Automotive Business
  
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Schiemer cobra medidas e coordenação do governo contra a crise
Philipp Schiemer: “Temos crise econômica e política que agrava a situação”

COVID-19 | 14/05/2020 | 19h36

Schiemer cobra medidas e coordenação do governo contra a crise

Presidente da Mercedes-Benz do Brasil critica políticos por agravar a recessão econômica

PEDRO KUTNEY, AB



Prestes a deixar o Brasil para assumir novo posto na companhia na Alemanha, enquanto seu sucessor Karl Deppen ainda aguarda condições de viagem e visto de trabalho para poder substituí-lo da presidência da Mercedes-Benz no País (o que estava previsto para acontecer este mês mas foi transferido para julho), Philipp Schiemer se mostra decepcionado sobre como o governo brasileiro está administrando a crise sem precedentes trazida pela pandemia de coronavírus. Ao falar sobre as ações da empresa e retomada da produção nas fábricas brasileiras esta semana, o executivo cobrou medidas com maior agilidade e coordenação para preservar o setor automotivo nacional e evitar recessão econômica mais longa.



Nos sete anos que esteve à frente da operação da Mercedes-Benz no Brasil, Schiemer lembrou que nos encontros constantes com a imprensa sempre teve mais problemas do que boas notícias a relatar, o mercado brasileiro de caminhões e ônibus passou por anos de perdas pesadas, mas ele alerta que desta vez a situação é mais grave e a recessão tende a ser pior no País.

“Agora a crise é sem precedentes e é global, afeta o mundo inteiro. Mas aqui faltam ações ágeis e coordenadas dos governos municipais, estaduais e federal. Em vez disso vemos brigas políticas, troca de ministros, enquanto a Covid-19 já atinge 200 mil pessoas e matou quase 14 mil (até 14/5)”, lamenta Schiemer. O executivo alerta que o descontrole da crise na saúde tende a agravar a recessão no País.

“Temos crise econômica e política que agrava a situação. Faltam palavras para expressar minha decepção com essa política. Políticos estão mais focados nas eleições de 2022 do que em tomar medidas para resolver a crise agora, discutem aumento de gastos públicos sem contrapartidas. Isso irá deixar uma herança diabólica para as próximas gerações, porque no futuro só restará recessão e desemprego”, argumenta Philipp Schiemer.



Para o executivo, os investidores já perderam a confiança no País e isso se reflete na desvalorização acentuada do real, a moeda que mais perdeu valor no mundo este ano, com a cotação do dólar que ultrapassou R$ 5,90 e se aproxima dos R$ 6. “Isso é inédito, depreciação cambial de mais de 45% com inflação quase zero. Não há razão técnica para tamanha desvalorização. Isso quer dizer que nos últimos meses o Brasil perdeu a credibilidade com as reformas paradas”, aponta Schiemer.

COBRANÇA DE MEDIDAS PARA O SETOR



O presidente da Mercedes-Benz também alertou que o setor automotivo brasileiro precisa de medidas urgentes do governo para superar a crise. “Perdemos mais de três meses de faturamento e agora precisamos de recursos. Por enquanto não houve demissões, mas isso tem limite”, avisa.

Schiemer defende, em ordem de urgência, três ações coordenadas com o governo: liberação de empréstimos com juros mais baixos para cobrir o rombo de caixa das empresas e garantir capital de giro, o replanejamento da agenda de marcos regulatórios do setor (adiamento das novas etapas da legislação de emissões, principalmente) e medidas de estímulo para fazer a economia voltar a crescer.

Com a crise, os bancos ficaram mais seletivos e passaram a cobrar mais caro pelos empréstimos diante do risco de quebra das empresas. Schiemer destaca que as matrizes das montadoras sempre garantiram o crédito de suas subsidiárias no Brasil, mas pondera que neste momento isso não é suficiente ou possível. Por isso ele defende a rápida aprovação da proposta apresentada recentemente pela Anfavea, a associação dos fabricantes, que pede a utilização de créditos tributários estimados em R$ 25 bilhões devidos às montadoras por estados e governo federal. Esses recursos serviriam de garantia para o BNDES avalizar junto a bancos a concessão de empréstimos mais baratos.

“Não precisamos de subsídios, só queremos pagar taxas razoáveis e isso é possível com a liberação de uma garantia que já pertence à indústria, para passar por esse momento de falta de capital de giro. Estamos entre os maiores pagadores de impostos do País. Deixar esse setor morrer por falta de recursos não é boa ideia”, enfatiza Schiemer. Outro pedido é que o Banco Central inclua os bancos de montadoras no programa de acesso a recursos da instituição, para aumentar o poder de financiar as vendas de veículos. Segundo Schiemer, cerca de 70% dos financiamentos de caminhões e quase 100% dos de ônibus no País são feitos pelas financeiras ligadas aos fabricantes de veículos. Ele lembra ainda que esses bancos financiam o capital de giro das concessionárias.

Superada a emergência financeira, Schiemer acredita que é necessário negociar o mais rápido possível o adiamento de prazos regulatórios para adoção de novos sistemas de segurança veicular e tecnologias de redução de emissões. Segundo ele, com a pandemia “já perdemos um tempo valioso de desenvolvimento dessas novas tecnologias, porque as engenharias também pararam, então não há mais como cumprir os prazos estabelecidos e nem recursos para investir nesses desenvolvimentos”, pontua.

Por fim, mas não menos importante, o executivo defende que serão necessárias medidas de estímulo para fazer a indústria voltar a crescer no País. Ele sugere, por exemplo, a rápida introdução de um programa de renovação de frota. “É um segundo passo, mas já deveríamos estar discutindo isso para recuperar a geração de empregos e renda o quanto antes”, avalia. “É um grande engano acreditar que a economia irá se recuperar sozinha após esta crise, serão necessários muitos incentivos para isso acontecer”, resume.



Tags: Mercedes-Benz, Philipp Schiemer, crise, economia, política, medidas econômicas, governo, indústria, mercado, coronavírus, pandemia, Covid-19.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência