Argentina e promoveu poucas renovações de produtos. O hatch Ka, apesar de ter sido o segundo carro mais vendido do ano, muito focado em vendas diretas, não conseguiu sozinho sustentar a colocação da fabricante, que vendeu 218,5 mil unidades – cerca de metade deste número, 104 mil, foi completado só pelo Ka e outros 25% pelo Ka Sedan (51 mil emplacamentos), enquanto o EcoSport não consegue alçar voos mais altos (34 mil). O resultado foi de queda de 3,5% sobre 2018 em ano que as vendas no País cresceram 7,6% na média. Com isso, a Ford perdeu quase um ponto porcentual de participação nas vendas nacionais, terminando dezembro com 8,2%.

Já a GM conseguiu sustentar com folga sua primeira posição no ranking pelo quarto ano consecutivo com a marca Chevrolet, que somou vendas de 475,7 mil unidades, em crescimento de 9,5% sobre 2018, o que assegurou participação de quase 18%, levemente maior do que no ano anterior. Mais uma vez o hatch Onix, carro mais vendido do País com novo recorde de 241,2 mil emplacamentos de janeiro a dezembro, garantiu metade do resultado da GM. O desempenho foi impressionante: o Onix vendeu mais do que o segundo (Ford Ka) e terceiro (Hyundai HB20) colocados somados. Com a renovação da linha já no fim do ano e esperados lançamentos de SUVs nacionais a fabricante tem condições de defender novamente sua liderança em 2020.

A Volkswagen vem logo atrás e até conseguiu superar a rival em algumas semanas do ano passado. Terminou 2019 com 414,5 mil emplacamentos, em expressivo crescimento de 12,6% e ganho de quase 0,7 ponto de participação, agora em 15,6%. A Volkswagen conseguiu mesclar sua força comercial em diversos modelos nacionais, especialmente (pela ordem) Gol, Polo, Virtus, Fox e o SUV T-Cross que teve cerca de meio ano de vendas após seu lançamento em maio.

Apesar da falta de novidades, a Fiat conseguiu defender bem sua terceira colocação, com 366 mil emplacamentos, bom crescimento de 12,4% (bastante acima da média do mercado) e ganho de 0,6 ponto de participação, fechando 2019 com 13,8%. Pela ordem, Argo, Strada, Toro e Mobi foram responsáveis por quase todo o resultado.

Já há alguns anos a FCA (Fiat Chrysler Automobiles) prefere destacar que lidera o mercado brasileiro como fabricante, com 496,7 mil emplacamentos e crescimento de 14,5% sobre 2018. Para isso, agrega ao resultado do ano especialmente as boas vendas da Jeep, que com apenas dois SUVs nacionais produzidos em Pernambuco (Renegade e Compass, respectivamente nono e décimo carros mais vendidos do País), com preços acima dos R$ 100 mil, fechou 2019 com 106,9 mil vendas, em vistosa expansão anual de 21%, subindo da nona para a oitava posição do ranking nacional, com ganho de meio ponto de participação, que terminou o ano em 4,9%.

Graças ao bom desempenho do Kwid e Sandero (renovado em 2019) no segmento de vendas diretas e no varejo, a Renault subiu do quinto para o quarto lugar no ranking das marcas mais vendidas, com 239,2 mil veículos emplacados no ano, em alta de 11,3% sobre 2018 e pequena elevação de participação, para 9%.

Apesar de suas vendas terem crescido rigorosamente em linha com o mercado, 7,8%, com 215,7 mil emplacamentos no ano, a Toyota conseguiu subir um degrau no ranking, da sétima para a sexta posição, fechando dezembro com participação estável em 8,1%. O principal produto da marca japonesa no País, o sedã Corolla ainda se sustentou como 12º carro mais vendido do País mesmo com o lançamento (em setembro) da nova geração do modelo, que nos meses finais em 2019 começou a ganhar mais fôlego.

Mesmo com pouca expansão porcentual, a Toyota tomou o lugar da Hyundai, que em 2019 perdeu meio ponto de participação, desceu da sexta para a sétima posição com 7,8% de market share, totalizando 207,6 mil emplacamentos, em imperceptível alta de 0,5% sobre 2018. O desempenho fraco pode ser atribuído à renovação do principal produto da marca coreana no País, o HB20. O hatch terminou o ano como terceiro carro mais vendido do País, mas o número foi inferior ao do exercício anterior.

As japonesas Honda e Nissan fecham o ranking das marcas mais vendidas em 2019 respectivamente na nona e décima posições. Ambas fecharam 2019 sem novidades relevantes e com pequenas quedas das vendas na comparação com 2018. Na Honda a retração foi de quase 2%, com 129 mil emplacamentos e participação de 4,8%, redução de meio ponto sobre o ano anterior. A Nissan, com vendas de 96 mil unidades, apurou recuo de 1,5% e share de 3,6%, quase estável em relação a 2018.



Houve também algumas movimentações interessantes no ranking abaixo da décima colocação. Mesmo sem apresentar novidades no ano, a Citroën subiu duas posições, da 13ª para a 11ª, com vistoso crescimento de 84,5%, mas com baixo volume de emplacamentos que somou 26,5 mil unidades, fazendo a participação da marca fechar 2019 em 1%, 0,4 ponto maior do que em 2018, graças ao bom desempenho do SUV C4 Cactus.

A Citroën tomou o lugar da marca irmã de grupo PSA, a Peugeot, que desceu da 11ª para a 13ª posição com 21,6 mil veículos emplacados, em retração de 8,7% e participação de 0,8%, quase igual a 2018. A leve renovação do SUV compacto 2008 não surtiu efeito, já que a versão turbo com câmbio automático só chegou ao mercado já no fim do ano.

Sem se mexer, no meio das marcas francesas, em 12º, ficou a japonesa Mitsubishi, com 21,9 mil emplacamentos, pequena queda de 1,1% e participação estável em 0,82%.

O melhor desempenho porcentual do ano foi da Caoa Chery, que após vários lançamentos em 2019 saltou da 18ª para a 14ª colocação entre as marcas mais vendidas, com 20,2 mil emplacamentos e crescimento vistoso de 133,6%, fechando o ano com participação de 0,76%, com ganho de 0,4 ponto sobre o ano anterior.



Tags: Mercado, ranking de vendas 2019, marcas de carros mais vendidas de 2019, participação.

Comentários

  • BENEDICTOKUBRUSLY JUNIOR

    Muito,muito boa, bem escrita esta reportagem.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência