Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias
Indústria de pneus registra queda de 50,5% nas vendas de maio

Balanço | 11/06/2020 | 20h30

Indústria de pneus registra queda de 50,5% nas vendas de maio

Entregas às montadoras caíram 81% em comparação com 2019

REDAÇÃO AB



As vendas dos fabricantes de pneus no Brasil em maio somaram 2,5 milhões de unidades, somando mercados de novos e reposição, em resultado que representou expressiva queda de 50,5% em comparação com o mesmo mês de 2019, segundo dados divulgados pela associação representativa do setor, a Anip, na quinta-feira, 11, incluindo modelos para automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus e motos.

O resultado foi puxado para baixo principalmente pelas montadoras de veículos, que desde o fim de março paralisaram a grande maioria das fábricas no País, como resposta para conter o avanço da pandemia de coronavírus. Com isso, apenas 287 mil pneus foram entregues às linhas de montagem, em forte retração de 81% sobre o volume de um ano antes (1,5 milhão). O mercado de reposição caiu menos, mas também registrou forte contração de 37,6%, com 2,2 milhões de unidades comercializadas, contra 3,6 milhões no ano passado.

No acumulado de cinco meses de 2020, a indústria vendeu 17 milhões de pneus no mercado brasileiro, número quase 30% menor do que o registrado no mesmo período de 2019. Até março, os volumes mensais comercializados giravam de 4,3 milhões a 4,5 milhões, em abril o resultado despencou para apenas 1,2 milhão e voltou a subir em maio para 2,5 milhões, mas ainda em patamar historicamente baixo.

“Mesmo com o retorno de algumas montadoras e a abertura progressiva do comércio, teremos avanço restrito dos mercados até o fim do ano, sinalizando uma retração histórica do setor. Neste cenário de grande insegurança no curto prazo, novas medidas na área econômica são necessárias para que o País alcance resultados práticos no retorno das atividades”, defende Klaus Curt Müller, presidente executivo da Anip.

VENDAS DE PNEUS POR SEGMENTO



O consumo nacional de pneus para carros de passeio, o maior segmento consumidor do produto, em maio somou pouco mais de 1 milhão de unidades, resultado 64,1% inferior ao do mesmo mês de 2019. Foram comercializados 122 mil unidades para montadoras e quase 910 mil para reposição.

No segmento de veículos comerciais leves as vendas de pneus em maio totalizaram 260,7 mil, em baixa de 61%, com 208 mil unidades vendidas no mercado de reposição (-48%) e 52,5 mil para montadoras (-80,4%).

As vendas de pneus de carga caíram menos, somaram 481,5 mil em maio, em queda de 27,1% sobre igual mês de 2019. Foram entregues 82,7 mil unidades às montadoras (-50%) e 399 mil ao mercado de reposição (-19,3%).

As motos foram responsáveis pelo consumo de 687,7 mil pneus somente para reposição, em queda de 17,5% sobre maio do ano passado. Não foram contabilizadas entregas aos fabricantes de motocicletas.

BALANÇA COMERCIAL



Apesar da queda em valores de 25% nas exportações de pneus e de 23% nas importações entre janeiro e maio deste ano na comparação com o mesmo período de 2019, a balança comercial da indústria registra superávit de US$ 66,2 milhões em 2020, resultado 33,4% inferior ao apurado um ano antes. Em cinco meses foram exportados US$ 355,7 milhões e importados US$ 289,4 milhões em pneumáticos no País.

Em unidades, o total exportado soma 4,3 milhões de pneus de janeiro a maio (-31,8%) e as importações totalizaram quase o dobro, 8,7 milhões, um déficit de 4,4 milhões.



Tags: Pneus, Anip, resultado, vendas, exportação, balança comercial, indústria, autopeças, pandemia, coronavírus, Covid-19.

Comentários

  • Tadeu

    Essasinformações são fundamental para nosso planejamento

  • JOSERAFAEL D'AMICO

    NO MEU VELHINHO JÁ COLOQUEI UM SEGUNDA LINHA . O DOUTOR ---- FÓRMULA .

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência