Automotive Business
  
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Aumento de vendas de importados é efêmero, aponta Abeifa

Mercado | 02/06/2020 | 19h30

Aumento de vendas de importados é efêmero, aponta Abeifa

Clientes aproveitaram preços antes de reajustes pela alta do dólar e importadores venderam 33% mais em maio

PEDRO KUTNEY, AB



As 15 marcas filiadas à Abeifa (Associação Brasileira das Empresas Importadoras e Fabricantes de Veículos Automotores) registraram em maio crescimento porcentual expressivo de 33% nas vendas de veículos importados em relação a abril. Mas o desempenho continua bastante abaixo dos níveis pré-pandemia, com apenas mil unidades negociadas, volume três vezes menor do que os 3 mil carros vendidos pelos importadores em maio de 2019. A evolução foi sobre base baixa de comparação e o resultado é efêmero, pois o aumento da demanda foi causado por clientes que puderam aproveitar para comprar um modelo importado antes dos inevitáveis reajustes de preços que serão aplicados a partir de junho, provocados pela disparada na cotação do dólar, que passa de R$ 5,00.



O movimento de melhora nas negociações de importados em maio já havia sido antecipado uma semana antes por João Oliveira, presidente da Abeifa, em entrevista da série Lives #ABX20 promovida por Automotive Business. Na ocasião, Oliveira previu que as vendas dos importadores associados este ano devem recuar 30%, em linha com o resto do mercado.

A Abeifa destaca em seu comunicado mensal de resultados que “o aumento de vendas em maio não alivia a pressão sobre o setor”, que segue severamente afetado pela pandemia de coronavírus, que fechou a maioria das concessionárias nos últimos dois meses e veio acompanhada por alta recorde do dólar, de mais de 45% só este ano – o real é a moeda que mais perdeu valor no mundo em 2020.

“As consequências da pandemia e a valorização de dólar e euro mostram-se devastadoras para o nosso setor. Em maio, como ainda havia estoques de unidades importadas antes dessa elevação acentuada do câmbio, as associadas puderam segurar seus preços, o que movimentou as vendas. Mas a permanecer a atual volatilidade das moedas estrangeiras, e considerando a finalização do estoque importado com câmbio menos depreciado, os reajustes nas tabelas serão em breve sentidos no varejo”, explica João Oliveira.



Mesmo com o crescimento sobre abril, as vendas de importados em maio representam baixa substancial de 67,7% antes o mesmo mês de 2019, o que aprofunda para 34,2% a queda anual acumulada nos primeiros cinco meses do ano, com 8,9 mil veículos importados vendidos, contra 13,5 mil no mesmo período um ano antes.

PRODUÇÃO LOCAL



As associadas à Abeifa que também têm produção nacional (BMW, Caoa Chery, Land Rover e Suzuki) fecharam maio último com apenas 827 emplacamentos de veículos montados no País, total que representou aumento de 17,5% em relação a abril de 2020, quando foram vendidas 704 unidades, e retração 68,9% na comparação com maio de 2019 (2.655 unidades).

No acumulado do ano, de janeiro a maio a venda da produção nacional das associadas à entidade está baixa de 19,1%: 9.673 unidades emplacadas este ano contra 11.963 em 2019.

Em maio último, ao considerar somente os veículos importados por associadas da Abeifa – total de 1.000 unidades –, o setor teve participação de apenas 1,7% no mercado total de automóveis e comerciais leves no Brasi (56.639 unidades). Com 1.827 unidades licenciadas (importados e produção nacional), a participação sobe para 3,2%.



- Faça aqui o download dos dados da Abeifa
- Veja outras estatísticas em AB Inteligência





Tags: Mercado, Abeifa, importadores, importados, fabricantes, veículos, automóveis, vendas, emplacamentos, Covid-19, pandemia, coronavírus.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência