Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias
Projeções negativas ficam estáveis para Brasil e pioram para Argentina
Fernando Trujillo, da IHS Markit, fala das projeções de vendas e produção em Live #ABX20

Conjuntura | 18/05/2020 | 18h30

Projeções negativas ficam estáveis para Brasil e pioram para Argentina

Em Live #ABX20, IHS Markit apresenta revisão das previsões de mercado e produção de veículos leves e pesados

PEDRO KUTNEY, AB



As projeções da IHS Markit para o mercado automotivo brasileiro diante da pandemia de coronavírus não mudaram muito de um mês para cá: a consultoria segue com a estimativa de queda de 30% nas vendas de veículos leves, 1,86 milhão de automóveis e comerciais leves, e ajustou 40 mil unidades para baixo a previsão de produção no País, esperando retração de 32%, para 1,9 milhão. “Revisamos porque muitas fábricas estenderam o período de paralisação das linhas”, explica o consultor Fernando Trujillo, que apresentou na segunda-feira, 18, os novos números da consultoria na série de entrevistas Lives #ABX20 promovidas por Automotive Business.



Segundo Trujillo, o cenário à frente continua bastante nublado, “as incertezas continuam e muitas cidades e estados ampliaram as restrições à circulação”, o que dificulta as projeções de mercado, mas no decorrer do último mês houve poucas mudanças, o que é ruim e bom ao mesmo tempo.

“A situação ficou estável [de um mês para cá], o que não é bom porque a retração continua grande, mas ao menos não piorou. Contudo, o cenário é crítico, já vemos o fechamento de empresas na cadeia. A indústria automotiva irá passar por renovação e consolidação em ritmo acelerado daqui para frente”, pondera Fernando Trujillo.



O consultor aponta que as vendas de abril e maio, embora estejam em níveis muito abaixo do normal, estão até um pouco acima do que era esperado, “provavelmente porque houve represamento de emplacamentos por causa do fechamento dos Detrans, o que deixou alguns registros de março para os meses seguintes”.

O acompanhamento da IHS Markit revela que na primeira metade de maio o volume de licenciamentos de veículos novos está na casa de 2,6 mil emplacamentos por dia útil. “É um número interessante para o momento, mas ainda aquém do que estávamos acostumados a ver”, destacou Trujillo. Segundo ele, é esperado que os emplacamentos só comecem a aumentar no segundo semestre, chegando a dezembro com 212 mil unidades vendidas, no início da rampa de recuperação do mercado brasileiro.

Dentro da esperada retomada das vendas de veículos leves no País, a IHS Markit trabalha com a expectativa de mercado anual de quase 2,3 milhões de veículos leves em 2021, em alta de 23% sobre 2020, e produção de 2,44 milhões de unidades, o que representaria crescimento de 29% de acordo com as projeções atuais. “São números ainda abaixo de 2019, mas já é avanço importante para a indústria que precisa de volumes”, afirma Trujillo.

VEÍCULOS PESADOS



Desta vez a IHS Markit também apresentou suas projeções de vendas de veículos pesados no Brasil, que inclui caminhões e chassis de ônibus acima de 6 toneladas de peso bruto total (PBT). A estimativa é que este ano sejam negociadas 81 mil unidades, o que representa queda de 29,4% sobre 2019. A produção esperada de pesados no País é de 106 mil, uma retração um pouco menor, de 22%, porque a maioria das fábricas do segmento já voltaram a operar.

“Embora a retração também seja grande, é um mercado de pesados tem comportamento diferente do de veículos leves. O agronegócio e transporte de alimentos e bebidas continua sustentando as vendas de caminhões”, explica o consultor.

Pelos mesmos motivos, para 2021 a consultoria espera por alta maior do mercado de veículos pesados, na casa de 33,3%, saltando para 108 mil caminhões e ônibus acima de 6 toneladas de PBT. A expectativa para o segmento é de maior retomada das exportações, o que deverá empurrar a produção de pesados para 154 mil unidades em 2021, em expressivo crescimento de 44,7%.

CENÁRIO PIORA NA ARGENTINA



Se para o Brasil a situação negativa parece estabilizada no patamar atual, na Argentina as expectativas pioraram bastante na visão da IHS Markit. “A situação já era bem complicada no país e agora está ainda pior”, explica Trujillo.

Em abril a consultoria previa a venda de apenas 260 mil veículos leves no mercado argentino, o que representava queda de 41%. Agora a projeção foi reajustada ainda mais para baixo: 247 mil unidades, retração de 44,5%. Para a produção, antes estimada em 265 mil automóveis e utilitários (-20%), a IHS Markit subtraiu 10 mil unidades, para 255 mil, recuo de 22,6%.

Por causa da expressiva retração, a recuperação porcentual de mercado e produção na Argentina deve ser maior, mas com números absolutos ainda muito baixos, que em nada lembram números que vinham sendo registrados até 2018.

A IHS Markit projeta vendas de 300 mil veículos leves na Argentina em 2021, alta de 21%, e maior recuperação da produção no próximo ano, para 363 mil unidades fabricadas, número 42% maior, o que depende da esperada retomada do mercado brasileiro, maior comprador externo de carros argentinos.

VISÃO GLOBAL



Trujillo lembra que se está difícil fazer projeções locais, a dificuldade é ainda maior quando se fala de comportamento do mercado global de veículos. “China e Estados Unidos, os dois maiores mercados do mundo, estão reabrindo as concessionárias e existe um horizonte de alguma recuperação, enquanto na Europa o cenário é de maior retração e na nossa região (América Latina) a visão é de estabilidade [em patamar negativo]. Com isso, temos alguns movimentos opostos”, indica.

Por enquanto, a IHS Markit prevê em 2020 mercado global de 69,2 milhões de veículos leves, em retração de 23% sobre 2019. “Para se ter ideia, reduzimos em 19,5 milhões de unidades a previsão que tínhamos para este ano em janeiro”, destaca. Para a China a queda anual deverá ser menor, 15%, enquanto na Europa a tendência é de tombo mais agudo.

Em 2021 a recuperação deve acontecer com a venda de 77,8 milhões de veículos, em alta de 12,5% ante 2020.

Assista no vídeo abaixo a entrevista com Fernando Trujillo, o anúncio dos finalistas do Prêmio REI 2020 e a conversa com a consultora Letícia Costa





Tags: IHS Markit, Lives #ABX20, entrevista, Fernando Trujillo, projeção, previsão, revisão, produção, vendas, mercado, pandemia, coronavírus, Covid-19.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência