Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Renault ganha participação, mas ainda busca lucro
Ricardo Gondo no lançamento do novo Duster: rentabilidade no Brasil ainda é um problema

Indústria | 04/03/2020 | 19h40

Renault ganha participação, mas ainda busca lucro

Fabricante está perto da meta de obter 10% do mercado brasileiro e estuda novo plano de investimento

PEDRO KUTNEY, AB | De Foz do Iguaçu (PR)

Após mais que dobrar sua participação no mercado brasileiro de 3,9% para 9% ao longo da última década e terminar 2019 na inédita quarta posição do ranking das marcas de veículos mais vendidas no País, a Renault está muito perto de atingir sua meta de 10% até 2022. Quanto a isso, nenhum problema, tudo dentro do planejado, avalia Ricardo Gondo, presidente da empresa no Brasil. A questão é a busca da rentabilidade, ainda difícil de ser alcançada, mas necessária para aprovar os investimentos necessários em linhas de produção e novos modelos para sustentar as conquistas até aqui e continuar ganhando terreno.



“Com 9% já estamos bem posicionados, estamos quase no nosso objetivo de 10% até 2022. Mas o tema da rentabilidade ainda é um problema no Brasil, ao mesmo tempo que que precisamos investir muito para lançar produtos e continuar crescendo”, avalia Ricardo Gondo.



Apesar de ter abocanhado 9% do mercado brasileiro em 2019, a Renault fez seus maiores volumes em segmento de baixa rentabilidade, o de vendas diretas, onde foi a terceira marca mais vendida de veículos de passageiros (automóveis), com participação de 11,3%, enquanto no varejo obteve 8,4% e ficou na sexta colocação.

NOVOS INVESTIMENTOS



A renovação do SUV compacto Duster lançado este mês é a última etapa do mais recente ciclo de investimento da Renault no Brasil, de R$ 3,2 bilhões de 2017 a 2019, que além do Duster incluiu desenvolvimento e reestilização de toda a gama da marca no País, incluindo os lançamentos de Kwid, Captur, novos Sandero e Logan. “A estratégia de lançar produtos regionalizados foi o que garantiu nosso crescimento no Brasil até agora”, reconhece Gondo.

O Complexo Industrial Ayrton Senna, em São José dos Pinhais (PR), também recebeu parte significativa dos aportes previstos no programa, com modernização e rearranjo das fábricas de veículos de passageiros e comerciais leves, motores e inauguração de uma fundição de alumínio.

Segundo Gondo, um novo programa de investimentos está em negociação com a matriz na França. Ele não confirma a data do anúncio, mas revela que “em 2021 devemos ter muitas novidades a contar”. Uma delas deverá ser a introdução de motorização turbinada nos carros da marca, com a provável produção no Paraná do modelo 1.3 turbo que a Renault já tem na Europa.



Tags: Renault, mercado, participação, ranking, fábrica, indústria, investimento.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência