Automotive Business
  
ABLive

Notícias

Ver todas as notícias
Petrobras já refina gasolina mais eficiente

Combustíveis | 10/07/2020 | 18h23

Petrobras já refina gasolina mais eficiente

Refinarias já adotam especificação que valeria em 2022, com octanagem 93 RON e massa mínima de 715 kg/m3

PEDRO KUTNEY, AB

A Petrobras já produz em todas as suas refinarias gasolina mais eficiente, que funciona melhor em motores mais modernos e pode representar consumo de 4% a 6% menor. O combustível tem novas especificações de octanagem e massa previstas pela ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis), que em sua Resolução 807/20, publicada em janeiro deste ano, determina que a partir de 3 de agosto próximo toda gasolina vendida no País tenha no mínimo 92 octanas medidas pelo método RON e peso mínimo de 715 kg por metro cúbico. A Petrobras se adiantou e passou produzir o derivado de petróleo com RON 93, o que só seria exigido a partir de 2022.

Segundo Rogério Gonçalves, especialista em combustíveis da Gerência de Desenvolvimento de Produtos da Petrobras, quando a empresa fez o ajuste de suas refinarias para produzir a gasolina sob as novas especificações, verificou que com as tecnologias já disponíveis era possível se adiantar à norma e produzir o combustível 93 RON – sigla em inglês para Research Octane Number, método de pesquisa mais usado na Europa, que avalia a resistência da gasolina à detonação com o motor carregado e em baixa rotação de até 3000 rpm.

Até agora no Brasil a classificação de octanagem utilizada era o Índice Antidetonante (IAD), uma média aritmética entre RON e MON (Motor Octane Number, medição com motor a plena carga e em alta rotação). A especificação vigente até agora no País era de gasolina com IAD mínimo de 87, número que poderia ser obtido com MON mais alto e RON baixo, por exemplo. Isso gerava distorções e prejudicava o funcionamento de alguns motores calibrados para funcionar com gasolina RON, especialmente os mais modernos que trabalham com taxa de compressão maior, como os turbinados e com injeção direta GDI.

NOVA GASOLINA PREVINE QUEBRAS E REDUZ CONSUMO



Gonçalves explica que foi justamente a constatação de defeitos gerados pelo combustível vendido no Brasil que motivou a ANP a adotar novas especificações. “Recebemos algumas reclamações de quebra de motores novos depois do abastecimento. Após algumas investigações, verificamos que o problema acontecia com o uso de gasolina que estava dentro das especificações IAD, mas tinha RON baixo”, conta. “Por causa disso, em 2017 a AEA (Associação de Engenharia Automotiva, onde Gonçalves é um dos diretores) solicitou à ANP uma nova especificação, o que foi feito este ano e atende ao pleito de algumas montadoras.”

Outra reclamação recorrente era o aumento de consumo, que pode ser decorrente do uso de gasolina com baixa massa, que torna mais “fraco” o poder calorífico do combustível. “Tínhamos à venda no País gasolina com massa baixa, chegamos a ver com 680 kg/m3, que aumenta o consumo. Por isso foi importante especificar o mínimo de 715 kg/m3 que passa a valer agora”, explica Gonçalves.

“A nova especificação é um progresso, assim como foi a eliminação do chumbo no combustível (em 1991) e a redução do índice de enxofre da gasolina em 2014 (de 200 para o máximo de 50 ppm)”, avalia Rogério Gonçalves.



De acordo com Gonçalves, a mistura obrigatória de 27% de etanol anidro na gasolina comum (25% na premium) em nada reduz o desempenho do combustível. Ele destaca que os motores flex (bicombustível) podem até ficar mais econômicos usando só gasolina, aumentando a autonomia em relação ao etanol, mas isso depende da calibração usada pelo fabricante.

Sobre a proposta de reduzir a proporção de água de até 7% no álcool hidratado vendido no Brasil, para a criação de etanol de alta octanagem, Gonçalves avalia que será difícil avançar no tema, pois a mudança afetaria todos os motores flex já em circulação já calibrados para funcionar com o atual nível de hidratação do biocombustível. “Esses motores poderiam passar a funcionar mal com um novo combustível. Além disso, também afeta o preço, pois é mais caro produzir etanol com baixa hidratação”, acrescenta.



Tags: Combustível, gasolina, Petrobras, ANP, regulamentação, octanagem, RON, MON, IAD, peso.

Comentários

  • JoséRoberto

    Devereduzir o consumo de gasolina de seu Creta um pouco.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

AB Inteligência